Box Trilogia do Templo - Zé Rodrix |

Box Trilogia do Templo - Zé Rodrix

Produção de 500 "box" exclusivos, com os 3 livros do Zé Rodrix (Trilogia do Templo), ou seja, Johaben, Zorobabel, Esquin de Floyrac alusivos aos 70 anos do Zé.


Impressão de 500 Box Comemorativos com a TRILOGIA : R$ 87.500

Pagar a impressão dos 500 Box comemorativos, pagar a comissão do administrador e doar para a viúva pelos direitos autorais feridos por causa do amplo compartilhamento pela internet

A gente gosta de ajudar!

E, foi assim que decidimos alavancar esta iniciativa!

O Zé Rodrix foi um artista brasileiro como poucos. Ator, cantor e compositor, ele também era escritor e deixou uma obra romancista com conteúdo esotérico que incentiva o buscador a estudar cada vez mais. Fortemente difundido na maçonaria, os livros se esgotaram das prateleiras e decidimos imprimir um BOX comemorativo, exclusivo, com apenas 500 unidades, justamente no ano que o autor completaria 70 anos, para, inclusive, auxiliar a viúva a arrecadar um pouco do dinheiro que não é direcionado aos herdeiros, quando com compartilhamento digital não autorizado e ilegal.

Quem foi Zé Rodrix?
Zé Rodrix, nome artístico de José Rodrigues Trindade (Rio de Janeiro25 de novembro de 1947 — São Paulo22 de maio de 2009), foi um compositormulti-instrumentistacantorpublicitário e escritor brasileiro.

Ainda sob o nome Zé Rodrigues, iniciou sua carreira musical no ensino médio, integrando, com colegas do Colégio de Aplicação da UFRJ David Tygel, Maurício Maestro (sob o nome Maurício Mendonça) e Ricardo Villas (sob o nome Ricardo Sá), o grupo vocal Momentoquatro. Com esta formação, o grupo acompanhou Marília MedalhaEdu Lobo e o Quarteto Novo na apresentação de "Ponteio", vencedor do Festival da Record em 1967, além de ter gravado um compacto duplo e um LP pela gravadora Phillips. Estudou no Conservatório Brasileiro de Música, desenvolvendo a característica da multi-instrumentalidade: tocava pianoviolãoacordeãoflautabateriasaxofone e trompete.

Na década de 1970, participou da banda Som Imaginário, banda criada para acompanhar Milton Nascimento.[1]

Desligando-se da banda em 1971, venceu o Festival da Canção de Juiz de Fora, junto a Tavito, com a canção "Casa no campo", uma de suas composições mais famosas, que se tornaria um grande sucesso na voz de Elis Regina, e cujo trecho da letra ("compor rocks rurais") batizou o estilo de música conhecido como rock rural, com influências regionalistas, tropicalistas, folk, country e rock, tocada pelo trio do qual faria parte logo em seguida, com Luiz Carlos Sá e Guttemberg Guarabyra (Sá, Rodrix e Guarabyra).

Nessa época, compôs músicas como "Mestre Jonas" (em parceria com Sá e Guarabyra), "Ama teu vizinho" (com Luiz Carlos Sá), "Blue Riviera" (com Sá e Guarabyra), "O pó da estrada" (com Sá e Guarabyra), "Os anos 1960", "Pendurado no vapor" (com Sá e Guarabyra), "Primeira canção da Estrada" (com Luiz Carlos Sá), dentre várias outras", além de um famoso jingle criado pelo trio, por encomenda da J. W. Thompson, para a Pepsi, notabilizado pelo verso: "só tem amor quem tem amor pra dar".

Zé Rodrix saiu do trio em 1973, para seguir em carreira solo e participações especiais em gravações de artistas diversos, como o disco de estreia do Secos & Molhados, no qual toca piano, ocarina e sintetizador na última faixa, chamada "Fala". Rodrix dedilhava seu teclado moog após a orquestra e os outros instrumentos cessarem, técnica que só pode ser ouvida nos CDs relançados do grupo já na década de 1990, pois no vinil original esta música continha 15 minutos a menos.[2]

Passou a se dedicar mais na área de publicidade que musical na década de 1980, mas em 1983, o músico passou a integrar o grupo Joelho de Porco, com o qual gravou o LP e participou do Festival dos Festivais em 1985, ganhando o prêmio de melhor letra pela música "A Última Voz do Brasil".

Entre 1989 e 1996 assinou a direção musical dos espetáculos "Não fuja da Raia" e "Nas Raias da loucura", de Sílvio de Abreu, e do programa "Não fuja da Raia" (Rede Globo), estrelado por Cláudia Raia.

Em 1993 foi contemplado com o prêmio Kikito, no Festival de Cinema de Brasília, pela trilha sonora do filme "Batman e Robin".

Em 2001 reuniu-se novamente a Sá e Guarabyra, tendo seu show de estreia ocorrido no Rock in Rio III.[1] Logo após o lançamento de Outra Vez Na Estrada, com o trio, em 2001, Zé Rodrix conheceu o Clube Caiubi de Compositores, em São Paulo, e passou a desenvolver parcerias com novos autores da música brasileira, entre eles Sonekka e Reynaldo Bessa.[3]

Em dezembro de 2008, Zé Rodrix lança um single ao lado de Sá e Guarabyra, chamado Amanhece um outro dia. A canção foi tema de abertura da novela Revelação, exibida pelo SBT. Para promover a novela, o trio chegou a se apresentar ao vivo no programa Hebe.

Zé Rodrix morreu às 00:45 do dia 22 de maio de 2009, após sentir-se mal e ser levado ao Hospital das Clínicas, em São Paulo, cidade onde residia.

O foco dasta campanha é muito mais a conscientização do #respeitodireito que visa Respeitar os Direitos Autorais que são costumeiramente afetados por compartilhamentos ilegais de obras pela internet e whatsapp.

Conheci a Julia Rodrix em uma das palestras que o Zé Rodrix estava fazendo pela maçonaria para divulgar seus livros lançados.

De lá pra cá falamos pouco, mas após a partida do Zé, e com a ampla divulgação ilegalmente da obra do Zé pela internet, procurei fazer algo e fui atrás do contato da Julia!

Hoje, estamos bem mais próximos e pretendia ajudar ela de alguma forma, pois eu não acreditava no que meus olhos me mostravam: ninguém estava sequer respeitando os direitos autorais da obra do Zé Rodrix e ainda por cima, deixava a cunhada Julia em uma situação financeira complicada sem receber os direitos da obra compartilhada.

Aí, falei com a Julia que poderia tentar ajudar de alguma forma que nem eu mesmo sabia e logo surgiu a ideia de fazermos um BOX da TRILOGIA para que as pessoas pudessem comprar e com isso, ajudar um pouco a vida financeira da Julia que está um tanto quanto conturbada.

Fomos falar com a editora e conseguimos um preço campeão para a produção do BOX (R$ 135,00)

Aí pensamos... Mas como podemos fazer com que as pessoas comprem?

E logo chegamos na BENFEITORIA que é um portal de Crowdfunding disposto a ajudar causas como esta...

Calculamos alguns fretes e vimos que ficaria inviável assumirmos isso, e optamos por deixar o custo do envio por conta do colaborador (comprador). Calculamos também a porcentagem do Benfeitoria (6%), bem como resolvemos atribuir uma parte da grana para a Julia (R$ 15,00), como Direitos Autorais, uma vez que a editora para fazer o Box desta forma não pagaria a comissão. Também temos que pagar a embalagem para o envio e estamos prevendo possíveis perdas, deslocamentos e armazenamento das 500 unidades do box comemorativo!

E é isso!

Hoje, pelo Zé Rodrix, mas, a partir deste ponto, por todos autores que já tiveram seu Direitos Autorais violados!

Conscientização é a palavra da vez!

Compartilhe!

Contribua!

Faça este gesto e deixe claro que você é um dos que assumem que tem o #respeitodireito

IMPORTANTE:

A dinâmica deste portal é de TUDO OU NADA, ou seja, se não atingirmos a meta total do projeto (R$ 87.500,00) não conseguiremos fazer nada! Portanto, contribua como puder!


Trilogia do Templo

No início da década de 2000 Zé Rodrix revelou que era maçom, chegando a lançar a trilogia denominada Trilogia do Templo, sobre a maçonaria. A trilogia é composta dos títulos: Johaben: Diário de um Construtor do TemploZorobabel: Reconstruindo o Templo e Esquin de Floyrac: O fim do Templo. Sobre a trilogia, o escritor Luis Eduardo Matta afirmou no prefácio do terceiro volume: "Nunca, em toda a trajetória literária brasileira, um escritor se aventurou com tamanha obstinação por uma saga épica monumental como é o caso desta trilogia, que se debruça sobre os primórdios da maçonaria, uma das fraternidades iniciáticas mais antigas do mundo, mesclando erudição e fluência, onde realidade e ficção se confundem num incrível mosaico narrativo". Ainda de acordo com Matta, a Trilogia do Templo foi uma das mais fantásticas obras literárias produzidas no Brasil na primeira década do século XXI.

 

Quem é a Julia Rodrix?

É a viúva do Zé Rodrix! Hoje ela é quem toca o bar Brazileria, no bairro da Pompéia em São Paulo/SP. Este bar foi idealizado pelo Zé Rodrix. Era o sonho dele ter um bar com boa comida e música. Hoje ela realizou o sonho do Zé!

 

Quem sou eu?

Leo Cinezi: Músico autodidata, empreendedor (co-founder de uma startup), conheci o Zé Rodrix na época que eu trabalhava no Grupo Bandeirantes de Comunicação.

Não ao acaso, participávamos de um grupo de estudos chamado Circulo Hermético e lá, debatíamos fervorosos sobre pontos de vistas e experiências, sempre com muita voracidade e respeito. 

Um dia discutimos calorosamente e ele falou: "Como você é impertinente, garoto! Dia destes vamos ter uma conversa pessoalmente!"

E eu falei: Trabalho aqui na BAND! Passa aqui qualquer dia destes!
E não é que ele foi?

Conversamos tanto... Foi tão legal... Virou um costume! Saíamos de lá ou nos encontrávamos em alguma estação do metrô para irmos juntos em alguma "loja" para ele palestrar sobre seus livros lançados... Viramos amigos!

Uma vez, levei o Zé pra fazer uma palestra em nossa loja. Meu padrinho era o "presidente" e queríamos surpreender... Como eu já tinha ido em um montão de lojas com o Zé, sabia que em toda loja que ele palestrava, ele ganhava placas alusivas à palestra... Ele tinha um montão delas em um quarto lá na casa dele no Sumaré... Colecionava!

Aí tivemos uma ideia: Quando o Zé acabar a palestra, a genta faz a homenagem pra ele.

Meu padrinho (Wilson) perguntou: O que podemos fazer? Uma placa?

Eu falei: Não... Ele tem muitas! Tenho uma ideia...

Meu padrinho disse (no final da palestra do Zé, aplaudida de pé por todos): "Agora, gostaríamos de homenagear o palestrante. Não com uma placa alusiva, mas pretendemos emplacar uma boa homenagem..."

E eu entrei com um violão no templo, tocando "Casa no Campo" e todos os convidados começaram a cantar, emocionados, a canção que o Zé escrevera e tivera maior sucesso. Ele chorou... E falou: "Leozinho... Sacanagem...  É a primeira vez que me arrancam lágrimas em uma loja!"

Saudade do Zé...

Ele me presenteou com os 3 livros autografados e falou: "Leozinho (como ele me chamava)... Conheço você, mano... Não leia meus livros... Eles estão aqui... São seus... Mas não os leia até atingir o Grau 33 dentro da maçonaria. Estude a ordem como sempre fez, e nunca se deixe influenciar por ninguém, nem por mim (porque ele sabia que eu gostava dele pacas) ou pelos meus livros. Seja como você sempre foi... Um provocador! Um livre provocador..."

Ah! Eu ainda não li nenhum deles... Mas falta pouco pra que eu possa iniciar a leitura!

Como eu disse: Saudade do Zé!

 

VaLEO

Leo Cinezi

11998989819 (WhatsApp)

leocinezi@gmail.com

Aguarde, carregando...



BEM PRÓXIMO DO OBJETIVO

Em 16/09/2017 02:15

Hoje percebo o quanto o financiamento coletivo é bacana... Nossa causa assim como as demais postadas neste portal tem um princípio único: AJUDAR!

E isso nos motiva, cativa e impulsiona de uma forma descomunal nos mantendo dispostos a acreditar em como a união é sim o foco de tudo o que é bom neste nosso mundo!

Sei que ainda estamos um pouquinho distantes do nosso objetivo final e que não será nada fácil atingirmos esta meta, mas até agora, só pude ver muita fraternidade e amor dentre todos os partcipantes.

 

Eu vos agradeço!

E vamos em busca do resultado final, ou melhor dizendo, da meta atingida.

VaLEO

Leo Cinezi

11998989819


R$ 69.735,00
arrecadado
meta R$ 87.500
343
benfeitores
80%
arrecadado
11
dias restantes





Financiamento Coletivo

É tudo ou nada! Precisamos bater a meta até 30/09/2017 - 23:59


Escolher recompensa
R$20
Adesivo da causa #respeitodireito
3 benfeitores apoiando

02 adesivos de vinil alusivos à campanha com a #respeitodireito

Formato: 130x90mm
Vinil Branco 150g
Cores: 4x0
Sem Verniz
Recorte Eletrônico


Escolher recompensa
R$30
JPG da foto da capa da Biografia do Zé
6 benfeitores apoiando

Já tem os livros, mas quer colaborar de alguma forma?
Tá aí...

A Júlia Rodix vai te mandar um jpg da foto que foi escolhida para ser a capa da Biografia do Zé Rodrix que foi escrita pelo Toninho Vaz.
Em primeira mão, hein?!?!?
E sem a editoração da capa!


Escolher recompensa
R$60
Ingressos pro show da sobrinha Barbara
Seja o primeiro a apoiar!

01 ingresso pro show da Sobrinha Barbara Rodrigues (Filha do Zé e da Júlia) no bar Brazileira em data específica a ser comunicado antecipadamente pela administração do bar.


Escolher recompensa
R$100
Jantar no Brazileria
Seja o primeiro a apoiar!

Tudo bem... Talvez você já tenha os livros do Zé Rodrix...
Mas mesmo assim gostaria de contribuir...

Então, você pode conhecer o bar BRAZILERIA que foi idealizado pelo Zé Rodrix e hoje é de propriedade da viúva Júlia Rodrix e seu irmão Silvio.

Lá, tem sempre intervenções musicais e uma gastronomia de invejar.

Vale a pena conhecer!

Com esta contribuição, você terá direito a um jantar (do dia, verificar o cardápio) + bebidas (não alcoólicas) no bar Brazileria.

Informe-se sobre as regras deste jantar diretamente com o bar Brazileria (www.brazileria.com.br), inclusive para verificar a atração e o cardápio do dia!

Procure pela Júlia Rodrix e conheça muitas peças do acervo do Zé Rodrix que estão dispostas no Brazileria!


Escolher recompensa
R$175
EXEMPLAR DO BOX COM A TRILOGIA DO TEMPLO
339 benfeitores apoiando

Só temos uma recompensa que é 01 exemplar do BOX EXCLUSIVO contendo os 3 livros do Zé Rodrix
- JOHABEN - DIARIO DE UM CONSTRUTOR DO TEMPLO
- ZOROBABEL - RECONSTRUINDO O TEMPLO
- ESQUIN DE FLOYRAC - O FIM DO TEMPLO

  • Leo Cinezi
  • Categoria: Cultura e Arte, Educação

Leo Cinezi

Sou apenas mais um aprendiz neste mundão de mestres! Gosto de música, me amarro em inovações, adoro conhecer pessoas e coisas novas e amo minha esposa Nicoli

Edson de Souza Junior
ANDRE GIOVANINI ANTAS
Alan Carvajal
Lucas Ferrantte
Wilson Roberto Começanha
Leonardo Feliciano Clemente
Harry Walendy
Fernando Viana
Marcelo Mazzaroppi
Charles Fabiano Flores
Anônimo(a)
CARLOS EDUARDO DE VILHENA PAIVA