LGBTQ |

CANAL LGBTQ

QUEREMOS AJUDAR O SEU PROJETO ... A SAIR DO ARMÁRIO DA GAVETA!

Projeto : Buraco da Lacraia Deja-vu Canal LGBTQ

FINANCIADO

R$ 2.760 - 110% atingido

Projeto : Queermuseu no Parque Lage Canal LGBTQ

FINANCIADO

R$ 1.081.176 - 157% atingido

Projeto : Por mais inclusão e diversidade Canal LGBTQ

FINANCIADO

R$ 10.360 - 130% atingido

Projeto : Casa Satine

Casa Satine

Casa Satine
Canal LGBTQ

FINANCIADO

R$ 4.845 - 120% atingido

Projeto : Vó, a senhora é lésbica? Canal LGBTQ

FINANCIADO

R$ 5.640 - 120% atingido

Projeto : A MARCA DE UM ETERNO Canal LGBTQ

NÃO FINANCIADO

R$ 0 - 0% atingido

Projeto : BeesCats - O Filme

BeesCats - O Filme

Rodolfo Almeida
Canal LGBTQ

NÃO FINANCIADO

R$ 500 - 1% atingido

Projeto : Divinas Divas

Divinas Divas

DAZA Filmes
Canal LGBTQ

FINANCIADO

R$ 155.445 - 104% atingido

Projeto : Buraco da Lacraia Ópera House Canal LGBTQ

FINANCIADO

R$ 11.110 - 222% atingido

Projeto : Bee Ajuda

Bee Ajuda

Canal ME
Canal LGBTQ

FINANCIADO

R$ 131.875 - 165% atingido

Projeto : Casa 1

Casa 1

Casa 1
Canal LGBTQ

FINANCIADO

R$ 112.272 - 134% atingido

Projeto : AFRONTE

AFRONTE

Marcus Mesquita
Canal LGBTQ

FINANCIADO

R$ 10.350 - 345% atingido

Projeto : Tem local

Tem local

Thiago Silveira
Canal LGBTQ

FINANCIADO

R$ 10.660 - 112% atingido

Projeto : Dandara Através do Espelho Canal LGBTQ

FINANCIADO

R$ 9.715 - 103% atingido

Projeto : Romeu & Romeu

Romeu & Romeu

Jonathan Mendonça
Canal LGBTQ

FINANCIADO

R$ 5.370 - 107% atingido

Projeto : SATÃ, Um SHOW Para MADAME - O Musical Canal LGBTQ

NÃO FINANCIADO

R$ 695 - 3% atingido

Projeto : CORES E FLORES PARA TITA Canal LGBTQ

NÃO FINANCIADO

R$ 3.210 - 40% atingido

Projeto : Ao Lado Estava Ela

Ao Lado Estava Ela

Cynthia Camargo
Canal LGBTQ

NÃO FINANCIADO

R$ 1.145 - 9% atingido

Projeto : Ecovila Pangeia Canal LGBTQ

NÃO FINANCIADO

R$ 1.100 - 3% atingido

Projeto : PARADA LGBTI DA RESISTÊNCIA - Rio 2017 Canal LGBTQ

NÃO FINANCIADO

R$ 12.830 - 9% atingido

Projeto : YANK! - O MUSICAL - SEGUNDA TEMPORADA Canal LGBTQ

NÃO FINANCIADO

R$ 3.600 - 28% atingido

Projeto : Natal Casa 1 Canal LGBTQ

NÃO FINANCIADO

R$ 27.760 - 39% atingido

 

 

     

pOR QUE UM PROJETO LGBT?

 

É inegável que houveram avanços em relação à comunidade LGBT no país: escolas e empresas já falam sobre o tema, a representatividade nas mídias cresceu exponencialmente e direitos foram conquistados graças ao judiciário, tendo em vista que o legislativo em geral é contra pautas da comunidade. No entanto, falta muito. Somos o país líder em crimes LGBTfóbicos e o preconceito ainda é gritante, em especial quando falamos da população trans, e por isso a necessidade de projetos voltados para o público.

Tomamos como exemplo a Casa 1, um centro de acolhida e cultura de São Paulo e parceira da Benfeitoria nesse canal LGBT, que foi criada a partir de uma necessidade real: jovens são expulsos de suas casas por suas orientações afetivas-sexuais e identidades de gênero e ao se depararem com os centros públicos sofriam violências físicas e psicológicas, sendo necessária a criação de um espaço que atenda esse público de forma humanizada e eficaz.

E vamos além: em uma comunidade com tantos grupos e demandas distintas, criar projetos segmentados se torna uma questão essencial para o combate ao preconceito e para a manutenção dos direitos humanos.

 

PARA ALÉM DO ARCO-ÍRIS

 

Entendendo a necessidade de projetos LGBT esbarramos na falta de apoio. Empresas temem represálias e o aporte financeiro para ações voltadas para a comunidade são escassos. O mesmo acontece com financiamento público: poucas cidade contam com políticas de apoio e na esfera federal as verbas para combate à LGBT minguam a olhos vistos e é por isso que o financiamento coletivo se torna uma importante ferramenta para tirar projetos do papel.

Vale ressaltar porém que falamos de um público segmentado e muitas vezes não assumido, o que dificulta a adesão e engajamento nas campanhas. Se torna essencial então a participação das pessoas heterossexuais e cisgênero. Ainda que todo mundo seja público de um financiamento coletivo, é preciso mapear quais públicos são
empáticos com as pautas dos direitos humanos, ainda que, em tese, deveriam ser universais.

com ou sem pajuba
 

Tendo em vista as especificações dos públicos a preocupação com a linguagem é essencial, ser LGBT é mais do que afetividade e sexualidade, é uma cultura que têm sua própria linguagem, referências, estética e por aí vai então se faz necessário dominar essas especificações. Compreender e utilizar as referências da comunidade
é um diferencial quando falamos de campanhas para projetos LGBT, assim como o cuidado para não cair em estereótipos.

Outro fator importante mesclar o conteúdo segmentado com conteúdos institucionais mais sóbrios que possam dialogar com um público heterossexual e cisgênero, além de pequenos glossários e posts informativos.

 

TRABALHO EM DOBRO

 

Com a experiência dos financiamentos coletivos pontuais e recorrente da Casa 1 e auxiliando outros projetos percebemos que as barreiras são maiores do que projetos que não sejam ligados à diversidade, algo entendível quando falamos de um país tão arraigado de preconceitos quanto o Brasil, por isso tenha em mente que o trabalho vai ser em dobro: o número de pessoas impactadas deve ser maior, assim como a quantidade de públicos a ser ativada.

A parte boa do processo é que influenciadores digitais, celebridades LGBT e o próprio movimento tende a auxiliar na divulgação das campanhas, afinal, cuidando de todos estamos cuidando de nós mesmo.

   

_______________________________________________________________

 

Andrew Solomon: Ame, apesar de tudo

 

 
 

iO Tillett Wright: Cinquenta tons de gay
 


 

Yoruba Richen: O que o movimento dos direitos gays aprendeu com o movimento dos direitos civis
 

 

 
 
 

 

 

 

 

 

      

Benfeitoria + Casa 1

 

Fazer um projeto acontecer e mantê-lo é sempre um desafio e quando envolve diversidade a questão fica ainda mais complexa. Se por um lado parte da sociedade já entende pautas LGBT como uma vertente importante do convívio social, outra parte (maioria, diga-se de passagem) está longe de entender os direitos humanos como algo fundamental para a existência de todo mundo.

Por isso o financiamento coletivo se mostrou uma alternativa viável para a Casa 1, um centro de acolhida de jovens LGBT expulsos de casa e um centro cultural em São Paulo, que abriu as portas em 2017 e se mantém graças às campanhas realizadas via Benfeitoria. É muito mais fácil você conseguir viabilizar uma ideia ou dar continuidade em um projeto quando se têm ao lado pessoas com os mesmos ideais.

E parceria boa a gente cultiva com carinho. Juntos desde o começo da Casa 1, decidimos então estar lado a lado também na plataforma assinando o canal de projetos LGBT da Benfeitoria. Nossa ideia é juntar nossos conhecimentos para ajudar o seu projeto.

Além de auxiliar na curadoria de projetos LGBT, nós da Casa 1 ofereceremos um workshop uma vez por mês com foco em comunicação para projetos que tenham como público pessoas gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros (e também todos os grupos não contemplados pela sigla) e vamos trabalhar muito na divulgação do canal.

 

Por que uma aba só pra projetos LGBT?

 

Pra começar porque ainda somos um grupo minorizado com pouca representatividade e visibilidade: no congresso, nas políticas públicas, na televisão, na literatura e por aí vai. Por isso, ajudar outros projetos que atuam com temática LGBT nos parece muito necessário. 

Além disso, não vamos mentir: é sim mais difícil fazer um financiamento coletivo quando o tema permeia questões da população LGBT. Ainda que seja uma comunidade gigantesca, o preconceito está sempre rondando e por isso são necessários mais esforços para elaborar, lançar e manter projetos. Traçar estratégias vai além de boas ideias e planejamento e passa por entender a complexidade da comunidade, as belezas da linguagem e da nossa cultura, tudo sem tornar o projeto inacessível para quem não é LGBT.

 

Vamos juntos fazer esse projeto acontecer?

A Benfeitoria está abrindo espaços através de Canais Especiais para abordar temas específicos que merecem atenção e visibilidade. O principal objetivo dessa ferramenta é unir projetos e pessoas para amplificar a voz de determinadas causas, sempre trazendo benefícios extras aos projetos selecionados, como forma de fomento extra ao tema. 

Com o Canal Guei, queremos fomentar projetos que abordam questões LGBT, potencializando o alcance da sua voz e da sua luta .

Somos uma plataforma de mobilização de recursos para projetos de impacto cultural, social, econômico e ambiental: a 1ª do mundo a não cobrar comissão obrigatória dos realizadores de projeto e a 1ª do Brasil a oferecer outras modalidades de financiamento coletivo: Recorrente, Matchfunding e Turbinado. 

Em 5 anos, já arrecadamos cerca de R$ 10 MM para quase 1.000 projetos, mantendo uma taxa de sucesso de 80%: a maior do Brasil.

Qualquer pessoa que tenha um projeto que envolva questões LGBT poderá enviar uma proposta através do formulário de inscrição. As propostas recebidas serão analisadas pela Benfeitoria a partir dos critérios de seleção descritos no item abaixo. 

Todos selecionados receberão uma consultoria especial da Benfeitoria para a elaboração e acompanhamento de sua campanha de arrecadação via financiamento coletivo (crowdfunding).

Nesta chamada estamos em busca de projetos de impacto que: 

(1) Sejam voltados para a comunidade LGBT 
(2) Seja uma ferramenta de fortalecimento da causa. 
(3) Resulte em um impacto em sua vida e/ou comunidade 
(4) Sejam implementados em território brasileiro 
(5) Sejam realizados por pessoas/grupos que tenham energia e brilho no olho para preparar e mobilizar a campanha de arrecadação, com duração de 1 a 3 meses.

As propostas devem ser enviadas através do botão ENVIE SEU PROJETO nesse canal. 

Cada realizador poderá enviar quantas propostas desejar, porém poderá ser contemplado somente em um deles. 

No formulário de inscrição, há campos a serem preenchidos sobre o projeto (nome, resumo, descrição detalhada e metas) e sobre informações gerais. Há também a opção de envio de vídeo ou links de suporte, mas esses não serão obrigatórios nesta fase.

Os realizadores poderão entrar em contato para esclarecimento de dúvidas, solicitações ou outras questões por meio e-mail contato@benfeitoria.com 

Todas as dúvidas serão respondidas em até 48h úteis.

Nesta fase, os projetos selecionados irão receber uma consultoria especial para elaboração e acompanhamento da sua campanha de arrecadação, no qual a Benfeitoria irá: 

(1) esclarecer as dúvidas sobre a dinâmica do financiamento coletivo e o funcionamento da Benfeitoria, (2) alinhar a expectativa sobre as reais demandas para a realização de um projeto de financiamento coletivo, dado os pilares de sucesso de um projeto, (3) conhecer melhor os realizadores em questão, os ajudando a pensar no envelopamento conceitual da proposta, na elaboração do mix das recompensas oferecidas, na sua estratégia de alcance de rede, na definição de metas e nos demais detalhamentos da proposta para aumentar as chances de sucesso de arrecadação e realização do projeto (4) orientar os realizadores na elaboração dos materiais de campanha (vídeo, texto, imagens) e sobre os processos de comunicação com os colaboradores e de resgate financeiro e (5) publicar os projetos na plataforma

Nesta fase, os projetos selecionados terão suas campanhas de arrecadação publicadas no Canal Guei, através do qual as pessoas poderão conhecer, colaborar, comentar e divulgar a proposta. 

As contribuições poderão ser feitas via cartão de crédito nacional e internacional ou boleto bancário. Todos colaboradores terão direito a uma recompensa especial, que varia de acordo com o valor do apoio. 

O valor mínimo de colaboração na plataforma é de R$10. 

O responsável pela divulgação da campanha é o próprio realizador do projeto.

Depois de atingir 100% da meta, independente de qual for o valor acima, o realizador receberá todo o valor arrecadado, excluindo-se a taxa da integradora financeira.

Caso a meta mínima de alguma campanha publicada não seja alcançada, a Benfeitoria fará o estorno de todas as colaborações feitas através da plataforma.

Nesta fase, a Benfeitoria fará o repasse de todo valor arrecadado através da plataforma para as campanhas bem sucedidas (que alcancem a meta mínima de arrecadação). A transferência será feita para CADA realizador da mesma, descontando o valor das taxas cobradas pela integradora financeira (aproximadamente 5%, dependendo das formas de pagamento usadas).

O repasse será feito em até 15 dias após o encerramento do projeto, mediante a assinatura do termo de responsabilidade e da criação das contas onlines* e gratuitas Moip e Paypal.

*Durante a campanha, o realizador receberá as orientações para abertura das contas onlines

Depois do repasse financeiro, a implementação, comunicação com os colaboradores e entrega das recompensas são de responsabilidade exclusiva do realizador. 

O termo isentará a Benfeitoria de qualquer responsabilidade sobre a execução do projeto, cabendo apenas a parte do repasse financeiro. 

O termo também irá assegurar ao realizador do projeto todos e quaisquer direitos sobre seu projeto, cabendo à Benfeitoria apenas as contrapartidas de sessão de imagem e visibilidade da marca nos projeto, entre outras parceiras e/ou condições a serem acordadas diretamente com os projetos.

A prestação de contas do realizador poderá ser feita através de fotos, vídeos ou outras formas de registro que comprovem a realização do projeto. 

A Benfeitoria não se responsabiliza pelo modo de utilização dos recursos, pela efetivação do projeto e pela entrega das recompensas, por sua veracidade ou por sua qualidade. ESTAS SÃO DE TOTAL RESPONSABILIDADE DOS REALIZADORES. 

O Canal Guei é uma iniciativa de fomento ao projetos LGBTs e à economia colaborativa, que tem como valor base a confiança e a transparência. 

Não haverá nenhuma auditoria formal, apenas a cobrança de status digitais da implementação do projeto e dos demais termos contratuais. Ainda assim, como a realização do projeto é um compromisso assumido pelo realizador do projeto com o coletivo, através de contrato, em caso de não realização por motivos de força maior, o valor arrecadado deverá ser devolvido para todos os apoiadores do projeto.