Oficina de Fotografia Ashaninka |

Oficina de Fotografia Ashaninka

Projeto de capacitação em fotografia na comunidade indígena Ashaninka do Rio Amônia, criado a partir de demanda de suas lideranças.

Projeto por: Pedro Kuperman
R$ 23.620,00
arrecadado
meta R$ 47.840,00

90
benfeitores

49%
arrecadado

20
dias restantes

É tudo ou nada! Precisamos bater a meta até 04/09/2018 - 23:59

POR

Pedro Kuperman

Pedro Kuperman

R$ 30
E-Book
11 benfeitores apoiando
Um e-book com fotos e descrição detalhada de cada etapa da oficina + agradecimento na página oficial da Oficina de Fotografia Ashaninka
R$ 50
Postais
21 benfeitores apoiando
Cinco postais exclusivos com fotografias dos alunos da Oficina de Fotografia Ashaninka + agradecimento na página oficial da Oficina de Fotografia Ashaninka.
R$ 100
Ecobag
15 benfeitores apoiando
Uma ecobag exclusiva da Oficina de Fotografia Ashaninka + 3 postais exclusivos com fotografias dos alunos da Oficina de Fotografia Ashaninka + agradecimento na página oficial da Oficina de Fotografia Ashaninka. *Recompensa a ser retirada na cidade do Rio de Janeiro. Nas demais cidades o envio fica por conta do(a) colaborador(a).

133 disponíveis.
R$ 200
T-Shirt
26 benfeitores apoiando
Uma t-shirt exclusiva da Oficina de Fotografia Ashaninka assinada pela Osklen + agradecimento na página oficial da Oficina de Fotografia Ashaninka. *Recompensa a ser retirada na cidade do Rio de Janeiro. Nas demais cidades o envio fica por conta do(a) colaborador(a).

123 disponíveis.
R$ 300
Print Foto 1
6 benfeitores apoiando
Uma print PA 30x45cm assinada pelo fotógrafo, entre as opções disponíveis + 3 postais exclusivos da Oficina de Fotografia Ashaninka + agradecimento na página oficial da Oficina de Fotografia Ashaninka. *Recompensa a ser retirada na cidade do Rio de Janeiro. Nas demais cidades o envio fica por conta do(a) colaborador(a).

44 disponíveis.
R$ 500
Print Foto 2
5 benfeitores apoiando
Duas prints 30x45cm assinadas pelo fotógrafo, entre as opções disponíveis + 1 ecobag exclusiva da Oficina de Fotografia Ashaninka + agradecimento na página oficial da Oficina de Fotografia Ashaninka. *Recompensa a ser retirada na cidade do Rio de Janeiro. Nas demais cidades o envio fica por conta do(a) colaborador(a).

5 disponíveis.
R$ 900
Print Foto 3
2 benfeitores apoiando
Uma print 50x75cm assinada pelo fotógrafo, entre as opções disponíveis + 1 ecobag exclusiva da Oficina de Fotografia Ashaninka + agradecimento na página oficial da Oficina de Fotografia Ashaninka. *Recompensa a ser retirada na cidade do Rio de Janeiro. Nas demais cidades o envio fica por conta do(a) colaborador(a).

8 disponíveis.
R$ 1.400
Print Foto 4
Seja o primeiro a apoiar!
Duas prints PA 50x75cm assinadas pelo fotógrafo, entre as opções disponíveis + 1 ecobag exclusiva da Oficina de Fotografia Ashaninka + agradecimento na página oficial da Oficina de Fotografia Ashaninka. *Recompensa a ser retirada na cidade do Rio de Janeiro. Nas demais cidades o envio fica por conta do(a) colaborador(a).

10 disponíveis.
R$ 2.000
Print Foto 4
2 benfeitores apoiando
Três prints PA 50x75cm assinadas pelo fotógrafo, entre as opções disponíveis + 1 ecobag exclusiva da Oficina de Fotografia Ashaninka + agradecimento na página oficial da Oficina de Fotografia Ashaninka. *Recompensa a ser retirada na cidade do Rio de Janeiro. Nas demais cidades o envio fica por conta do(a) colaborador(a).

3 disponíveis.

A tribo Ashaninka do Rio Amônia é uma comunidade indígena localizada no município de Marechal Thaumaturgo/AC na fronteira com o Peru. Este grupo indígena desenvolve há anos diversas iniciativas para defender suas terras, minimizar as pressões predatórias sobre a região e preservar sua cultura. 



 

O projeto de oficinas surgiu há três anos a partir de uma demanda das lideranças Ashaninka que enxergam na fotografia uma potente ferramenta de comunicação e de defesa de seus direitos. Com esta capacitação, eles pretendem criar um acervo de imagens com seus próprios olhares que poderá ser utilizado na formação cultural de jovens Ashaninka, na sua comunicação com o mundo não indígena e outras etnias.
 

 

O projeto foi desenvolvido para que o conhecimento adquirido pelos alunos sobre fotografia fosse incorporado culturalmente. O ensino de fotografia nas duas oficinas anteriores (2016 e 2017) foi feito de modo a permitir uma educação do olhar, além da compreensão dos princípios básicos da luz e da formação da imagem. As dinâmicas foram elaboradas e aplicadas em campo com a colaboração do fotógrafo e educador Miguel Chikaoka, em 2017.

 

 

Para concluir o precesso de formação dos Ashaninka em fotografia estamos propondo a realização, em Setembro de 2018, do terceiro módulo da oficina, focada em fotografia digital. Os alunos vão trabalhar com os processos da mídia e aprender fluxos de trabalho em cima de pautas definidas pela comunidade. Serão doados equipamentos, como câmeras fotográficas digitais e laptop. A oficina contará com o auxílio do fotojornalista João Roberto Ripper como professor convidado que irá elaborar junto com Pedro Kuperman, idealizador do projeto, as dinâmicas do curso.

Para isso criamos essa campanha de financiamento coletivo, um processo de captação que possibilita a transformação do público em agente cultural e social ativo. Com a sua colaboração conseguiremos realizar integralmente este projeto, custeando os equipamentos e materiais das oficinas, bem como a logística de viagem.
Juntos viabilizaremos essa nova ferramenta para o fortalecimento do povo Ashaninka.

 

 

PEDRO KUPERMAN - Designer gráfico e fotógrafo, documenta a comunidade Ashaninka desde 2014. Realiza desde 2011 projeto de documentação da Cultura Alimentar Brasileira, com o Slow Food Brasil. Vencedor do prêmio FotoRio 2017 - com exposição individual no FotoRio 2018 -, finalista na bolsa Magnum 70th Rio Workshops 2017, selecionado para expor no Festival de La Luz, Buenos Aires 2018. Pedro é o idealizador do projeto e desenvolve as metodologias das oficinas junto com os professores parceiros.

INSTITUTO-E - Grupo interdisciplinar, com trajetórias distintas e egressos do setor privado, público e do Terceiro Setor. Seu ponto de convergência é o ideal de disseminar ideias e práticas de sustentabilidade de forma criativa de modo a sensibilizar um grande número de pessoas. O Instituto-E é parceiro do projeto desde a primeira oficina, em 2016.

JAQUELINE TODESCATO - Documenta a Oficina de Fotografia Ashaninka desde 2016. Responsável pelas filmagens do documentário da Oficina de 2017. Responsável pela pré-produção, logística da equipe, pela produção em campo e pelo planejamento e estruturação do projeto com os responsáveis locais da comunidade Apiwtxa Ashaninka.

JOÃO ROBERTO RIPPER - Fotojornalista, participou da F4, uma das primeiras agências de fotografia independente do Brasil. Criador aa ONG Imagens da Terra e idealizador do projeto Imagens do Povo, Agência-Escola no complexo da Maré. Desde 2011 desenvolve a oficina Bem Querer com foco nos direitos humanos e na fotografia compartilhada. É referência no cenário da fotografia no país, se destacando pelo caráter humanista de seu trabalho. Ripper irá participar da elaboração e do trabalho em campo na oficina de 2018.

MIGUEL CHIKAOKA - Fotógrafo independente, iniciouos nos anos 80 em Belem/PA, um movimento em torno do fazer e pensar coletivo da fotografia, resultando na criação da escola Fotoativa. Atuou no Jornal Resistência da Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos e colaborou com a Agência F4. Em 1991, fundou com outros fotógrafos a Agência Kamara Ko Fotografias. Em 2012, recebeu o Prêmio Brasil de Fotografia e a Comenda da Ordem do Mérito Cultural – MINC por sua contribuição à cultura brasileira. Miguel é parceiro do projeto, foi colaborador técnico e pedagógico na oficina de 2017 participando da elaboração da didática e do trabalho em campo.

 

O Crowdfunding ou financiamento coletivo é um dos principais meios de arrecadação para projetos independentes hoje em dia, pois o próprio público pode financiar a execução. Isso nos livra da dependência de uma única fonte com muitos recursos para a realização de um projeto e tem muito mais a ver com o que acreditamos.

Funciona assim:

Nós temos uma meta mínima para realizar nosso projeto. Ao contribuir com o valor que quiser/puder, você pode escolher uma ou mais recompensas que oferecemos em contrapartida, de acordo com o valor contribuído (ver Recompensas).  Você também será adicionado à nossa lista de e-mail e receberá diretamente informações sobre as etapas de realização do projeto e de entrega das recompensas.

Assim que esta campanha alcançar a meta mínima o projeto acontece, os apoiadores ganham suas recompensas (em até 60 dias) e a Benfeitoria recebe sua porcentagem. Caso a campanha não alcance a meta mínima o projeto não é realizado, os apoiadores recebem o dinheiro de volta e a plataforma não ganhará nada. Se a campanha passar da meta mínima  temos metas adicionais que tornam o projeto ainda melhor. Se o projeto ultrapassar até das metas adicionais você ainda pode contribuir e receber as recompensas.

É importante que todos os que acreditam no projeto colaborem e compartilhem para que mais gente saiba e faça sua doação.

 

O custo total do projeto, com as devidas taxas incluidas e gastos com as recompensas, é de R$ 46.940. Com esse valor custearemos a ida de três profissionais (Pedro Kuperman - fotógrafo e autor do projeto; Jaqueline Todescato - produtora e fotógrafa e João Roberto Ripper - fotojornalista e professor convidado) à aldeia Apiwtxa e a permanência dessa equipe por 12 dias. Os custos envolvem passagens aéreas (1 voo comercial Rio x Cruzeiro do Sul+ 1 voo de monomotor  CZ Sul x Maarechal Thaumaturgo x Cz Sul), estadia em Cruzeiro do Sul para baldeação, transporte de barco pelo Rio Amônia de Marechal Thaumaturgo à Aldeia Apiwtxa, estadia na Aldeia, gastos com alimentação durante esse tempo. Além disso, está previsto no orçamento a compra de 2 câmeras Canon DSLR, um lap top, um HD externo, um tripé, cartões de memória e baterias extras. Esses equipamentos serão usados durante as aulas e depois ficarão com a comunidade.

Os prazos de entrega de cada recompensa serão informados após o termino da campanha.
Preparamos exclusivas para vocês!

 

Mais informações do projeto na nossa página do Facebook:

facebook.com/oficinadefotografiaashaninka

E no instagram:

instagram.com/oficina_fotografia_ashaninka/

A tribo Ashaninka do Rio Amônia é uma comunidade indígena localizada no município de Marechal Thaumaturgo/AC na fronteira com o Peru. Este grupo indígena desenvolve há anos diversas iniciativas para defender suas terras, minimizar as pressões predatórias sobre a região e preservar sua cultura. 



 

O projeto de oficinas surgiu há três anos a partir de uma demanda das lideranças Ashaninka que enxergam na fotografia uma potente ferramenta de comunicação e de defesa de seus direitos. Com esta capacitação, eles pretendem criar um acervo de imagens com seus próprios olhares que poderá ser utilizado na formação cultural de jovens Ashaninka, na sua comunicação com o mundo não indígena e outras etnias.
 

 

O projeto foi desenvolvido para que o conhecimento adquirido pelos alunos sobre fotografia fosse incorporado culturalmente. O ensino de fotografia nas duas oficinas anteriores (2016 e 2017) foi feito de modo a permitir uma educação do olhar, além da compreensão dos princípios básicos da luz e da formação da imagem. As dinâmicas foram elaboradas e aplicadas em campo com a colaboração do fotógrafo e educador Miguel Chikaoka, em 2017.

 

 

Para concluir o precesso de formação dos Ashaninka em fotografia estamos propondo a realização, em Setembro de 2018, do terceiro módulo da oficina, focada em fotografia digital. Os alunos vão trabalhar com os processos da mídia e aprender fluxos de trabalho em cima de pautas definidas pela comunidade. Serão doados equipamentos, como câmeras fotográficas digitais e laptop. A oficina contará com o auxílio do fotojornalista João Roberto Ripper como professor convidado que irá elaborar junto com Pedro Kuperman, idealizador do projeto, as dinâmicas do curso.

Para isso criamos essa campanha de financiamento coletivo, um processo de captação que possibilita a transformação do público em agente cultural e social ativo. Com a sua colaboração conseguiremos realizar integralmente este projeto, custeando os equipamentos e materiais das oficinas, bem como a logística de viagem.
Juntos viabilizaremos essa nova ferramenta para o fortalecimento do povo Ashaninka.

 

 

PEDRO KUPERMAN - Designer gráfico e fotógrafo, documenta a comunidade Ashaninka desde 2014. Realiza desde 2011 projeto de documentação da Cultura Alimentar Brasileira, com o Slow Food Brasil. Vencedor do prêmio FotoRio 2017 - com exposição individual no FotoRio 2018 -, finalista na bolsa Magnum 70th Rio Workshops 2017, selecionado para expor no Festival de La Luz, Buenos Aires 2018. Pedro é o idealizador do projeto e desenvolve as metodologias das oficinas junto com os professores parceiros.

INSTITUTO-E - Grupo interdisciplinar, com trajetórias distintas e egressos do setor privado, público e do Terceiro Setor. Seu ponto de convergência é o ideal de disseminar ideias e práticas de sustentabilidade de forma criativa de modo a sensibilizar um grande número de pessoas. O Instituto-E é parceiro do projeto desde a primeira oficina, em 2016.

JAQUELINE TODESCATO - Documenta a Oficina de Fotografia Ashaninka desde 2016. Responsável pelas filmagens do documentário da Oficina de 2017. Responsável pela pré-produção, logística da equipe, pela produção em campo e pelo planejamento e estruturação do projeto com os responsáveis locais da comunidade Apiwtxa Ashaninka.

JOÃO ROBERTO RIPPER - Fotojornalista, participou da F4, uma das primeiras agências de fotografia independente do Brasil. Criador aa ONG Imagens da Terra e idealizador do projeto Imagens do Povo, Agência-Escola no complexo da Maré. Desde 2011 desenvolve a oficina Bem Querer com foco nos direitos humanos e na fotografia compartilhada. É referência no cenário da fotografia no país, se destacando pelo caráter humanista de seu trabalho. Ripper irá participar da elaboração e do trabalho em campo na oficina de 2018.

MIGUEL CHIKAOKA - Fotógrafo independente, iniciouos nos anos 80 em Belem/PA, um movimento em torno do fazer e pensar coletivo da fotografia, resultando na criação da escola Fotoativa. Atuou no Jornal Resistência da Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos e colaborou com a Agência F4. Em 1991, fundou com outros fotógrafos a Agência Kamara Ko Fotografias. Em 2012, recebeu o Prêmio Brasil de Fotografia e a Comenda da Ordem do Mérito Cultural – MINC por sua contribuição à cultura brasileira. Miguel é parceiro do projeto, foi colaborador técnico e pedagógico na oficina de 2017 participando da elaboração da didática e do trabalho em campo.

 

O Crowdfunding ou financiamento coletivo é um dos principais meios de arrecadação para projetos independentes hoje em dia, pois o próprio público pode financiar a execução. Isso nos livra da dependência de uma única fonte com muitos recursos para a realização de um projeto e tem muito mais a ver com o que acreditamos.

Funciona assim:

Nós temos uma meta mínima para realizar nosso projeto. Ao contribuir com o valor que quiser/puder, você pode escolher uma ou mais recompensas que oferecemos em contrapartida, de acordo com o valor contribuído (ver Recompensas).  Você também será adicionado à nossa lista de e-mail e receberá diretamente informações sobre as etapas de realização do projeto e de entrega das recompensas.

Assim que esta campanha alcançar a meta mínima o projeto acontece, os apoiadores ganham suas recompensas (em até 60 dias) e a Benfeitoria recebe sua porcentagem. Caso a campanha não alcance a meta mínima o projeto não é realizado, os apoiadores recebem o dinheiro de volta e a plataforma não ganhará nada. Se a campanha passar da meta mínima  temos metas adicionais que tornam o projeto ainda melhor. Se o projeto ultrapassar até das metas adicionais você ainda pode contribuir e receber as recompensas.

É importante que todos os que acreditam no projeto colaborem e compartilhem para que mais gente saiba e faça sua doação.

 

O custo total do projeto, com as devidas taxas incluidas e gastos com as recompensas, é de R$ 46.940. Com esse valor custearemos a ida de três profissionais (Pedro Kuperman - fotógrafo e autor do projeto; Jaqueline Todescato - produtora e fotógrafa e João Roberto Ripper - fotojornalista e professor convidado) à aldeia Apiwtxa e a permanência dessa equipe por 12 dias. Os custos envolvem passagens aéreas (1 voo comercial Rio x Cruzeiro do Sul+ 1 voo de monomotor  CZ Sul x Maarechal Thaumaturgo x Cz Sul), estadia em Cruzeiro do Sul para baldeação, transporte de barco pelo Rio Amônia de Marechal Thaumaturgo à Aldeia Apiwtxa, estadia na Aldeia, gastos com alimentação durante esse tempo. Além disso, está previsto no orçamento a compra de 2 câmeras Canon DSLR, um lap top, um HD externo, um tripé, cartões de memória e baterias extras. Esses equipamentos serão usados durante as aulas e depois ficarão com a comunidade.

Os prazos de entrega de cada recompensa serão informados após o termino da campanha.
Preparamos exclusivas para vocês!

 

Mais informações do projeto na nossa página do Facebook:

facebook.com/oficinadefotografiaashaninka

E no instagram:

instagram.com/oficina_fotografia_ashaninka/

Pedro Kuperman ainda não publicou nenhuma notícia.