O Muiraquitã - Lendas Amazônicas |

O Muiraquitã - Lendas Amazônicas

Realizar circuito teatral gratuito, para crianças. Ampliar o debate sobre os temas ambientais, sustentabilidade e sobre a diversidade étnica no Brasil.

Projeto por: LOLY FORTES NUNES
R$ 6.000,00
arrecadado
meta R$ 6.000,00

14 benfeitores
apoiaram essa campanha

Conseguimos \o/

Obrigado a todos os Benfeitores por mais um projeto bem sucedido. Agora, acompanhe as novidades e comentários do projeto.

POR

LOLY FORTES NUNES

LOLY FORTES NUNES

R$ 20
A Lenda da Cobra Grande
3 benfeitores apoiando
A Lenda da Cobra Grande - A Cobra Grande é uma lenda amazônica que fala de uma imensa cobra que cresce de forma desmensurada, ela abandona a floresta e passa a habitar a parte profunda dos rios. Ao rastejar pela terra firme, os sulcos que deixa se transformam nos belos igarapés da região. Parabéns! Você nos deu uma grande força e nos tornou mais fortes para acreditar que através da nossa arte, podemos vencer a todas as “Cobras Grandes” e obstáculos que surgirem em nosso caminho. Por sua energia compartilhada, lhe enviaremos um e-mail agradecendo, uma coleção virtual com as lendas Amazônicas e colocaremos seu nome na lista de apoiadores na Fan page do projeto.
R$ 40
A Lenda do Guaraná
1 benfeitor apoiando
A Lenda do Guaraná – Uma casal pertencente aos Maués, pediu a Tupã que lhe desse um filho. Eles foram atendidos e seu filho se tornou amado por todos na aldeia. Mas o garoto sofreu um acidente e morreu. No lugar onde caiu cresceu uma planta com sementes semelhantes aos olhos garoto. O casal bebeu o suco feito das sementes e sentiram a força do filho. Deram o nome de Guaraná. Parabéns! O Guaraná traz força e energia a quem o ingere. Você nos passou a força e a energia dessa planta compartilhando a sua generosidade. Por sua energia compartilhada, lhe enviaremos um e-mail agradecendo, uma coleção virtual com as lendas Amazônicas e colocaremos seu nome na lista de apoiadores na Fan page do projeto.
R$ 60
A Lenda do Boto -
Seja o primeiro a apoiar!
Lenda do Boto -. O Boto é um rapaz muito bonito, elegante e que cobre parte do rosto com um chapéu. Reza a lenda que ele aparece nas festas para seduzir as jovens ingênuas. E depois de atingir o seu objetivo, ele corre para o igarapé ou rio mais próximo para se esconder, virando boto novamente. Parabéns! Você nos deu uma grande força e nos fez perceber, que podemos vencer as pessoas dissimuladas através da nossa arte e principalmente da verdade. Por sua energia compartilhada, lhe enviaremos um e-mail agradecendo, uma coleção virtual com as lendas Amazônicas e colocaremos seu nome na lista de apoiadores na Fan page do projeto.
R$ 80
A Lenda da Priprioca
Seja o primeiro a apoiar!
Lenda da Priprioca - Piripiri era um rapaz lindo que exalava um perfume maravilhoso. As moças da aldeia ficavam inebriadas de paixão, mas ao tentar tocá-lo, ele desaparecia. Um dia, enquanto ele dormia, elas o amarraram com seus cabelos e adormeceram. Quando acordaram, Piripiri havia desaparecido e em seu lugar havia uma planta que tinha o mesmo perfume dele. As moças passaram a se banhar com a planta e a conquistar os outros rapazes. Elas chamaram a planta de Priprioca, que significa a casa de Piripiri. Parabéns! Com essa sua contribuição já sentimos o cheirinho delicioso da vitória. Por sua energia compartilhada, lhe enviaremos um e-mail agradecendo, uma coleção virtual com as lendas Amazônicas e colocaremos seu nome na lista de apoiadores na Fan page do projeto. Lhe enviaremos também por correio, um sachê com uma deliciosa fragrância da floresta.
R$ 100
A Lenda do Curupira
4 benfeitores apoiando
Lenda do Açaí – Antes de existir a cidade de Belém do Pará, uma imensa tribo ocupava aquela região. Os alimentos estavam escassos e o cacique Itaki determinou que os recém-nascidos, deveriam ser abandonados na Floresta. Mas a primeira mulher a ter uma menina foi sua filha IAÇÃ, que teve que abandoná-la. Muito triste IAÇÃ, pediu as estrelas, que mostrasse ao seu pai, outra maneira de alimentar o seu povo. Um dia, IAÇÃ acreditou ter visto sua filha, ao pé de uma palmeira e tentou abraça-la, mas ela desapareceu. O cacique que triste também olhava a filha, viu que a palmeira, estava carregada de frutos. Ele correu, arrancou os frutos, os espremeu e ao beber o sumo sentir-se muito mais forte. Então decidiu que aquele seria o novo alimento e que as crianças cresceriam na aldeia. Deu ao fruto o nome invertido de IAÇÃ e o chamou de AÇAÍ. Parabéns! Você nos deu uma grande força e nos fez acreditar, que para tudo nessa vida existe uma saída. Por sua energia compartilhada, lhe enviaremos um e-mail agradecendo, uma coleção virtual com as lendas Amazônicas e colocaremos seu nome na lista de apoiadores na Fan page do projeto. Lhe enviaremos por correio, uma bela pulseira feita com sementes de Açaí. Ela lhe dará sorte e prosperidade.
R$ 200
A Lenda do Curupira
2 benfeitores apoiando
Lenda do Curupira - Sua principal atividade na mata é afastar os animais da mira de caçadores, que quando encontrados pelo Curupira são distraídos de seu caminho para que se percam na Floresta. O pequeno índio vive montado em um porco correndo pela floresta, salvando os animais da fúria do homem e entregando os homens ao azar na floresta. Ele é um verdadeiro guardião da Floresta. Parabéns! Nós também lhe consideramos um guardião das artes e da natureza. Por sua energia compartilhada, lhe enviaremos um e-mail agradecendo, uma coleção virtual com as lendas Amazônicas e colocaremos seu nome na lista de apoiadores na Fan page do projeto. Lhe enviaremos por correio, um sachê com fragrância da Floresta e mais uma bela pulseira feita com sementes de Açaí. Ela lhe dará sorte e prosperidade.
R$ 400
A Lenda do Boitatá
Seja o primeiro a apoiar!
Lenda do Boitatá – O Boitatá é uma espécie de serpente gigante, repleta de luz que protege os campos da escuridão. As pessoas que já viram o Boitatá, dizem que é uma grande cobra que vive nos lagos e possui o corpo repleto de luz, com olhos furados onde a luz irradia. Quando um Boitatá morre, sua luz se irradia pelo campo onde habitava. Parabéns! Com a sua contribuição nos sentimos iluminados! E por sua energia compartilhada, lhe enviaremos um e-mail agradecendo, uma coleção virtual com as lendas Amazônicas e colocaremos seu nome na lista de apoiadores na Fan page do projeto. Lhe enviaremos por correio, um sachê com fragrância da Floresta, uma caixa de incenso de Flor de Lótus e mais uma bela pulseira feita com sementes de Açaí e Jarina (o marfim vegetal). Você receberá com esses objetos, a energia da floresta.
R$ 600
A Lenda da Vitória Régia
Seja o primeiro a apoiar!
A Lenda da Vitória Régia – Uma jovem indígena muito bonita, chamada Naiá, ficava por longas horas, as margens do Rio Amazonas admirando a beleza da Lua Branca, intrigada com os mistérios das estrelas e sonhando um dia se tornar uma delas. Parabéns! Com a sua contribuição nos sentimos muito mais próximos de nossa Vitória. Quem doa sonhos, doa vida. Por sua energia compartilhada, lhe enviaremos um e-mail agradecendo, uma coleção virtual com as lendas Amazônicas e colocaremos seu nome na lista de apoiadores na Fan page do projeto. Lhe enviaremos por correio, um sachê com fragrância da Floresta, uma caixa de incenso de Flor de Lótus, um brinco de sementes e mais uma bela pulseira feita com sementes de Açaí e Jarina (o marfim vegetal). Você receberá com esses objetos, a energia da floresta.
R$ 1.000
A Lenda dos Rios Xingu e Amazonas
1 benfeitor apoiando
Lenda dos Rios Xingu e Amazonas - A origem dos rios Xingu e Amazonas também faz parte do imaginário indígena. Dizem que antigamente era tudo seco. Na Floresta Amazônica não tinha água nem rio. Mas os três filhos de Cinaã, conseguiram em suas aventuras criar os rios, as cachoeiras e depois sopraram a água do Amazonas fazendo o rio ficar imenso e mais largo. Voltaram para casa e contaram ao seu pai, que haviam quebrado os tambores do mal e que teriam água para beber por toda a vida. Parabéns! Com a sua contribuição levaremos novos saberes, cultura e conscientização as gerações futuras. Vamos combater o desperdício de água potável e incentivar a preservação dos nossos rios. Por sua energia compartilhada, lhe enviaremos um e-mail agradecendo, uma coleção virtual com as lendas Amazônicas e colocaremos seu nome na lista de apoiadores na Fan page do projeto. Lhe enviaremos por correio, um sachê com fragrância da Floresta, uma caixa de incenso de Flor de Lótus, duas pulseira protetora com sementes de Açaí, Jarina e Olho de Boi. Se você desejar divulgar alguma marca colocaremos a sua logo em nosso material impresso e de divulgação do projeto. Os objetos ofertados lhe darão proteção, sorte e a energia da floresta.
R$ 2.000
A Lenda de Macunaíma
2 benfeitores apoiando
Lenda de Macunaíma - Existia uma montanha muito grande em Roraima, que era testemunha de um amor entre o sol e a lua. Claro que esse amor era impossível de se concretizar, pois quando a Lua estava se pondo o Sol estava chegando, e vice-versa. De tanto sofrimento, a mãe natureza preparou um encontro para os dois apaixonados, na forma de um eclipse. Desse encontro único, o Sol fecundou a Lua através das águas de um lago, nascendo Macunaíma ao pé de uma árvore em que brotavam vários frutos e que o seu povo a chamava de “Árvore de Todos os Frutos”. Macunaíma se tornou o grande guardião dessa árvore. Parabéns! Você é mais do que um guardião, você é um mecenas das artes. Nos mostrou com a sua contribuição que todos os sonhos são possíveis e que podem gerar muitos frutos. Por sua energia compartilhada, lhe enviaremos um e-mail agradecendo, uma coleção virtual com as lendas Amazônicas e colocaremos seu nome na lista de apoiadores na Fan page do projeto. Lhe enviaremos por correio, um sachê com fragrância da Floresta, uma caixa de incenso de Flor de Lótus, uma biojoia - um colar com sementes de Açaí e Jarina (o Marfim Vegetal). Se você desejar divulgar alguma marca colocaremos a sua logo em nosso material impresso e de divulgação do projeto. Os objetos ofertados lhe darão proteção, sorte e a energia da floresta.
R$ 4.000
A Lenda do Uirapuru
Seja o primeiro a apoiar!
Lenda do Uirapuru - Fruto de uma paixão proibida, onde um índio comum se apaixonou pela mulher do cacique, este índio, não querendo causar transtornos em sua tribo, pediu ao seu Deus que o transformasse em um pássaro. Tupã o atendeu e o transformou num pássaro bonito, vermelho, que toda noite procurava a sua amada para cantar como nenhum outro pássaro jamais cantou. Conta a lenda que até hoje o Uirapuru canta da mesma maneira, na esperança de que sua amada o reconheça e ele possa a voltar à forma humana, para enfim encontrá-la e viver o seu amor. Parabéns! Para nós, você é mais do que um mecenas das artes e merece ser cercado por uma corrente de paz e amor. Por sua energia compartilhada, lhe enviaremos um e-mail agradecendo, uma coleção virtual com as lendas Amazônicas e colocaremos seu nome na lista de apoiadores na Fan page do projeto. Lhe enviaremos por correio, um sachê com fragrância da Floresta, uma caixa de incenso de Flor de Lótus, uma biojoia - um colar com sementes de Açaí e Jarina (o Marfim Vegetal). Se você desejar divulgar alguma marca colocaremos a sua logo em nosso material impresso e de divulgação do projeto. Os objetos ofertados lhe darão proteção, sorte e a boa energia da floresta.
R$ 6.000
A Lenda das Incamiabas e do Muiraquitã
Seja o primeiro a apoiar!
Lenda das Incamiabas e do Muiraquitã - As Icamiabas viviam as margens do Rio Nhamundá, numa aldeia só de mulheres guerreiras. Todos chamavam essa região de País das Pedras Verdes. Elas tinham como vizinhos os guerreiros Guacaris e realizavam uma festa anual dedicada à lua. Nessa ocasião elas recebiam os Guacaris, com os quais apenas nessas festas elas faziam amor. Depois da noite de amor, as guerreiras mergulhavam no lago Iaci-uaruá (Espelho da Lua) e iam buscar, no fundo, a matéria-prima com que moldavam os muiraquitãs. Elas davam formas variadas de animais. Com essas esculturas presenteavam os seus amados. Eles ficavam muito orgulhosos e felizes com os presentes que usavam como amuleto. Até hoje, o Muiraquitã é considerado objeto sagrado. Parabéns! Para nós, você é um verdadeiro herói. Merece ser cercado por uma corrente de sucesso. Por sua energia compartilhada, lhe enviaremos um e-mail agradecendo, uma coleção virtual com as lendas Amazônicas e colocaremos seu nome na lista de apoiadores na Fan page do projeto. Lhe enviaremos pelo correio, uma biojoia - um colar com sementes de Açaí e Jarina (O Marfim Vegetal) e uma escultura do Muiraquitã. Se você desejar divulgar alguma marca colocaremos a sua logo em nosso material impresso e de divulgação do projeto. Você receberá muita sorte com esse talismã, acredita-se que traz felicidade, sorte e cura doenças.

ARTE, CULTURA, DIVERSIDADE E SUSTENTABILIDADE.

Quem somos e objetivo:

A Cia. Fanfarra Carioca, estreou em 1985 e por esse espetáculo de estreia venceu o prêmio INACEN de melhor espetáculo do ano e finalizou a temporada no FITEI – Festival Internacional de Expressões Ibéricas – Porto/Portugal. Desde então, desenvolve uma pesquisa contínua no campo das Artes Cênicas com foco na diversidade e cultura dos povos do Brasil. 

Através da realização de circuitos com apresentações teatrais gratuitas,  a Cia. Fanfarra Carioca salienta o conceito de Arte Pública, reforça a relação entre o trabalho criador e a sociedade, pensar o processo criativo no mundo globalizado e intercultural. Buscamos dessa maneira, um compartilhamento abrangente e inclusivo que não se limite apenas em responder às condições de uma sociedade específica, mas a um horizonte muito mais amplo. Uma relação entre a criação artística e as demandas da sociedade que acredita na contribuição da arte para a ampliação do debate ou na produção de novos olhares sobre temas de discussão pública. 

A Fanfarra Carioca propõe, a construção de uma grande “teia de financiamento coletivo”, que tecerá novos olhares e dará voz aos povos da floresta. Uma rede colaborativa para incentivar através do teatro, a difusão da cultura brasileira; a preservação do nosso patrimônio imaterial e para iluminar a valiosa contribuição da nossa diversidade étnica. 

Desenvolvimento do Projeto através da contribuição coletiva:

Nesse projeto de “contribuição coletiva”, você também pode se tornar parte da grande Teia difusora de causas e de projetos artísticos. Se conseguirmos conquistar as nossas metas - O nosso herói, será você.  

Dividimos essa proposta em três metas, que representam três apresentações gratuitas, para um mínimo de 200 crianças por apresentação. As apresentações serão registradas através de fotos que serão postadas na fanpage criada para o projeto, você poderá acompanhar todo o desenvolvimento do projeto. A Fanfarra Carioca oferece aos seus colaboradores, contrapartidas sociais multiplicadoras, além de recompensas individuais. Mas a primeira meta é tudo ou nada. Se nós não a alçarmos essa meta, todos os colaboradores receberão os seus investimentos de volta. Na coluna a direita, você pode escolher o valor que deseja investir e as suas recompensas. Mas temos pouco tempo e contamos com a sua contribuição para essa realização. Conheça melhor o projeto e faça a sua contribuição.  

Por que Investir nesse projeto? 

É uma necessidade sociocultural urgente aproximar nossas crianças e nossos jovens da Região Amazônica, que mantém uma brasilidade ainda tão forte, atuante e que tão poucos conhecem no restante do país, contribuindo assim para transmitir às crianças e jovens de hoje verdadeiros tesouros da nossa cultura ameríndia e afrobrasileira.  

Os espelhos são usados para ver o rosto. A arte para ver a alma. Bernard Shaw. 

Sobre o espetáculo: 

O espetáculo propõe um mergulho no universo mágico da Mitologia Amazônica, trazendo à luz o hibridismo que marca a construção do tecido cultural brasileiro, mesclando valores e crenças dos povos da floresta. Nessa perspectiva, o espetáculo - O Muiraquitã será um encantador encontro com a alma popular brasileira, suas crendices, suas lendas, suas histórias e seus mitos.

Os Povos da Floresta e o Meio Ambiente.

O espetáculo também transmitirá mensagens com conteúdo ambiental, ligadas à preservação dos recursos naturais. Nos mostra como os povos da floresta, conhecem as ervas medicinais e cuidam com consciência e qualidade não deixando nenhuma espécie extinguir. O público terá também oportunidade de conhecer a visão dos muitos povos indígenas que acreditam o humano como uma unidade integrada a um todo maior e único. Mostrará como a prática desses povos ameríndios e quilombolas, tem estreita relação com o meio ambiente e é usada para classificar e ordenar o mundo físico e mental das sociedades humanas. 

Trata-se também de um registro memorial e histórico dos Quilombos na cultura da região Amazônica e do Brasil. O Quilombo do Pacoval foi criado a partir da fuga de africanos escravizados das fazendas de Santarém.  Hoje, o Quilombo tem um rico acervo cultural de danças, canções, a memória dos ancestrais e costumes que tanto encantam a quem os assiste. É uma linda história a resistência.

O que é uma biojoia?  

É um adorno produzido a partir de materiais vindos da natureza, tais como sementes diversas, fibras naturais, casca do coco, capim, madeira, ossos, penas, escamas, dentre outros. Tais materiais são extraídos da natureza sem causar quaisquer prejuízos à mesma, ou seja, a busca de matérias-primas é feita de forma sustentável: não agride o meio ambiente e nem o meio social. Trata-se, portanto, de criações artísticas tipicamente brasileiras, que aproveitam a riqueza de cores, texturas e formas da flora brasileira para criação de peças com valor agregado, promovendo a sustentabilidade e valorização cultural. 

SEJA BEM VINDO, A TEIA DA CIA. FANFARRA CARIOCA! 

 

ARTE, CULTURA, DIVERSIDADE E SUSTENTABILIDADE.

Quem somos e objetivo:

A Cia. Fanfarra Carioca, estreou em 1985 e por esse espetáculo de estreia venceu o prêmio INACEN de melhor espetáculo do ano e finalizou a temporada no FITEI – Festival Internacional de Expressões Ibéricas – Porto/Portugal. Desde então, desenvolve uma pesquisa contínua no campo das Artes Cênicas com foco na diversidade e cultura dos povos do Brasil. 

Através da realização de circuitos com apresentações teatrais gratuitas,  a Cia. Fanfarra Carioca salienta o conceito de Arte Pública, reforça a relação entre o trabalho criador e a sociedade, pensar o processo criativo no mundo globalizado e intercultural. Buscamos dessa maneira, um compartilhamento abrangente e inclusivo que não se limite apenas em responder às condições de uma sociedade específica, mas a um horizonte muito mais amplo. Uma relação entre a criação artística e as demandas da sociedade que acredita na contribuição da arte para a ampliação do debate ou na produção de novos olhares sobre temas de discussão pública. 

A Fanfarra Carioca propõe, a construção de uma grande “teia de financiamento coletivo”, que tecerá novos olhares e dará voz aos povos da floresta. Uma rede colaborativa para incentivar através do teatro, a difusão da cultura brasileira; a preservação do nosso patrimônio imaterial e para iluminar a valiosa contribuição da nossa diversidade étnica. 

Desenvolvimento do Projeto através da contribuição coletiva:

Nesse projeto de “contribuição coletiva”, você também pode se tornar parte da grande Teia difusora de causas e de projetos artísticos. Se conseguirmos conquistar as nossas metas - O nosso herói, será você.  

Dividimos essa proposta em três metas, que representam três apresentações gratuitas, para um mínimo de 200 crianças por apresentação. As apresentações serão registradas através de fotos que serão postadas na fanpage criada para o projeto, você poderá acompanhar todo o desenvolvimento do projeto. A Fanfarra Carioca oferece aos seus colaboradores, contrapartidas sociais multiplicadoras, além de recompensas individuais. Mas a primeira meta é tudo ou nada. Se nós não a alçarmos essa meta, todos os colaboradores receberão os seus investimentos de volta. Na coluna a direita, você pode escolher o valor que deseja investir e as suas recompensas. Mas temos pouco tempo e contamos com a sua contribuição para essa realização. Conheça melhor o projeto e faça a sua contribuição.  

Por que Investir nesse projeto? 

É uma necessidade sociocultural urgente aproximar nossas crianças e nossos jovens da Região Amazônica, que mantém uma brasilidade ainda tão forte, atuante e que tão poucos conhecem no restante do país, contribuindo assim para transmitir às crianças e jovens de hoje verdadeiros tesouros da nossa cultura ameríndia e afrobrasileira.  

Os espelhos são usados para ver o rosto. A arte para ver a alma. Bernard Shaw. 

Sobre o espetáculo: 

O espetáculo propõe um mergulho no universo mágico da Mitologia Amazônica, trazendo à luz o hibridismo que marca a construção do tecido cultural brasileiro, mesclando valores e crenças dos povos da floresta. Nessa perspectiva, o espetáculo - O Muiraquitã será um encantador encontro com a alma popular brasileira, suas crendices, suas lendas, suas histórias e seus mitos.

Os Povos da Floresta e o Meio Ambiente.

O espetáculo também transmitirá mensagens com conteúdo ambiental, ligadas à preservação dos recursos naturais. Nos mostra como os povos da floresta, conhecem as ervas medicinais e cuidam com consciência e qualidade não deixando nenhuma espécie extinguir. O público terá também oportunidade de conhecer a visão dos muitos povos indígenas que acreditam o humano como uma unidade integrada a um todo maior e único. Mostrará como a prática desses povos ameríndios e quilombolas, tem estreita relação com o meio ambiente e é usada para classificar e ordenar o mundo físico e mental das sociedades humanas. 

Trata-se também de um registro memorial e histórico dos Quilombos na cultura da região Amazônica e do Brasil. O Quilombo do Pacoval foi criado a partir da fuga de africanos escravizados das fazendas de Santarém.  Hoje, o Quilombo tem um rico acervo cultural de danças, canções, a memória dos ancestrais e costumes que tanto encantam a quem os assiste. É uma linda história a resistência.

O que é uma biojoia?  

É um adorno produzido a partir de materiais vindos da natureza, tais como sementes diversas, fibras naturais, casca do coco, capim, madeira, ossos, penas, escamas, dentre outros. Tais materiais são extraídos da natureza sem causar quaisquer prejuízos à mesma, ou seja, a busca de matérias-primas é feita de forma sustentável: não agride o meio ambiente e nem o meio social. Trata-se, portanto, de criações artísticas tipicamente brasileiras, que aproveitam a riqueza de cores, texturas e formas da flora brasileira para criação de peças com valor agregado, promovendo a sustentabilidade e valorização cultural. 

SEJA BEM VINDO, A TEIA DA CIA. FANFARRA CARIOCA! 

 

LOLY FORTES NUNES ainda não publicou nenhuma notícia.