Ribeirinhos Amazônia Covid 19 - Viagem II |

Ribeirinhos Amazônia Covid 19 - Viagem II

Queremos amenizar os impactos do Covid 19 com a entrega de cestas básicas às famílias de comunidades ribeirinhas da Amazônia no rio Arapiuns.

Projeto por: Agência Moby Dick
R$ 8.880,00
arrecadado
meta R$ 11.649,00

25 benfeitores
apoiaram essa campanha

Conseguimos \o/

Obrigado a todos os Benfeitores por mais um projeto bem sucedido. Agora, acompanhe as novidades e comentários do projeto.

POR

Agência Moby Dick

Agência Moby Dick
R$ 20
Apoiar essa campanha com R$ 20
1 benfeitor apoiando
R$ 50
Apoiar essa campanha com R$ 50
3 benfeitores apoiando
R$ 80
Apoiar essa campanha com R$ 80
Seja o primeiro a apoiar!
R$ 100
Apoiar essa campanha com R$ 100
3 benfeitores apoiando
R$ 200
Apoiar essa campanha com R$ 200
3 benfeitores apoiando
R$ 300
Apoiar essa campanha com R$ 300
Seja o primeiro a apoiar!
R$ 500
Apoiar essa campanha com R$ 500
Seja o primeiro a apoiar!
R$ 1.000
Apoiar essa campanha com R$ 1000
Seja o primeiro a apoiar!
R$ 3.000
Apoiar essa campanha com R$ 3000
1 benfeitor apoiando

No mês de abril/2020, fizemos nossa 1° campanha de arrecadação para levar cestas básicas à 156 famílias em 5 comunidades no Rio Arapiuns e tivemos uma grata surpresa: em poucos dias, conseguimos atingir a nossa meta! Recebemos o apoio de muitos amigos e conhecidos, o que nos motivou ainda mais à ampliar nossa ação e planejar uma segunda viagem para o mês de maio/junho 2020 para mais 4 comunidades e algumas casas isoladas ao longo do Rio Arapiuns, atingindo um total de 200 famílias!

Por quê as comunidades ribeirinhas da Amazônia?

Convidamos vocês a participarem da preservação da região a partir do apoio às pessoas que vivem lá, especificamente à beira do rio Arapiuns no estado do Pará, na Amazônia brasileira. Embora estejamos todos preocupados com a disseminação do vírus em regiões de densidade populacional alta, e este não é o caso desta região, precisamos lembrar que a Amazônia é habitada por milhões de pessoas, e dentre elas alguns milhões são ribeirinhos, cujo modo de vida é tradicional, quase de subsistência. Na Amazônia, as estradas são rios e o acesso para grande parte desta população de ribeirinhos é difícil. 

Onde há ribeirinhos e comunidades tradicionais, a floresta permanece de pé, pois eles, melhor do que nós, sabem o quanto a floresta é importante para lhes dar vida. Assim, ajudando essas comunidades que estamos indicando, certamente ajudamos também de forma singela, a preservação da região. Nesse momento em que nossa sociedade se repensa, reavalia o que de fato necessita em seu dia-a-dia, suas práticas de consumo, etc a vida destes ribeirinhos é um exemplo maravilhoso de como muitas vezes nossas métricas de riqueza associadas a felicidade estão equivocadas.

As comunidades que ajudaremos não são comunidades indígenas “isoladas”, mas ainda assim, são comunidades que estão no momento isoladas não podendo receber as embarcações de linha que costumam ser fonte de venda de mantimentos e tampouco alimentos para as merendas de escola, pois não há aulas neste período. Essas famílias não podem tampouco receber o barco e o burocrático apoio financeiro que está sendo oferecido pelo governo, pois para tal, teriam que se deslocar de barco por horas (aprox. 12 horas) até uma cidade próxima para ir ao banco, apresentar uma série de documentos, ou utilizarem a internet para se cadastrarem, o que elas não tem acesso tão fácil. E, em meio a toda essa dificuldade, tememos que alguns ribeirinhos abandonem suas residências, buscando abrigo em subúrbios de grandes cidades ou em favelas de regiões metropolitanas infectadas. Assim, nesse momento difícil para todas as pessoas do mundo, num isolamento relativo se comparado com estas comunidades, contamos com a ajuda de vocês para que contribuam com essa campanha.

O que podemos fazer?

Entramos em contato com alguns líderes das comunidades e eles nos disseram que precisam dos principais mantimentos, como arroz, feijão, leite em pó, óleo, água sanitária, sabão de coco em barra, álcool 70% e máscaras de pano.

Quantas e quais comunidades vamos ajudar?

Arrecadando o valor total, vamos ajudar as 4 comunidades do rio Arapiuns: Atodí (47 famílias), Aminá (54 famílias), São Francisco (31 famílias), Bom Futuro (35 famílias) e 33 famílias que vivem em casas isoladas ao longo do caminho.

Meta 1: 160 famílias

Meta 2: 180 famílias

Meta 3: 200 famílias

Transparência dos valores

Cesta básica 

Cada cesta básica terá: 4kg de arroz, 2kg de feijão, 3 pacotes de leite em pó, 1 litro de óleo, 1 barra sabão de coco, álcool líquido 500ml, 1 litro de água sanitária, 2 máscaras de pano que estão sendo confeccionadas pela Lucineide, cozinheira do barco Gaia que será o transporte responsável pela entrega dos mantimentos, no valor unitário de R$3,50/cada máscara. 

Taxas 

3,5% taxa site Benfeitoria + 4,5% taxa fixa transação pagamentos

Despesas com barco transporte (2 dias) > TODAS AS DESPESAS LOGÍSTICAS SERÃO 100% COBERTAS POR DOAÇÕES PONTUAIS RECEBIDAS DA ITÁLIA, EM NOME DE OLIVIERO.

Combustível e óleo (200 litros), funcionários barco, comida e bebida pessoas no barco, itens para higienização (máscaras, luvas, alcool e sabão). 

Como será entregue?

O barco Gaia que está presente há anos na região, levará as cestas básicas para as comunidades.

Entenda sobre o barco Gaia

"O fotógrafo e jornalista Oliviero Pluviano criou o Projeto Fitzcarraldo para realizar seu sonho de proporcionar cinema e cultura, em diversos formatos, aos povos indígenas e comunidades ribeirinhas da Amazônia."

"Um dia de fome, é um longo dia para terminar” – Dinho (comandante do barco Gaia).

 

Agência Moby Dick ainda não publicou nenhuma notícia.

No mês de abril/2020, fizemos nossa 1° campanha de arrecadação para levar cestas básicas à 156 famílias em 5 comunidades no Rio Arapiuns e tivemos uma grata surpresa: em poucos dias, conseguimos atingir a nossa meta! Recebemos o apoio de muitos amigos e conhecidos, o que nos motivou ainda mais à ampliar nossa ação e planejar uma segunda viagem para o mês de maio/junho 2020 para mais 4 comunidades e algumas casas isoladas ao longo do Rio Arapiuns, atingindo um total de 200 famílias!

Por quê as comunidades ribeirinhas da Amazônia?

Convidamos vocês a participarem da preservação da região a partir do apoio às pessoas que vivem lá, especificamente à beira do rio Arapiuns no estado do Pará, na Amazônia brasileira. Embora estejamos todos preocupados com a disseminação do vírus em regiões de densidade populacional alta, e este não é o caso desta região, precisamos lembrar que a Amazônia é habitada por milhões de pessoas, e dentre elas alguns milhões são ribeirinhos, cujo modo de vida é tradicional, quase de subsistência. Na Amazônia, as estradas são rios e o acesso para grande parte desta população de ribeirinhos é difícil. 

Onde há ribeirinhos e comunidades tradicionais, a floresta permanece de pé, pois eles, melhor do que nós, sabem o quanto a floresta é importante para lhes dar vida. Assim, ajudando essas comunidades que estamos indicando, certamente ajudamos também de forma singela, a preservação da região. Nesse momento em que nossa sociedade se repensa, reavalia o que de fato necessita em seu dia-a-dia, suas práticas de consumo, etc a vida destes ribeirinhos é um exemplo maravilhoso de como muitas vezes nossas métricas de riqueza associadas a felicidade estão equivocadas.

As comunidades que ajudaremos não são comunidades indígenas “isoladas”, mas ainda assim, são comunidades que estão no momento isoladas não podendo receber as embarcações de linha que costumam ser fonte de venda de mantimentos e tampouco alimentos para as merendas de escola, pois não há aulas neste período. Essas famílias não podem tampouco receber o barco e o burocrático apoio financeiro que está sendo oferecido pelo governo, pois para tal, teriam que se deslocar de barco por horas (aprox. 12 horas) até uma cidade próxima para ir ao banco, apresentar uma série de documentos, ou utilizarem a internet para se cadastrarem, o que elas não tem acesso tão fácil. E, em meio a toda essa dificuldade, tememos que alguns ribeirinhos abandonem suas residências, buscando abrigo em subúrbios de grandes cidades ou em favelas de regiões metropolitanas infectadas. Assim, nesse momento difícil para todas as pessoas do mundo, num isolamento relativo se comparado com estas comunidades, contamos com a ajuda de vocês para que contribuam com essa campanha.

O que podemos fazer?

Entramos em contato com alguns líderes das comunidades e eles nos disseram que precisam dos principais mantimentos, como arroz, feijão, leite em pó, óleo, água sanitária, sabão de coco em barra, álcool 70% e máscaras de pano.

Quantas e quais comunidades vamos ajudar?

Arrecadando o valor total, vamos ajudar as 4 comunidades do rio Arapiuns: Atodí (47 famílias), Aminá (54 famílias), São Francisco (31 famílias), Bom Futuro (35 famílias) e 33 famílias que vivem em casas isoladas ao longo do caminho.

Meta 1: 160 famílias

Meta 2: 180 famílias

Meta 3: 200 famílias

Transparência dos valores

Cesta básica 

Cada cesta básica terá: 4kg de arroz, 2kg de feijão, 3 pacotes de leite em pó, 1 litro de óleo, 1 barra sabão de coco, álcool líquido 500ml, 1 litro de água sanitária, 2 máscaras de pano que estão sendo confeccionadas pela Lucineide, cozinheira do barco Gaia que será o transporte responsável pela entrega dos mantimentos, no valor unitário de R$3,50/cada máscara. 

Taxas 

3,5% taxa site Benfeitoria + 4,5% taxa fixa transação pagamentos

Despesas com barco transporte (2 dias) > TODAS AS DESPESAS LOGÍSTICAS SERÃO 100% COBERTAS POR DOAÇÕES PONTUAIS RECEBIDAS DA ITÁLIA, EM NOME DE OLIVIERO.

Combustível e óleo (200 litros), funcionários barco, comida e bebida pessoas no barco, itens para higienização (máscaras, luvas, alcool e sabão). 

Como será entregue?

O barco Gaia que está presente há anos na região, levará as cestas básicas para as comunidades.

Entenda sobre o barco Gaia

"O fotógrafo e jornalista Oliviero Pluviano criou o Projeto Fitzcarraldo para realizar seu sonho de proporcionar cinema e cultura, em diversos formatos, aos povos indígenas e comunidades ribeirinhas da Amazônia."

"Um dia de fome, é um longo dia para terminar” – Dinho (comandante do barco Gaia).

 

Agência Moby Dick ainda não publicou nenhuma notícia.