Campanha de solidariedade aos trabalhadores do IBGE |

Campanha de solidariedade aos trabalhadores do IBGE

O núcleo São Paulo do ASSIBGE está promovendo uma campanha de solidariedade aos APMs que perderam o emprego e terceirizados com contrato suspensos na pandemi

Projeto por: Flávio Novaes Mancuso
R$ 4.638,00
arrecadado
meta R$ 10.000,00

31 benfeitores
apoiaram essa campanha

Conseguimos \o/

Obrigado a todos os Benfeitores por mais um projeto bem sucedido. Agora, acompanhe as novidades e comentários do projeto.

POR

Flávio Novaes Mancuso

Flávio Novaes Mancuso
R$ 20
Apoiar essa campanha com R$ 20
Seja o primeiro a apoiar!
R$ 50
Apoiar essa campanha com R$ 50
7 benfeitores apoiando
R$ 80
Apoiar essa campanha com R$ 80
2 benfeitores apoiando
R$ 100
Apoiar essa campanha com R$ 100
6 benfeitores apoiando
R$ 200
Apoiar essa campanha com R$ 200
5 benfeitores apoiando
R$ 300
Apoiar essa campanha com R$ 300
1 benfeitor apoiando
R$ 500
Apoiar essa campanha com R$ 500
Seja o primeiro a apoiar!
R$ 1.000
Apoiar essa campanha com R$ 1000
Seja o primeiro a apoiar!
R$ 3.000
Apoiar essa campanha com R$ 3000
Seja o primeiro a apoiar!

Agentes de Pesquisa e Mapeamento do IBGE são funcionários admitidos através de prova de Processo Seletivo Simplificado. Muito semelhante a um concurso. No entanto, são funcionários temporários. Isso significa que estes trabalhadores têm prazo de validade. Muitos encerraram seus contratos durante a pandemia. São trabalhadores regidos por contratos temporários regulados pela lei 8745/93, que, após se dedicarem 3 anos à instituição, saem sem direito a Seguro Desemprego ou qualquer tipo de Fundo de Garantia. E o Auxilio Emergencial relacionado ao corona vírus não é garantido, dado que os vínculos do trabalhador ao serviço público demoram a ser desfeitos. Além disso, não temos visto a abertura de novos concursos e as possibilidades de recolocação no mercado de trabalho estão bem restritivas devido às crises por que passa o país.

Sendo assim, o ASSIBGE- Sindicato Nacional - Núcleo São Paulo iniciou uma luta reivindicando que nenhum trabalhador temporário ou terceirizado tenha seu contrato finalizado durante a pandemia do COVID-19. Mesmo que cumprido os 3 anos de vigência do contrato. Paralelamente a isso, tendo em vista que muitos trabalhadores ficaram sem seu sustento e que não podemos esperar que o Estado, Governos ou Empresas façam por nós, o núcleo São Paulo do sindicato deu início a esta campanha de solidariedade. O objetivo é arrecadar recursos para contribuir com aqueles trabalhadores que foram desligados do órgão ou mesmo aqueles que tiveram seus salários reduzidos, como ocorre com os terceirizados.

A Campanha de Solidariedade que estamos impulsionando não é algo novo, não tem pouca idade. A classe trabalhadora, historicamente, em períodos de maior escassez, aprendeu a chamar seu próximo de companheiro, aprendeu a socializar o pão. É socializando que ganhamos forças na justa luta por pão, alegria e descanso.

O valor arrecadado dos trabalhadores que queiram se solidarizar com a campanha será dividido entre os trabalhadores do IBGE que ficaram desempregados na pandemia e com os trabalhadores terceirizados que tiveram contrato suspenso.

 

Flávio Novaes Mancuso ainda não publicou nenhuma notícia.

Agentes de Pesquisa e Mapeamento do IBGE são funcionários admitidos através de prova de Processo Seletivo Simplificado. Muito semelhante a um concurso. No entanto, são funcionários temporários. Isso significa que estes trabalhadores têm prazo de validade. Muitos encerraram seus contratos durante a pandemia. São trabalhadores regidos por contratos temporários regulados pela lei 8745/93, que, após se dedicarem 3 anos à instituição, saem sem direito a Seguro Desemprego ou qualquer tipo de Fundo de Garantia. E o Auxilio Emergencial relacionado ao corona vírus não é garantido, dado que os vínculos do trabalhador ao serviço público demoram a ser desfeitos. Além disso, não temos visto a abertura de novos concursos e as possibilidades de recolocação no mercado de trabalho estão bem restritivas devido às crises por que passa o país.

Sendo assim, o ASSIBGE- Sindicato Nacional - Núcleo São Paulo iniciou uma luta reivindicando que nenhum trabalhador temporário ou terceirizado tenha seu contrato finalizado durante a pandemia do COVID-19. Mesmo que cumprido os 3 anos de vigência do contrato. Paralelamente a isso, tendo em vista que muitos trabalhadores ficaram sem seu sustento e que não podemos esperar que o Estado, Governos ou Empresas façam por nós, o núcleo São Paulo do sindicato deu início a esta campanha de solidariedade. O objetivo é arrecadar recursos para contribuir com aqueles trabalhadores que foram desligados do órgão ou mesmo aqueles que tiveram seus salários reduzidos, como ocorre com os terceirizados.

A Campanha de Solidariedade que estamos impulsionando não é algo novo, não tem pouca idade. A classe trabalhadora, historicamente, em períodos de maior escassez, aprendeu a chamar seu próximo de companheiro, aprendeu a socializar o pão. É socializando que ganhamos forças na justa luta por pão, alegria e descanso.

O valor arrecadado dos trabalhadores que queiram se solidarizar com a campanha será dividido entre os trabalhadores do IBGE que ficaram desempregados na pandemia e com os trabalhadores terceirizados que tiveram contrato suspenso.

 

Flávio Novaes Mancuso ainda não publicou nenhuma notícia.