Feira Agroecológica e Cultural - Butantã |

Feira Agroecológica e Cultural - Butantã

Somos uma rede de mulheres produtoras que tem como objetivo fortalecer a comercialização e o acesso democrático a produtos agroecológicos e artesanais em SP

Projeto por: Associação Nacional Reggae, Arte e Social - Portal RAS
R$ 4.720,00
arrecadado
meta R$ 8.000,00

49
benfeitores

59%
arrecadado

6
dias restantes

É tudo ou nada! Precisamos bater a meta até 22/12/2019 - 23:59

POR

Associação Nacional Reggae, Arte e Social - Portal RAS

Associação Nacional Reggae, Arte e Social - Portal RAS

R$ 30
Agradecimento nas redes sociais!
10 benfeitores apoiando
Contribua com R$ 30,00 e receba como recompensa uma menção nominal em uma mensagem de agradecimento publicada no Facebook e no Instagram da Feira Agroecológica e Cultural de Mulheres no Butantã!
R$ 40
Agradecimento ao vivo na Feira!
4 benfeitores apoiando
Contribua com R$ 40,00 e receba em troca, como recompensa, um agradecimento da coordenação da feira, ao vivo, durante a primeira edição da feira, em fevereiro de 2020!** **A data oficial, ainda indefinida, será divulgada com antecedência.
R$ 50
Mensagem de agradecimento em vídeo!
7 benfeitores apoiando
Contribua com R$ 50,00 e receba uma mensagem de agradecimento em vídeo, gravada pelas produtoras que compõem a rede de mulheres da Feira!
R$ 70
1 Item da cesta de produtos da Feira
5 benfeitores apoiando
Contribua com R$ 70,00 e receba como recompensa 1 item selecionado da tradicional cesta de produtos artesanais e agroecológicos das produtoras da Feira, para consumo imediato!

10 disponíveis.
R$ 100
1 item selecionado da cesta de produtos
15 benfeitores apoiando
Contribua com R$ 100,00 e receba como recompensa 1 item selecionado e não perecível da tradicional cesta de produtos artesanais e agroecológicos das produtoras da Feira para você levar para casa!

Não encontrou o que queria?

Apoie com qualquer valor

Feira Agroecológica e Cultural de Mulheres no Butantã

Somos uma rede de produtoras que organiza uma feira agroecológica mensalmente no bairro do Butantã (SP) desde dezembro de 2017. Temos como objetivo a comercialização direta de produtos agroecológicos e artesanais, ocupando um espaço público verde e promovendo atividades culturais abertas à população. Fomentamos os princípios do consumo responsável, comércio justo, agroecologia, economia solidária, fortalecimento e valorização do trabalho feminino.

Nossa feira conta com mais de 50 mulheres expositoras, das mais diversas regiões de São Paulo e de outros estados. Valorizamos todo tipo de diversidade e queremos promover cada vez mais a inclusão e acessibilidade de mulheres para compor esse coletivo e se fortalecer individualmente.

Dentre os produtos e serviços que são oferecidos estão produtos frescos, processados, alimentos preparados, biocosméticos, artesanato, costura, higiene pessoal, jardinagem e terapias.

Através da ocupação de uma área verde - Viveiro II do Butantã - realizamos um trabalho de educação e conscientização ambiental, por meio do plantio de mudas, mutirões de limpeza do espaço, informação sobre descarte de lixo e resíduos, entre outras ações. 

Além de fortalecer a geração de renda de mulheres produtoras, a Feira também promove a democratização do acesso da população a alimentos orgânicos e agroecológicos e artesanatos de qualidade a preços justos. Além disso, à cada edição, a Feira conta com uma programação cultural e artística gratuita e aberta ao público, com oficinas, apresentação musical, roda de capoeira, aula de Yoga e um espaço lúdico para as crianças. A programação cultural do evento é pensada para valorizar e fortalecer o trabalho de mulheres artistas. 

Para possibilitar a participação de mulheres na feira e a inclusão de qualquer tipo de público frequentador, realizamos também um trabalho com as crianças, que chamamos de Ciranda, em que as crianças são acolhidas pela cirandeira, que realiza diversos tipos de atividades lúdicas e culturais com elas. Isso é muito importante para as mulheres produtoras, já que o trabalho de cuidar dos filhos normalmente as impossibilita de realizar outros trabalhos que possam gerar renda. A ciranda também é importante para os pais que frequentam a feira, tornando-a um ambiente familiar e agradável.

             

 

Buscamos a autonomia econômica através da viabilidade financeira, para podermos nos autossustentar a longo prazo e garantir nossa autogestão, dando continuidade à promoção dessa feira, que gera benefícios tanto para as mulheres que dela participam, quanto para o público que a frequenta.

Organização através da Autogestão

Um dos pilares da Feira Agroecológica e Cultural de Mulheres no Butantã é nossa auto-organização através dos princípios da autogestão. Acreditamos que todas nós, mulheres que compõem a rede de produtoras da Feira, somos responsáveis pela criação, elaboração e execução desse projeto, por meio de diferentes frentes de atuação. A feira conta com um núcleo de 5 mulheres que trabalham diretamente na coordenação do projeto, que se organizam através de reuniões semanais. Além disso, as expositoras e as coordenadoras se encontram uma vez ao mês para a realização da Reunião de Gestão Coletiva da Feira onde são discutidos assuntos pertinentes ao coletivo, como a entrada de novas expositoras, nossa carta de princípios, nossos objetivos a longo prazo, soluções para impasses e dificuldades que surgem ao longo do caminho, etc. Por fim, realizamos uma vez por semestre nosso Encontro de Planejamento, ocasião em que dispomos de 2 dias para construir e refletir com mais profundidade questões relativas à Feira. Paralelamente, também criamos Grupos de Trabalho (GT's) sobre temas específicos dos quais participam expositoras e coordenadoras. Os GT's  abordam aspectos específicos e pontuais da feira, como o "GT de Infraestrutura", o "GT de Lixos e Resíduos", o "GT de comunicação" e o "GT de Financiamento Coletivo", responsável pelos estudos e elaboração inicial dessa campanha! 

 

Feira se insere num projeto maior da Associação Nacional do Reggae - Portal Ras, que busca revitalizar o espaço do Viveiro II do Butantã e promover o acesso democrático e gratuito a essa área verde, com vistas à melhoria da qualidade de vida para toda a população, retomando sua função social.

 

        

 

Além disso, a feira integra a Rede de Economia Solidária e Feminista (RESF), uma rede de amplitude nacional que articula e fortalece produtoras de Economia Solidária nas diversas regiões do Brasil. 

Participam da organização da Feira Agroecológica e Cultural de Mulheres no Butantã as seguintes instituições:

Associação Nacional Reggae - Portal Ras, Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares da USP (ITCP-USP), Núcleo de Economia Solidária da USP (NESOL-USP) e Rede de Economia Solidária e Feminista (RESF). 

 

Associação Nacional Reggae, Arte e Social - Portal RAS ainda não publicou nenhuma notícia.

Feira Agroecológica e Cultural de Mulheres no Butantã

Somos uma rede de produtoras que organiza uma feira agroecológica mensalmente no bairro do Butantã (SP) desde dezembro de 2017. Temos como objetivo a comercialização direta de produtos agroecológicos e artesanais, ocupando um espaço público verde e promovendo atividades culturais abertas à população. Fomentamos os princípios do consumo responsável, comércio justo, agroecologia, economia solidária, fortalecimento e valorização do trabalho feminino.

Nossa feira conta com mais de 50 mulheres expositoras, das mais diversas regiões de São Paulo e de outros estados. Valorizamos todo tipo de diversidade e queremos promover cada vez mais a inclusão e acessibilidade de mulheres para compor esse coletivo e se fortalecer individualmente.

Dentre os produtos e serviços que são oferecidos estão produtos frescos, processados, alimentos preparados, biocosméticos, artesanato, costura, higiene pessoal, jardinagem e terapias.

Através da ocupação de uma área verde - Viveiro II do Butantã - realizamos um trabalho de educação e conscientização ambiental, por meio do plantio de mudas, mutirões de limpeza do espaço, informação sobre descarte de lixo e resíduos, entre outras ações. 

Além de fortalecer a geração de renda de mulheres produtoras, a Feira também promove a democratização do acesso da população a alimentos orgânicos e agroecológicos e artesanatos de qualidade a preços justos. Além disso, à cada edição, a Feira conta com uma programação cultural e artística gratuita e aberta ao público, com oficinas, apresentação musical, roda de capoeira, aula de Yoga e um espaço lúdico para as crianças. A programação cultural do evento é pensada para valorizar e fortalecer o trabalho de mulheres artistas. 

Para possibilitar a participação de mulheres na feira e a inclusão de qualquer tipo de público frequentador, realizamos também um trabalho com as crianças, que chamamos de Ciranda, em que as crianças são acolhidas pela cirandeira, que realiza diversos tipos de atividades lúdicas e culturais com elas. Isso é muito importante para as mulheres produtoras, já que o trabalho de cuidar dos filhos normalmente as impossibilita de realizar outros trabalhos que possam gerar renda. A ciranda também é importante para os pais que frequentam a feira, tornando-a um ambiente familiar e agradável.

             

 

Buscamos a autonomia econômica através da viabilidade financeira, para podermos nos autossustentar a longo prazo e garantir nossa autogestão, dando continuidade à promoção dessa feira, que gera benefícios tanto para as mulheres que dela participam, quanto para o público que a frequenta.

Organização através da Autogestão

Um dos pilares da Feira Agroecológica e Cultural de Mulheres no Butantã é nossa auto-organização através dos princípios da autogestão. Acreditamos que todas nós, mulheres que compõem a rede de produtoras da Feira, somos responsáveis pela criação, elaboração e execução desse projeto, por meio de diferentes frentes de atuação. A feira conta com um núcleo de 5 mulheres que trabalham diretamente na coordenação do projeto, que se organizam através de reuniões semanais. Além disso, as expositoras e as coordenadoras se encontram uma vez ao mês para a realização da Reunião de Gestão Coletiva da Feira onde são discutidos assuntos pertinentes ao coletivo, como a entrada de novas expositoras, nossa carta de princípios, nossos objetivos a longo prazo, soluções para impasses e dificuldades que surgem ao longo do caminho, etc. Por fim, realizamos uma vez por semestre nosso Encontro de Planejamento, ocasião em que dispomos de 2 dias para construir e refletir com mais profundidade questões relativas à Feira. Paralelamente, também criamos Grupos de Trabalho (GT's) sobre temas específicos dos quais participam expositoras e coordenadoras. Os GT's  abordam aspectos específicos e pontuais da feira, como o "GT de Infraestrutura", o "GT de Lixos e Resíduos", o "GT de comunicação" e o "GT de Financiamento Coletivo", responsável pelos estudos e elaboração inicial dessa campanha! 

 

Feira se insere num projeto maior da Associação Nacional do Reggae - Portal Ras, que busca revitalizar o espaço do Viveiro II do Butantã e promover o acesso democrático e gratuito a essa área verde, com vistas à melhoria da qualidade de vida para toda a população, retomando sua função social.

 

        

 

Além disso, a feira integra a Rede de Economia Solidária e Feminista (RESF), uma rede de amplitude nacional que articula e fortalece produtoras de Economia Solidária nas diversas regiões do Brasil. 

Participam da organização da Feira Agroecológica e Cultural de Mulheres no Butantã as seguintes instituições:

Associação Nacional Reggae - Portal Ras, Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares da USP (ITCP-USP), Núcleo de Economia Solidária da USP (NESOL-USP) e Rede de Economia Solidária e Feminista (RESF). 

 

Associação Nacional Reggae, Arte e Social - Portal RAS ainda não publicou nenhuma notícia.