Justiça para Arthur |

Justiça para Arthur

Arthur vem vencendo todos os prognósticos até o dia de hoje. Um menino amado, que foi vítima de uma tragédia causada por negligência médica no parto.

Projeto por: Natalia Kochem Bittencourt
R$ 18.010,00
arrecadado
meta R$ 20.000,00

186
benfeitores

90%
arrecadado

30
horas restantes

A primeira meta foi batida! O projeto será realizado, mas a arrecadação continua até 24/05/2019 - 23:59

POR

Natalia Kochem Bittencourt

Natalia Kochem Bittencourt

R$ 15
Justiça para Arthur
12 benfeitores apoiando
Esta recompensa é para quem quer colaborar para a justiça e luta por socorro médico adequado nos hospitais, mas não está podendo contribuir muito. Mesmo assim seu apoio é fundamental e seu nome constará em um post na página da campanha no facebook com nosso SUPER AGRADECIMENTO por fazer parte deste momento tão importante para nós.
R$ 30
Você na decoração de nossa casinha
23 benfeitores apoiando
Com esta colaboração seu nome será escrito À MÃO EM UM QUADRO que estará sempre em destaque na nossa casa. Para tirarmos fotos juntos a cada visita, para celebrar com arte e caligrafia cada amigo que fez parte e nos deu força nesta grande luta. Seu nome também constará em um post na página da campanha no facebook com nosso SUPER AGRADECIMENTO virtual. Mas teremos uma lembrança de seu amor sempre em nossa casinha.
R$ 50
Caneca oficial da campanha
50 benfeitores apoiando
Esta é para quem gosta de fazer o bem e tomar um chá e cafézinho gostoso. Com essa recompensa você ganha uma CANECA DE PORCELANA exclusiva da campanha feita com carinho. Nela terá uma ilustração bem colorida de Arthur e a frase: "#justicaparaarthur - eu apoiei". Seu nome também constará em um post na página da campanha no facebook com nosso SUPER AGRADECIMENTO virtual e seu nome será escrito no nosso quadro de apoiadores da campanha.
R$ 70
Ilustração - Cada florescer é único
24 benfeitores apoiando
Esta recompensa será totalmente personalizada. Cada apoiador receberá uma aquarela única, original de uma flor surpresa. Esta ilustração será feita à mão em aquarela, em papel tamanho A5. Feitas exclusivamente para esta campanha, as ilustrações pertencerão a uma série que chamaremos de "cada florescer é único". Cada um de nós é único, e a série vai tentar abordar de uma forma simples, delicada e singular a multiplicidade de beleza e vida que há no mundo, tendo essa corrente de apoio que tanto precisamos hoje, e cada um de vocês, como inspiração. Cada apoiador desta recompensa receberá, além do super agradecimento e nome no quadro, a ilustração de uma FLOR SURPRESA, ÚNICA e feita especialmente para vocêl!! Quanto mais apoiadores nesta recompensa, mais flores serão desenhadas. Esta recompensa será INESQUECÍVEL para mim, que farei uma a uma e mal posso esperar para homenagear cada apoiador com sua flor!!!!!!! Qual será a sua? * Entrega por correios
R$ 80
Camiseta oficial da campanha
11 benfeitores apoiando
Esta é para quem quer vestir a camisa dessa luta. Com essa recompensa você ganha uma CAMISETA exclusiva da campanha feita com carinho. Nela terá uma ilustração bem colorida de Arthur e a frase: "#justicaparaarthur - eu apoiei". Seu nome também constará em um post na página da campanha no facebook com nosso SUPER AGRADECIMENTO virtual e seu nome será escrito no nosso quadro de apoiadores da campanha. * Escolha P, M, G ou GG.
R$ 90
Aula Particular de Desenho
3 benfeitores apoiando
Quer estimular o talento do seu filho? Tem um mini artista em casa que pinta suas paredes com canetinha? Eu te entendo e eu já fui essa criança. Nesta recompensa você ganha AULAS DE DESENHO para crianças de qualquer idade. Até 4 horas de aula particular podendo ser divididas em 4 aulas com duração de 1 hora cada. * Aulas para crianças restritas à cidade de Petrópolis. Mas e se você for um adulto querendo aprimorar suas técnicas à mão, com acrílica ou aquarela ou mesmo no lápis, na prática. Ou se gosta de usar o computador, quer entender melhor de ilustração vetorial, ou pintura digital. Conte comigo. Nesta recompensa você ganha AULAS DE DESENHO particular, com necessidades adaptadas à sua demanda. Até 4 horas de aula particular podendo ser divididas em 4 aulas com duração de 1 hora cada. * Aulas particulares presenciais restritas à cidade de Petrópolis ou podendo ocorrer por meios virtuais caso o aluno more em outra cidade. Combinamos para dar certo.
R$ 100
Retrato 1 pessoa
29 benfeitores apoiando
Ideal para presentear aquela pessoa especial ou investir na própria auto-estima com um retrato delicado ou coloridão. Também aceitamos encomendas para retratos de seu animal de estimação. Há dois perfis de retratos que serão em papel tamanho A4. 1 - RETRATO em ilustração digital - Vibrante, intenso e forte. 2 - RETRATO em ilustração aquarela - Romântico, afável e delicado. Cada apoiador desta recompensa receberá uma ilustração única, a sua escolha, após contato por email para recebimento de fotos da pessoa a ser retratada. Um exemplo do perfil das ilustrações estão bem aqui no site da campanha e serão compartilhadas pelo facebook. Seu nome também constará em um post na página da campanha no facebook com nosso SUPER AGRADECIMENTO virtual e seu nome será escrito no nosso quadro de apoiadores da campanha. * Entrega por correios * Entrega virtual * Não inclui moldura

18 disponíveis.
R$ 150
Retrato 2 pessoas
12 benfeitores apoiando
Ideal para dar de presente para seu amor e colorir a construção de uma vida juntos. Também é lindo para mães e pais com seus filhos, um tema que sempre me foi super querido. Há dois perfis de retratos que serão em papel tamanho A4. 1 - RETRATO em ilustração digital - Vibrante, intenso e forte. 2 - RETRATO em ilustração aquarela - Romântico, afável e delicado. Cada apoiador desta recompensa receberá uma ilustração única, a sua escolha, após contato por email para recebimento de fotos das pessoas a serem retratadas. Um exemplo do perfil das ilustrações estão bem aqui no site da campanha e serão compartilhadas pelo facebook. Seu nome também constará em um post na página da campanha no facebook com nosso SUPER AGRADECIMENTO virtual e seu nome será escrito no nosso quadro de apoiadores da campanha. * Entrega por correios * Entrega virtual * Não inclui moldura

36 disponíveis.
R$ 300
Retrato Família
11 benfeitores apoiando
Ideal para homenagear sua família. Quanto mais melhor!!! Bagunça, alegria e gratidão. Nossa família merece celebração. Lembrando que nossos amigos também são família. Onde há amor está nossa família. Há dois perfis de retratos que serão em papel tamanho A3 (maior). 1 - RETRATO em ilustração digital - Vibrante, intenso e forte. 2 - RETRATO em ilustração aquarela - Romântico, afável e delicado. Cada apoiador desta recompensa receberá uma ilustração única, a sua escolha, após contato por email para recebimento de fotos das pessoas a serem retratadas. Um exemplo das ilustrações estão bem aqui no site da campanha e serão compartilhadas pelo facebook. Seu nome também constará em um post na página da campanha no facebook com nosso SUPER AGRADECIMENTO virtual e seu nome será escrito no nosso quadro de apoiadores da campanha. * Entrega por correios * Entrega virtual * Não inclui moldura

14 disponíveis.
R$ 500
Aula aberta ou Workshop de Desenho
1 benfeitor apoiando
AULA DE DESENHO para crianças ou adultos. Até 4 horas de aula para até 20 participantes. As aulas incluirão uma apresentação de introdução aos principios básicos, prática orientada de desenho de natureza morta e a conclusão da aula será a presença de um modelo vivo para os participantes praticarem os conceitos trabalhados. ou WORKSHOP DE DESENHO para eventos, feiras, festas ou exposições. Até 4 horas de evento. Conversando com os apoiadores, definiremos juntos as expectativas de um workshop, oficina ou recreação. Poderemos contar com uma oficina com modelos-vivos em práticas de desenho coletivas dentro do evento. Também podemos propor a feitura de retratos "fastwork" dos convidados do evento, em caso de aniversários e casamentos. Traga sua idéia e pensaremos algo bem legal juntos. Seu nome também constará em um post na página da campanha no facebook com nosso SUPER AGRADECIMENTO virtual e seu nome será escrito no nosso quadro de apoiadores da campanha. * Local da Aula ou Evento deverá ser preparado pelo apoiador, mas me coloco à disposição para orientações do que será necessário. * Contrato dos modelos vivos por minha conta. Materiais dos alunos por conta do apoiador ou dos próprios participantes. (lápis, cadernos, canetas, etc) * As aulas valem para o estado do Rio de Janeiro. * Para outros estados e cidades os custos de transporte devem ser combinados e por conta do apoiador.

9 disponíveis.
R$ 800
Logo e Identitade Visual
Seja o primeiro a apoiar!
Esta recompensa é para quem tem aquele projeto que deseja empreender e precisa de ajuda na criação de uma identidade visual. Com esta recompensa você terá minha ajuda para CRIAR UMA IDENTIDADE VISUAL única e personalizada. Te ajudarei na criação ou revisão de forma pessoal e exclusiva de sua logo, cartão de visitas, papel timbrado, assinaturas digitais e marcas d`água. Também será entregue um manual de fontes utilizadas e a paleta de cores recomendada para o seu empreendimento. Aproveite as boas energias de fazer algo bom e dar esse pontapé inicial em seu projeto. Seu nome e/ou o nome da empresa também constará em um post na página da campanha no facebook com nosso SUPER AGRADECIMENTO virtual e seu nome será escrito no nosso quadro de apoiadores da campanha. O agradecimento será feito ANTES da entrega e aprovação da identidade visual e também DEPOIS. Assim também podemos te ajudar a impulsionar o conhecimento de sua marca. * Entrega digital

10 disponíveis.
R$ 900
Ilustração para livro
1 benfeitor apoiando
Tem o sonho de escrever um livro? Tem o sonho de escrever muitos livros? Quer a ajuda de alguém para dar cor e forma a essas idéias através da ilustração? Então conta comigo que nesta recompensa vou incluir capa, contra-capa e até 20 páginas. Não dá para perder. Com esta recompensa VAMOS FAZER A ILUSTRAÇÃO DO SEU LIVRO JUNTOS. Seu nome também constará em um post na página da campanha no facebook com nosso agradecimento virtual e seu nome será escrito no nosso quadro de apoiadores da campanha. Também queremos apoiar você e faremos um SUPER AGRADECIMENTO na página da campanha, após a conclusão da arte do seu livro, para te ajudar de todas as formas possíveis ao nosso alcance. *Entrega virtual

4 disponíveis.
R$ 1.000
Consultoria em Arquitetura de Interiores
Seja o primeiro a apoiar!
Sabe aquela reforma que você quer muito fazer mas não sabe por onde começar? Não sabe se sua sala vai ficar mais bonita com sancas e que tipos de pisos e móveis escolher para ter o resultado que deseja? Não faz ideia do quanto isso custaria? Tem algum problema de infiltração ou mofo, piso desgastado ou apenas gostaria de melhorar o seu lar? Com esta recompensa você ganha uma CONSULTORIA PROFISSIONAL para te ajudar a visualizar suas escolhas, materiais e conferir se os procedimentos para o reparo ou reforma estão corretos, bem como receberá uma planinha com estimativa de orçamento. As consultas envolverão 1 visita*, levantamento de área, definição das necessidades, anteprojeto para até 100m2 e orientações. * As visitas valem para o estado do Rio de Janeiro. * Para outros estados e cidades a visita será por conta do apoiador ou feita de forma remota por video-conferência. Seu nome também constará em um post na página da campanha no facebook com nosso SUPER AGRADECIMENTO virtual e seu nome será escrito no nosso quadro de apoiadores da campanha.

4 disponíveis.

Arthur é um menino de 5 anos de idade, sorridente, amável e sensível que lutou contra a morte muitas vezes. Para que os responsáveis pelo dano causado a Arthur respondam por suas ações e reavaliem suas práticas e posturas futuras, contratamos uma perícia médica assistente especialista e buscamos acompanhamentos médicos, cujos custos são superiores às nossas atuais condições. Precisamos de ajuda.

JUSTIÇA PARA ARTHUR

Arthur é uma criança alegre. Extremamente sensível, carismática, inteligente. Arthur adora música, passeios e a companhia de outras crianças. Arthur poderia estar correndo, subindo em árvores, fazendo bagunça e chamando por meu nome todos os dias. Mas infelizmente este não é o caso.

Não há expectativas de que Arthur vá caminhar sem auxílio de equipamentos específicos para locomoção. Não há expectativas de que ele possa falar, mas vemos que ele se esforça para se comunicar como pode. Não há expectativa de que possa se alimentar sozinho e com isso depende de cuidados 24hrs. Mas o que vemos é que Arthur é doce, carinhoso, sensível e curioso. Arthur tem seu jeito de estar no mundo, mesmo o mundo tendo o recebido tão duramente.

Tudo começou no parto.

Ao nascer Arthur não respirou, e ao invés de ser socorrido imediatamente, não recebeu o atendimento necessário em reanimação neonatal.

Arthur teve uma lesão cerebral grave devido à falta de oxigênio, comprometendo para sempre o seu desenvolvimento. Arthur tem paralisia cerebral grau V e um tipo grave de epilepsia - síndrome de West, e a cada ano que passa, compreendemos que apesar de nossos esforços, otimismo e da dedicação do próprio Arthur, seu corpinho oferece a ele inúmeras dificuldades de controle motor. As crises epilépticas, apesar dos muitos remédios, ainda são diárias e intensas. Seu prognóstico era de apenas dois anos de vida, mas Artur está aqui com a gente até hoje enfrentando inúmeros desafios diariamente graças ao esforço da família e de toda uma equipe multidisciplinar de médicos e terapeutas dedicados.

Eu, Natália, mãe de Arthur, venho até vocês pois precisamos dar um passo importante na busca de justiça para que Arthur tenha estrutura para ter uma vida confortável e possa se desenvolver da melhor forma possível. Arthur e eu sofremos um grave erro médico no parto e este projeto é um pedido de ajuda para amigos, familiares e todos que se sintam tocados por esta  campanha, para que os responsáveis pela negligência médica sofrida por ele, respondam de forma devida sobre o ocorrido.

Por perceber que o assunto precisa ser avaliado com grande responsabilidade e atenção, buscamos o acompanhamento de médicos especializados e contratamos uma perícia assitente técnica especialista em obstetrícia e atendimento no parto, que avaliou cuidadosa e criteriosamente todos os documentos de seu prontuário e nos esclareceu quanto ao ocorrido, através de vasto domínio da literatura médica necessária. Entretanto seus honorários são bem superiores à nossas atuais condições financeiras. Dessa forma pedimos ajuda para arcar com estes custos. 

Também consideramos importante para a sociedade, a ampla divulgação das técnicas corretas de reanimação neonatal. Mães e bebês precisam ter segurança e direito a um socorro médico adequado nos hospitais. E é urgente que não seja estabelecido precedente jurídico de desrespeito às práticas de reanimação neonatal vigentes, recomendadas pelas instituições competentes. Isto foi catastrófico em nossa vida e isto seria catastrófico para a sociedade médica e civil.

Precisamos que os responsáveis pela negligência e imperícia no socorro de Arthur no parto, respondam por suas ações. Que reavaliem suas práticas e posturas futuras.

Que mais nenhuma criança, que mais nenhuma família sofra o que sofremos.

Dessa forma decidimos pegar a pior coisa que já aconteceu na nossa vida e tentar transformar isso em algo bom. Algo útil. Para mim, para Arthur e para a sociedade. Acredito, de coração, que ajudar a sociedade a melhorar faz parte da missão de meu filho. Precisamos então seguir em frente e proteger outras famílias.

Sozinha não é possível! Quero poder contar com a ajuda de todos em troca de meus trabalhos como ilustradora e arquiteta. Então pensei com muito amor cada recompensa oferecida aqui nesta campanha. Quero retribuir cada gesto de carinho conosco com muita arte e com muito amor, pois assim é Arthur e assim é nossa vida.

 

JUSTIÇA PARA ARTHUR - AS RECOMPENSAS

 

Temos muitas opções lindas. Escolham aqui ao lado a sua!!

 

 

CUSTOS DE CADA META

Acreditamos que com infraestrutura e educação, temos bases sólidas para a construção de uma sociedade mais justa e gentil. 

A principal meta é o pagamento dos honorários de perícia judicial especialista assitente e manter o acompanhamento às consultas médicas. Pois Arthur merece principalmente justiça. 

Se superarmos a primeira meta, o valor será usado para trazer um pouco de qualidade de vida para Arthur, obras de adaptações em casa, rampas e maior qualidade de vida de forma mais urgente, uma vez que o processo já dura 4 anos sem qualquer mínima reparação.

A terceira meta é filantrópica e o valor será revertido para patronicio de cursos de reanimação neonatal e especialização para estudantes e jovens profissionais.

 

ENTENDENDO O QUE ACONTECEU COM ARTHUR

Após uma gravidez perfeita, em plena saúde. Roupinhas separadas, quartinho arrumado. Nove meses completos. Exames e acompanhamento pontual. Exames genéticos perfeitos. 

Até hoje é difícil relembrar este dia e saber que tudo poderia ser diferente se Arthur fosse socorrido da forma correta e com rapidez.

Segue abaixo o que ocorreu no dia em que Arthur nasceu, com a anotação das provas documentais, que coloco à disposição de todos que requisitarem. Dizem seus médicos que Arthur só sobreviveu porque era MUITO forte.

_ No dia 25/08/2013, por volta das 10:15hs, Natália sente a primeira contração do início de seu trabalho de parto. Já às 11:20hrs, Natália se encontra no HOSPITAL e contrata os serviços da maternidade. * conforme BOLETIM DE INTERNAÇÃO página 520

_ Natália chega ao Hospital com bolsa íntegra acompanhada da doula D. S. e da obstetra, G. A. que monitoram os batimentos cardíacos do bebê e o desenvolvimento do parto com aparelhos próprios e pedem o acompanhamento dos demais médicos necessários à sala de parto: pediatras, enfermeiros e anestesistas. * conforme RESUMO pagina 523 e ANOTAÇÃO ENFERMAGEM página 541

_ Vale ressaltar que é obrigatória a presença destes médicos na sala de parto * conforme Conselho Federal de Medicina e Conselho Regional de Medicina:
            1) A unidade que se propõe a realizar partos, está obrigada a garantir a presença do pediatra
            na sala, ficando tal responsabilidade a cargo do seu Diretor Técnico/Clínico, que responderá
            eticamente pela omissão. (Resolução CFM n. 1342/91).
            2) “Considerando a imprevisibilidade das condições de nascimento do neonato, a presença
            do neonatologista ou do pediatra na sala do parto ou cesárea é imprescindível. A assistência
            pediátrica quando da ocorrência de partos, também se impõe pelos ditames éticos vigentes.
            (PARECER CRM/MS 18/2011; PROCESSO CONSULTA CRM-MS Nº 14/2011)“

_Natália é acomodada em uma sala de parto. No ato de internação se cumpre a assinatura de documento, onde se consente “Parto Normal, Cesariana, Anestesia ou demais procedimentos médicos” * conforme TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO, página 521

_ Natália atinge 8cm de dilatação às 13:40 DA TARDE, conforme anotado pela Anestesista C. L. no documento AVALIAÇÃO ANESTÉSICA pagina 528, transcritos aqui: “Solicitada analgesia de parto às 13:40 para período expulsivo – dilatação no momento de 8cm – pela equipe. Todo o trabalho de parto acompanhado com ausculta fetal pela equipe, mantendo padrão normal em toda sua evolução.”

_Nenhum PEDIATRA SE APRESENTA à sala de parto por mais de 8 horas.

_A pediatra A.T. chega ao seu plantão às 19:30 e apenas depois disso se apresenta à sala de parto. *conforme RELATO NEONATOLOGISTA, página 359

_A médica pediatra responsável A. T não buscou assegurar nenhuma condição para uma prática bem sucedida do atendimento, como chegar com antecedência, ligar aparelhos, pedir informações à equipe e se preparar para possíveis intercorrências, não havendo sequer preparado o kit de reanimação. Cuja menção é nula. *conforme RELATO DA NEONATOLOGIA páginas 359, 360, 361

 _Arthur nasce às 19:50. Por parto vaginal e vai imediatamente para a UCR da neonatologista. A obstetra identifica que ele precisa de intervenções médicas imediatas pois, apesar de ter frequência cardíaca acima de 100bps, o parto é seguido de mecônio fluido e Arthur não chora/respira. A neonatologista A. T. escreve que Arthur foi "entregue" a ela, após 3 minutos sob responsabilidade da obstetra. A obstetra garante que Arthur foi entregue imediatamente, assim como sua mãe. De qualquer forma, o socorro demoraria mais 5 minutos, totalizando então cerca de 8 minutos sem respirar. *conforme FOLHAS DE ADMISSÃO MÉDICA página 288 e 290 e RELATO página 359, havendo discordância entre o relato da neonatologista e da obstetra.

_O PROTOCOLO DE REANIMAÇÃO PRATICADO: A médica A. T. assim que recebe Arthur, anota bpm maior que 100 e oferece oxigênio pela máscara e inicia a VPP sem antes desobstruir as vias aéreas. Manda buscar um kit de reanimação em outra sala. O tempo passa e Arthur que nasceu com batimentos acima de 100bps ainda está sem respirar, aguardando o kit. Mesmo após chegada do kit de reanimação, após 2/3 minutos, a médica A. T. se recusa fazer a verificação da permeabilidade das vias aéreas - posicionando a cabeça, aspirando secreções e mantendo a boca aberta. A médica continua com a máscara na UCR e anota o feito por vários minutos ressaltando que ele não respirava. Passaram vários minutos sem Arthur respirar e a médica dizia apenas "Anota aí que está sem drive", para uma enfermeira. Passaram então mais 5 minutos sem estabilização. O recomendado, para evitar lesão cerebral por hipóxia, é estabilizar o bebê dentro de no máximo 1 minuto (GOLDEN MINUTE). Apenas após passados 5 minutos sem respirar a médica decide intubar. Antes de intubar, entretanto, a médica insistiu em não fazer a verificação da permeabilidade das vias aéreas e não aspirou ou desbloqueou as vias. *conforme RELATO DA NEONATOLOGIA páginas 359, 360, 361

_A médica entrega o recém nascido à UTI Neonatal após intubação ainda em estado grave, sem se mexer (hipoativo), roxo (cianótico) e com dificuldade respiratória (taquipneuco): “Recebo RN às 20:05h em TOT, hipoativo, hiporeativo, cianótico, anictérico, eupneico, digo, taquipneuco, normotenso.”. * conforme ADMISSÃO DA ENFERMAGEM página 437

_Por não ter tido suas vias aéreas desobstruídas, Arthur convulsiona na UTI, na primeira hora de vida pois o tubo é bloqueado por mecônio. O tubo é bloqueado novamente por mecônio pela madrugada na UTI, quando Arthur é então salvo pela fisioterapeuta S. V.. Arthur sofre inúmeras sequelas advindas desta falha na desobstrução das vias na sala de parto, precisando inclusive passar por cirurgia para drenar o mecônio do pulmão. Foi descoberto que foi causado pneumotórax e outras graves sequelas advindas  da falta prolongada de oxigênio. *conforme LISTA DE PROBLEMAS UTI NEONATAL, página 300.

_Vale ressaltar que cabe ao neonatologista, o socorro imediato do neonato. Não se explica a demora no socorro, a ausência de aspiração traqueal na presenta de LA Meconial ou a espera de mais cinco minutos estipulada pela médica, tendo Arthur nascido com APGAR 1 e necessitado de intervenção médica imediata *conforme CREMESP:
          1) O atendimento ao recém-nascido na sala de parto é um procedimento médico. Tal
           procedimento, na maioria das vezes, consiste numa simples aspiração de vias aéreas
         superiores e oxigenação.
As crianças que nascem ativas e respirando, Apgar acima de 7
           praticamente dispensam qualquer atitude mais ativa. Mas, pode acontecer o nascimento de
           crianças anóxias. Em tais situações, a ação é mais ativa. Implica em aspiração, oxigenação e,
           às vezes intubação e respiração assistida. Portanto, o ato é médico. O atendimento inicial
           cabe, logicamente, ao profissional mais habilitado a fazê-lo, ou seja, ao neonatologista. Na
           ausência deste, o próprio obstetra ou o anestesiologista deve assumir a missão.
           (Consulta nº69.955/01, PARECER CREMESP)

_Também podemos ressaltar que no procedimento de reanimação neonatal, segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria:
           1) Considera-se como falha se, após 30 segundos de VPP com máscara, o RN mantém 
         FC<100bpm ou não retoma respiração espontânea rítmica e regular.
            Nesse caso, verificar o ajuste entre face e máscara, a permeabilidade das vias aéreas
            (posicionando a cabeça, aspirando secreções e mantendo a boca aberta)
         E a pressão inspiratória, corrigindo o que for necessário. (...) Se o paciente
            após a correção da técnica de ventilação, não melhorar
            está indicado o uso da cânula traqueal como interface para a VPP.

_Arthur nasce precisando de intervenção médica imediata, precisando do protocolo descrito acima, onde se precisa estabilizar o recém nascido e garantir a respiração ou intubação em até 1 minuto, mas a médica e o hospital assumem que intervieram minimamente em socorro à Arthur. Confessam que no parto que julgavam estar ocorrendo "As intervenções médicas são mínimas". *conforme sua CONTESTAÇÃO página 236.

_AS SEQUELAS DO ERRO NA REANIMAÇÃO NEONATAL E HIPÓXIA PROLONGADA PELA MÉDICA:

página 437 – Admissão da Enfermagem: “RN admitido no setor às 20:05h, proveniente do CCO, por apresentar asfixia neonatal. Recebo RN em TOT, hipoativo, hiporeativo, cianótico, anictérico, eupneico, digo, taquipneuco, normotenso. Realizado SOG em sifonagem, cateterismo arterial e venoso e vesical de demora. Realizando protocolo de hipotermia. Segue aos cuidados da enfermagem. “ L. G., Enfermeira. Em 25/08/13 
 página 300 - Lista de problemas UTI NEONATAL: “25/08 - Apresentou ↓(baixa) saturação com braquicardia – trocado TOT (com rolha de mecônio). Apresentou crise convulsiva.” J. C., Pediatra. Em 25/08/13.
 página 348 – Evolução do Paciente: “RN internado por asfixia perinatal e aspiração de mecônio. Hoje, pela madrugada, RN com obstrução de TOT por mecônio. Trocado TOT (...)” por S. V., Fisioterapeuta. Em 25/08/13.
página 326 – Parecer de especialista: “Paciente evolui com Pneumotórax após o nascimento. Procedimento Toracostomia com drenagem fechada, sem intercorrências.” M. R. M., Cirurgião. Em 25/08/13.
página 327 – Parecer do especialista: “Exame com Encefalopatia Hipóxico-Isquemica, com sinais indiretos de Edema Cerebral. Fluxo sanguíneo Irregular e Diminuído.” Grupo Neonatal e Pediátrico LTDA. Em 26/08/13.
 página 332 – Parecer de especialista: “Paciente com asfixia grave, ainda em hipotermia e solicitado avaliação cardiológica (...) VD ainda muito dilatado e com Insuficiência triscúspide. Mantendo disfunção ventricular moderada. Canal arterial fechado. Ainda com sinais de hipertensão pulmonar.” S. R., Cardiologista. Em 28/08/13
 página 291 – Sumário de Alta da UTI: “Complicações: Pneumotórax à esquerda em 25/08: Realizado drenagem cirúrgica. Obstrução do tubo orotraqueal por mecônio em 25/08/13. Realizado troca do tubo sem intercorrências.” Retirado do Sumário de Alta da UTI neonatal.
 página 337 – Parecer neurológico: “Paciente com história de asfixia aguda e convulsão nas primeiras 24 horas de vida. Completou protocolo de hipotermia, com segundo EEG com média voltagem. Postura no leito com movimentos desorganizados, sem propósito, pouco contato visual, hipotonia difusa, hiperreflexiva, mão corticais, além de incoordenação de sucção. Sem convulsão, em uso de Fenobarbital 3mg/Kg. Impressão Evidências de Encefalopatia Difusa.” E. Z., em 06/09/13.

 página 45 – RELATÓRIO DO NEUROLOGISTA: “O menor Arthur (...) apresenta epilepsia focal e atraso psicomotor secundários a asfixia perinatal, com crises diárias frequentes resistente ao tratamento medicamentoso (...)Diagnóstico: Encefalopatia crônica da infância (paralisia cerebral) e crises convulsivas“ E. F., em 07/02/18
 página 49 – RELATÓRIO DO PEDIATRA: “Declaro para os devidos fins que Arthur K. B. é portador de Laringomalácia grau II e Sindrome de West, em decorrência de asfixia perinatal e síndrome de aspiração meconial. (...)” R. F., em 08/05/15.

 

PARTO HUMANIZADO = INTERVENÇÕES MÉDICAS MÍNIMAS?

Notamos que a tragédia que vitimou meu filho aconteceu por um pressuposto de que quem está realizando um parto humanizado em um hospital não tem direito ao socorro médico imediato. A literatura médica discorda das alegações dos responsáveis. Pois quando ocorre a necessidade de intervenção médica, esta é obrigatória sem discriminação.

Natália estava em um hospital, contratando seus serviços justamente por confiar na rapidez e garantia de socorro imediato em caso de necessidade.  Todo parto precisa ser seguro para mãe e bebê. 

Arthur nasce com batimentos cardíacos fortes, entretanto precisando de intervenção médica imediata, uma vez que nasceu e não respirou, mas a neonatologista e o hospital assumem que intervieram minimamente em socorro à Arthur. “Vale sublinhar que no parto humanizado as intervenções médicas são mínimas, (...)” *conforme sua CONTESTAÇÃO página 236.

Ressaltam então, em sua defesa, que ao se deparar com uma criança sem respirar, agiram ali de forma mínima e não imediata... 

Arthur foi dessa forma, uma vítima inocente da presunção da médica A. T.  acerca do que se configura um parto humanizado diferenciando-o de outros partos quanto à rapidez da intervenção em casos de intercorrências e de reanimação neonatal. O Hospital confessa a omissão e apóia a negligência da médica, confirmando que em sua instituição partos humanizados, diferente de outros partos, mesmo em face de um problema, devem receber intervenções médicas mínimas.

Em um processo que visa reparar negligência e falha médica no socorro à uma criança, com graves consequências, diz o hospital: “Vale sublinhar que no parto humanizado as intervenções médicas são mínimas, (...)”. Assim sendo, comprovadamente através dos documentos, a médica não apenas não acompanhou o trabalho de parto e não agiu de forma imediata e correta em socorro da criança, agindo, MINIMAMENTE. Mas o fez de forma racional... 

É revoltante pois podia ser diferente.

Segundo essa postura, fosse então outro parto, Arthur seria salvo? 

 

PROCEDIMENTO CORRETO DE REANIMAÇÃO NEONATAL

Não é ético diferenciar tipos de parto. Quando surge um problema médico, há protocolos que devem ser seguidos ou o paciente será lesionado ou morrerá.

Para esclarecimento, quando da reanimação em sala de parto e dos procedimento corretos, a mais importante  instituição no assunto, o Programa de Reanimação Neonatal da Sociedade Brasileira de Pediatria e o International Liaison Committee on Resuscitation, estipulam:

"Durante a VPP, observar a adaptação da máscara à face, a permeabilidade das vias aéreas e a expansibilidade pulmonar. A ventilação com máscara não é um procedimento simples, havendo dificuldade do profissional que reanima o RN se assegurar de que o volume corrente está adequado, pois, são frequentes o escape de gás de grande magnitude entre face e máscara e a obstrução de vias aéreas. O profissional de saúde deve ser capaz de detectar e corrigir essas falhas de modo rápido. Portanto, a verificação contínua da técnica da ventilação, com ênfase no ajuste adequado entre face e máscara, permeabilidade das vias aéreas e uso de pressão adequada (não insuficiente nem excessiva) é crítica para o sucesso da reanimação. Com o início da VPP com máscara facial, é preciso monitorar a FC, a respiração e a SatO2. O indicador mais importante de que a VPP está sendo efetiva é o aumento da FC. A ventilação efetiva deve provocar inicialmente a elevação da FC e, depois, o estabelecimento da respiração espontânea. (...) Considera-se como falha se, após 30 segundos de VPP com máscara, o RN mantém FC <100 bpm ou não retoma a respiração espontânea rítmica e regular. Nesse caso, verificar o ajuste entre face e máscara, a permeabilidade das vias aéreas (posicionando a cabeça, aspirando secreções e mantendo a boca aberta) e a pressão inspiratória, corrigindo o que for necessário. (...) Se o paciente, após a correção da técnica da ventilação, não melhorar está indicado o uso da cânula traqueal como interface para a VPP. As indicações de ventilação através de cânula traqueal em sala de parto incluem: ventilação com máscara facial não efetiva, ou seja, se após a correção de possíveis problemas técnicos, a FC permanece <100 bpm; ventilação com máscara facial prolongada, ou seja, se o paciente não retoma a respiração espontânea; e aplicação de massagem cardíaca. (...)  A indicação da intubação no processo de reanimação depende da habilidade e da experiência do profissional responsável pelo procedimento. (...) Em mãos menos experientes, existe um elevado risco de complicações como hipoxemia, apneia, bradicardia, pneumotórax, laceração de tecidos moles, perfuração de traqueia ou esôfago, além do risco de infecção. Cada tentativa de intubação deve durar, no máximo, 30 segundos." Reanimação do recém-nascido ≥34 semanas em sala de parto: Diretrizes 2016 da Sociedade Brasileira de Pediatria. (Texto disponível em www.sbp.com.br/reanimacao - Direitos Autorais SBP , páginas 14 e 15)

Desta forma, segundo toda a bibliografia estudada, o protocolo de reanimação executado em Arthur desrespeita a regulamentação e literatura médica sobre o assunto. Recomendações e normas criadas justamente para proteger os recém-nascidos. Arthur é um exemplo de como uma criança forte, a termo e saudável pode ser gravemente lesionada se os protocolos não são seguidos.

Vale ressaltar que a demora na estabilização do estado de saúde de qualquer criança APÓS O NASCIMENTO, não poderia fazer qualquer bem para o bebê. Essa irresponsabilidade não pode ser desculpada.

Precisamos que os responsáveis pela negligência e imperícia no socorro de Arthur no parto, respondam por suas ações. Que reavaliem suas práticas e posturas futuras.

Que mais nenhuma criança, que mais nenhuma família sofra o que sofremos.

 

Arthur é um menino de 5 anos de idade, sorridente, amável e sensível que lutou contra a morte muitas vezes. Para que os responsáveis pelo dano causado a Arthur respondam por suas ações e reavaliem suas práticas e posturas futuras, contratamos uma perícia médica assistente especialista e buscamos acompanhamentos médicos, cujos custos são superiores às nossas atuais condições. Precisamos de ajuda.

JUSTIÇA PARA ARTHUR

Arthur é uma criança alegre. Extremamente sensível, carismática, inteligente. Arthur adora música, passeios e a companhia de outras crianças. Arthur poderia estar correndo, subindo em árvores, fazendo bagunça e chamando por meu nome todos os dias. Mas infelizmente este não é o caso.

Não há expectativas de que Arthur vá caminhar sem auxílio de equipamentos específicos para locomoção. Não há expectativas de que ele possa falar, mas vemos que ele se esforça para se comunicar como pode. Não há expectativa de que possa se alimentar sozinho e com isso depende de cuidados 24hrs. Mas o que vemos é que Arthur é doce, carinhoso, sensível e curioso. Arthur tem seu jeito de estar no mundo, mesmo o mundo tendo o recebido tão duramente.

Tudo começou no parto.

Ao nascer Arthur não respirou, e ao invés de ser socorrido imediatamente, não recebeu o atendimento necessário em reanimação neonatal.

Arthur teve uma lesão cerebral grave devido à falta de oxigênio, comprometendo para sempre o seu desenvolvimento. Arthur tem paralisia cerebral grau V e um tipo grave de epilepsia - síndrome de West, e a cada ano que passa, compreendemos que apesar de nossos esforços, otimismo e da dedicação do próprio Arthur, seu corpinho oferece a ele inúmeras dificuldades de controle motor. As crises epilépticas, apesar dos muitos remédios, ainda são diárias e intensas. Seu prognóstico era de apenas dois anos de vida, mas Artur está aqui com a gente até hoje enfrentando inúmeros desafios diariamente graças ao esforço da família e de toda uma equipe multidisciplinar de médicos e terapeutas dedicados.

Eu, Natália, mãe de Arthur, venho até vocês pois precisamos dar um passo importante na busca de justiça para que Arthur tenha estrutura para ter uma vida confortável e possa se desenvolver da melhor forma possível. Arthur e eu sofremos um grave erro médico no parto e este projeto é um pedido de ajuda para amigos, familiares e todos que se sintam tocados por esta  campanha, para que os responsáveis pela negligência médica sofrida por ele, respondam de forma devida sobre o ocorrido.

Por perceber que o assunto precisa ser avaliado com grande responsabilidade e atenção, buscamos o acompanhamento de médicos especializados e contratamos uma perícia assitente técnica especialista em obstetrícia e atendimento no parto, que avaliou cuidadosa e criteriosamente todos os documentos de seu prontuário e nos esclareceu quanto ao ocorrido, através de vasto domínio da literatura médica necessária. Entretanto seus honorários são bem superiores à nossas atuais condições financeiras. Dessa forma pedimos ajuda para arcar com estes custos. 

Também consideramos importante para a sociedade, a ampla divulgação das técnicas corretas de reanimação neonatal. Mães e bebês precisam ter segurança e direito a um socorro médico adequado nos hospitais. E é urgente que não seja estabelecido precedente jurídico de desrespeito às práticas de reanimação neonatal vigentes, recomendadas pelas instituições competentes. Isto foi catastrófico em nossa vida e isto seria catastrófico para a sociedade médica e civil.

Precisamos que os responsáveis pela negligência e imperícia no socorro de Arthur no parto, respondam por suas ações. Que reavaliem suas práticas e posturas futuras.

Que mais nenhuma criança, que mais nenhuma família sofra o que sofremos.

Dessa forma decidimos pegar a pior coisa que já aconteceu na nossa vida e tentar transformar isso em algo bom. Algo útil. Para mim, para Arthur e para a sociedade. Acredito, de coração, que ajudar a sociedade a melhorar faz parte da missão de meu filho. Precisamos então seguir em frente e proteger outras famílias.

Sozinha não é possível! Quero poder contar com a ajuda de todos em troca de meus trabalhos como ilustradora e arquiteta. Então pensei com muito amor cada recompensa oferecida aqui nesta campanha. Quero retribuir cada gesto de carinho conosco com muita arte e com muito amor, pois assim é Arthur e assim é nossa vida.

 

JUSTIÇA PARA ARTHUR - AS RECOMPENSAS

 

Temos muitas opções lindas. Escolham aqui ao lado a sua!!

 

 

CUSTOS DE CADA META

Acreditamos que com infraestrutura e educação, temos bases sólidas para a construção de uma sociedade mais justa e gentil. 

A principal meta é o pagamento dos honorários de perícia judicial especialista assitente e manter o acompanhamento às consultas médicas. Pois Arthur merece principalmente justiça. 

Se superarmos a primeira meta, o valor será usado para trazer um pouco de qualidade de vida para Arthur, obras de adaptações em casa, rampas e maior qualidade de vida de forma mais urgente, uma vez que o processo já dura 4 anos sem qualquer mínima reparação.

A terceira meta é filantrópica e o valor será revertido para patronicio de cursos de reanimação neonatal e especialização para estudantes e jovens profissionais.

 

ENTENDENDO O QUE ACONTECEU COM ARTHUR

Após uma gravidez perfeita, em plena saúde. Roupinhas separadas, quartinho arrumado. Nove meses completos. Exames e acompanhamento pontual. Exames genéticos perfeitos. 

Até hoje é difícil relembrar este dia e saber que tudo poderia ser diferente se Arthur fosse socorrido da forma correta e com rapidez.

Segue abaixo o que ocorreu no dia em que Arthur nasceu, com a anotação das provas documentais, que coloco à disposição de todos que requisitarem. Dizem seus médicos que Arthur só sobreviveu porque era MUITO forte.

_ No dia 25/08/2013, por volta das 10:15hs, Natália sente a primeira contração do início de seu trabalho de parto. Já às 11:20hrs, Natália se encontra no HOSPITAL e contrata os serviços da maternidade. * conforme BOLETIM DE INTERNAÇÃO página 520

_ Natália chega ao Hospital com bolsa íntegra acompanhada da doula D. S. e da obstetra, G. A. que monitoram os batimentos cardíacos do bebê e o desenvolvimento do parto com aparelhos próprios e pedem o acompanhamento dos demais médicos necessários à sala de parto: pediatras, enfermeiros e anestesistas. * conforme RESUMO pagina 523 e ANOTAÇÃO ENFERMAGEM página 541

_ Vale ressaltar que é obrigatória a presença destes médicos na sala de parto * conforme Conselho Federal de Medicina e Conselho Regional de Medicina:
            1) A unidade que se propõe a realizar partos, está obrigada a garantir a presença do pediatra
            na sala, ficando tal responsabilidade a cargo do seu Diretor Técnico/Clínico, que responderá
            eticamente pela omissão. (Resolução CFM n. 1342/91).
            2) “Considerando a imprevisibilidade das condições de nascimento do neonato, a presença
            do neonatologista ou do pediatra na sala do parto ou cesárea é imprescindível. A assistência
            pediátrica quando da ocorrência de partos, também se impõe pelos ditames éticos vigentes.
            (PARECER CRM/MS 18/2011; PROCESSO CONSULTA CRM-MS Nº 14/2011)“

_Natália é acomodada em uma sala de parto. No ato de internação se cumpre a assinatura de documento, onde se consente “Parto Normal, Cesariana, Anestesia ou demais procedimentos médicos” * conforme TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO, página 521

_ Natália atinge 8cm de dilatação às 13:40 DA TARDE, conforme anotado pela Anestesista C. L. no documento AVALIAÇÃO ANESTÉSICA pagina 528, transcritos aqui: “Solicitada analgesia de parto às 13:40 para período expulsivo – dilatação no momento de 8cm – pela equipe. Todo o trabalho de parto acompanhado com ausculta fetal pela equipe, mantendo padrão normal em toda sua evolução.”

_Nenhum PEDIATRA SE APRESENTA à sala de parto por mais de 8 horas.

_A pediatra A.T. chega ao seu plantão às 19:30 e apenas depois disso se apresenta à sala de parto. *conforme RELATO NEONATOLOGISTA, página 359

_A médica pediatra responsável A. T não buscou assegurar nenhuma condição para uma prática bem sucedida do atendimento, como chegar com antecedência, ligar aparelhos, pedir informações à equipe e se preparar para possíveis intercorrências, não havendo sequer preparado o kit de reanimação. Cuja menção é nula. *conforme RELATO DA NEONATOLOGIA páginas 359, 360, 361

 _Arthur nasce às 19:50. Por parto vaginal e vai imediatamente para a UCR da neonatologista. A obstetra identifica que ele precisa de intervenções médicas imediatas pois, apesar de ter frequência cardíaca acima de 100bps, o parto é seguido de mecônio fluido e Arthur não chora/respira. A neonatologista A. T. escreve que Arthur foi "entregue" a ela, após 3 minutos sob responsabilidade da obstetra. A obstetra garante que Arthur foi entregue imediatamente, assim como sua mãe. De qualquer forma, o socorro demoraria mais 5 minutos, totalizando então cerca de 8 minutos sem respirar. *conforme FOLHAS DE ADMISSÃO MÉDICA página 288 e 290 e RELATO página 359, havendo discordância entre o relato da neonatologista e da obstetra.

_O PROTOCOLO DE REANIMAÇÃO PRATICADO: A médica A. T. assim que recebe Arthur, anota bpm maior que 100 e oferece oxigênio pela máscara e inicia a VPP sem antes desobstruir as vias aéreas. Manda buscar um kit de reanimação em outra sala. O tempo passa e Arthur que nasceu com batimentos acima de 100bps ainda está sem respirar, aguardando o kit. Mesmo após chegada do kit de reanimação, após 2/3 minutos, a médica A. T. se recusa fazer a verificação da permeabilidade das vias aéreas - posicionando a cabeça, aspirando secreções e mantendo a boca aberta. A médica continua com a máscara na UCR e anota o feito por vários minutos ressaltando que ele não respirava. Passaram vários minutos sem Arthur respirar e a médica dizia apenas "Anota aí que está sem drive", para uma enfermeira. Passaram então mais 5 minutos sem estabilização. O recomendado, para evitar lesão cerebral por hipóxia, é estabilizar o bebê dentro de no máximo 1 minuto (GOLDEN MINUTE). Apenas após passados 5 minutos sem respirar a médica decide intubar. Antes de intubar, entretanto, a médica insistiu em não fazer a verificação da permeabilidade das vias aéreas e não aspirou ou desbloqueou as vias. *conforme RELATO DA NEONATOLOGIA páginas 359, 360, 361

_A médica entrega o recém nascido à UTI Neonatal após intubação ainda em estado grave, sem se mexer (hipoativo), roxo (cianótico) e com dificuldade respiratória (taquipneuco): “Recebo RN às 20:05h em TOT, hipoativo, hiporeativo, cianótico, anictérico, eupneico, digo, taquipneuco, normotenso.”. * conforme ADMISSÃO DA ENFERMAGEM página 437

_Por não ter tido suas vias aéreas desobstruídas, Arthur convulsiona na UTI, na primeira hora de vida pois o tubo é bloqueado por mecônio. O tubo é bloqueado novamente por mecônio pela madrugada na UTI, quando Arthur é então salvo pela fisioterapeuta S. V.. Arthur sofre inúmeras sequelas advindas desta falha na desobstrução das vias na sala de parto, precisando inclusive passar por cirurgia para drenar o mecônio do pulmão. Foi descoberto que foi causado pneumotórax e outras graves sequelas advindas  da falta prolongada de oxigênio. *conforme LISTA DE PROBLEMAS UTI NEONATAL, página 300.

_Vale ressaltar que cabe ao neonatologista, o socorro imediato do neonato. Não se explica a demora no socorro, a ausência de aspiração traqueal na presenta de LA Meconial ou a espera de mais cinco minutos estipulada pela médica, tendo Arthur nascido com APGAR 1 e necessitado de intervenção médica imediata *conforme CREMESP:
          1) O atendimento ao recém-nascido na sala de parto é um procedimento médico. Tal
           procedimento, na maioria das vezes, consiste numa simples aspiração de vias aéreas
         superiores e oxigenação.
As crianças que nascem ativas e respirando, Apgar acima de 7
           praticamente dispensam qualquer atitude mais ativa. Mas, pode acontecer o nascimento de
           crianças anóxias. Em tais situações, a ação é mais ativa. Implica em aspiração, oxigenação e,
           às vezes intubação e respiração assistida. Portanto, o ato é médico. O atendimento inicial
           cabe, logicamente, ao profissional mais habilitado a fazê-lo, ou seja, ao neonatologista. Na
           ausência deste, o próprio obstetra ou o anestesiologista deve assumir a missão.
           (Consulta nº69.955/01, PARECER CREMESP)

_Também podemos ressaltar que no procedimento de reanimação neonatal, segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria:
           1) Considera-se como falha se, após 30 segundos de VPP com máscara, o RN mantém 
         FC<100bpm ou não retoma respiração espontânea rítmica e regular.
            Nesse caso, verificar o ajuste entre face e máscara, a permeabilidade das vias aéreas
            (posicionando a cabeça, aspirando secreções e mantendo a boca aberta)
         E a pressão inspiratória, corrigindo o que for necessário. (...) Se o paciente
            após a correção da técnica de ventilação, não melhorar
            está indicado o uso da cânula traqueal como interface para a VPP.

_Arthur nasce precisando de intervenção médica imediata, precisando do protocolo descrito acima, onde se precisa estabilizar o recém nascido e garantir a respiração ou intubação em até 1 minuto, mas a médica e o hospital assumem que intervieram minimamente em socorro à Arthur. Confessam que no parto que julgavam estar ocorrendo "As intervenções médicas são mínimas". *conforme sua CONTESTAÇÃO página 236.

_AS SEQUELAS DO ERRO NA REANIMAÇÃO NEONATAL E HIPÓXIA PROLONGADA PELA MÉDICA:

página 437 – Admissão da Enfermagem: “RN admitido no setor às 20:05h, proveniente do CCO, por apresentar asfixia neonatal. Recebo RN em TOT, hipoativo, hiporeativo, cianótico, anictérico, eupneico, digo, taquipneuco, normotenso. Realizado SOG em sifonagem, cateterismo arterial e venoso e vesical de demora. Realizando protocolo de hipotermia. Segue aos cuidados da enfermagem. “ L. G., Enfermeira. Em 25/08/13 
 página 300 - Lista de problemas UTI NEONATAL: “25/08 - Apresentou ↓(baixa) saturação com braquicardia – trocado TOT (com rolha de mecônio). Apresentou crise convulsiva.” J. C., Pediatra. Em 25/08/13.
 página 348 – Evolução do Paciente: “RN internado por asfixia perinatal e aspiração de mecônio. Hoje, pela madrugada, RN com obstrução de TOT por mecônio. Trocado TOT (...)” por S. V., Fisioterapeuta. Em 25/08/13.
página 326 – Parecer de especialista: “Paciente evolui com Pneumotórax após o nascimento. Procedimento Toracostomia com drenagem fechada, sem intercorrências.” M. R. M., Cirurgião. Em 25/08/13.
página 327 – Parecer do especialista: “Exame com Encefalopatia Hipóxico-Isquemica, com sinais indiretos de Edema Cerebral. Fluxo sanguíneo Irregular e Diminuído.” Grupo Neonatal e Pediátrico LTDA. Em 26/08/13.
 página 332 – Parecer de especialista: “Paciente com asfixia grave, ainda em hipotermia e solicitado avaliação cardiológica (...) VD ainda muito dilatado e com Insuficiência triscúspide. Mantendo disfunção ventricular moderada. Canal arterial fechado. Ainda com sinais de hipertensão pulmonar.” S. R., Cardiologista. Em 28/08/13
 página 291 – Sumário de Alta da UTI: “Complicações: Pneumotórax à esquerda em 25/08: Realizado drenagem cirúrgica. Obstrução do tubo orotraqueal por mecônio em 25/08/13. Realizado troca do tubo sem intercorrências.” Retirado do Sumário de Alta da UTI neonatal.
 página 337 – Parecer neurológico: “Paciente com história de asfixia aguda e convulsão nas primeiras 24 horas de vida. Completou protocolo de hipotermia, com segundo EEG com média voltagem. Postura no leito com movimentos desorganizados, sem propósito, pouco contato visual, hipotonia difusa, hiperreflexiva, mão corticais, além de incoordenação de sucção. Sem convulsão, em uso de Fenobarbital 3mg/Kg. Impressão Evidências de Encefalopatia Difusa.” E. Z., em 06/09/13.

 página 45 – RELATÓRIO DO NEUROLOGISTA: “O menor Arthur (...) apresenta epilepsia focal e atraso psicomotor secundários a asfixia perinatal, com crises diárias frequentes resistente ao tratamento medicamentoso (...)Diagnóstico: Encefalopatia crônica da infância (paralisia cerebral) e crises convulsivas“ E. F., em 07/02/18
 página 49 – RELATÓRIO DO PEDIATRA: “Declaro para os devidos fins que Arthur K. B. é portador de Laringomalácia grau II e Sindrome de West, em decorrência de asfixia perinatal e síndrome de aspiração meconial. (...)” R. F., em 08/05/15.

 

PARTO HUMANIZADO = INTERVENÇÕES MÉDICAS MÍNIMAS?

Notamos que a tragédia que vitimou meu filho aconteceu por um pressuposto de que quem está realizando um parto humanizado em um hospital não tem direito ao socorro médico imediato. A literatura médica discorda das alegações dos responsáveis. Pois quando ocorre a necessidade de intervenção médica, esta é obrigatória sem discriminação.

Natália estava em um hospital, contratando seus serviços justamente por confiar na rapidez e garantia de socorro imediato em caso de necessidade.  Todo parto precisa ser seguro para mãe e bebê. 

Arthur nasce com batimentos cardíacos fortes, entretanto precisando de intervenção médica imediata, uma vez que nasceu e não respirou, mas a neonatologista e o hospital assumem que intervieram minimamente em socorro à Arthur. “Vale sublinhar que no parto humanizado as intervenções médicas são mínimas, (...)” *conforme sua CONTESTAÇÃO página 236.

Ressaltam então, em sua defesa, que ao se deparar com uma criança sem respirar, agiram ali de forma mínima e não imediata... 

Arthur foi dessa forma, uma vítima inocente da presunção da médica A. T.  acerca do que se configura um parto humanizado diferenciando-o de outros partos quanto à rapidez da intervenção em casos de intercorrências e de reanimação neonatal. O Hospital confessa a omissão e apóia a negligência da médica, confirmando que em sua instituição partos humanizados, diferente de outros partos, mesmo em face de um problema, devem receber intervenções médicas mínimas.

Em um processo que visa reparar negligência e falha médica no socorro à uma criança, com graves consequências, diz o hospital: “Vale sublinhar que no parto humanizado as intervenções médicas são mínimas, (...)”. Assim sendo, comprovadamente através dos documentos, a médica não apenas não acompanhou o trabalho de parto e não agiu de forma imediata e correta em socorro da criança, agindo, MINIMAMENTE. Mas o fez de forma racional... 

É revoltante pois podia ser diferente.

Segundo essa postura, fosse então outro parto, Arthur seria salvo? 

 

PROCEDIMENTO CORRETO DE REANIMAÇÃO NEONATAL

Não é ético diferenciar tipos de parto. Quando surge um problema médico, há protocolos que devem ser seguidos ou o paciente será lesionado ou morrerá.

Para esclarecimento, quando da reanimação em sala de parto e dos procedimento corretos, a mais importante  instituição no assunto, o Programa de Reanimação Neonatal da Sociedade Brasileira de Pediatria e o International Liaison Committee on Resuscitation, estipulam:

"Durante a VPP, observar a adaptação da máscara à face, a permeabilidade das vias aéreas e a expansibilidade pulmonar. A ventilação com máscara não é um procedimento simples, havendo dificuldade do profissional que reanima o RN se assegurar de que o volume corrente está adequado, pois, são frequentes o escape de gás de grande magnitude entre face e máscara e a obstrução de vias aéreas. O profissional de saúde deve ser capaz de detectar e corrigir essas falhas de modo rápido. Portanto, a verificação contínua da técnica da ventilação, com ênfase no ajuste adequado entre face e máscara, permeabilidade das vias aéreas e uso de pressão adequada (não insuficiente nem excessiva) é crítica para o sucesso da reanimação. Com o início da VPP com máscara facial, é preciso monitorar a FC, a respiração e a SatO2. O indicador mais importante de que a VPP está sendo efetiva é o aumento da FC. A ventilação efetiva deve provocar inicialmente a elevação da FC e, depois, o estabelecimento da respiração espontânea. (...) Considera-se como falha se, após 30 segundos de VPP com máscara, o RN mantém FC <100 bpm ou não retoma a respiração espontânea rítmica e regular. Nesse caso, verificar o ajuste entre face e máscara, a permeabilidade das vias aéreas (posicionando a cabeça, aspirando secreções e mantendo a boca aberta) e a pressão inspiratória, corrigindo o que for necessário. (...) Se o paciente, após a correção da técnica da ventilação, não melhorar está indicado o uso da cânula traqueal como interface para a VPP. As indicações de ventilação através de cânula traqueal em sala de parto incluem: ventilação com máscara facial não efetiva, ou seja, se após a correção de possíveis problemas técnicos, a FC permanece <100 bpm; ventilação com máscara facial prolongada, ou seja, se o paciente não retoma a respiração espontânea; e aplicação de massagem cardíaca. (...)  A indicação da intubação no processo de reanimação depende da habilidade e da experiência do profissional responsável pelo procedimento. (...) Em mãos menos experientes, existe um elevado risco de complicações como hipoxemia, apneia, bradicardia, pneumotórax, laceração de tecidos moles, perfuração de traqueia ou esôfago, além do risco de infecção. Cada tentativa de intubação deve durar, no máximo, 30 segundos." Reanimação do recém-nascido ≥34 semanas em sala de parto: Diretrizes 2016 da Sociedade Brasileira de Pediatria. (Texto disponível em www.sbp.com.br/reanimacao - Direitos Autorais SBP , páginas 14 e 15)

Desta forma, segundo toda a bibliografia estudada, o protocolo de reanimação executado em Arthur desrespeita a regulamentação e literatura médica sobre o assunto. Recomendações e normas criadas justamente para proteger os recém-nascidos. Arthur é um exemplo de como uma criança forte, a termo e saudável pode ser gravemente lesionada se os protocolos não são seguidos.

Vale ressaltar que a demora na estabilização do estado de saúde de qualquer criança APÓS O NASCIMENTO, não poderia fazer qualquer bem para o bebê. Essa irresponsabilidade não pode ser desculpada.

Precisamos que os responsáveis pela negligência e imperícia no socorro de Arthur no parto, respondam por suas ações. Que reavaliem suas práticas e posturas futuras.

Que mais nenhuma criança, que mais nenhuma família sofra o que sofremos.

 

Natalia Kochem Bittencourt ainda não publicou nenhuma notícia.