Latinidades Pretas |

Latinidades Pretas

Ampliação do projeto Latinidades Pretas, para gerar renda e dar suporte às trabalhadoras negras da cultura

Projeto por: Instituto Afrolatinas
R$ 0,00
arrecadado
meta R$ 30.000,00

0 benfeitores
apoiaram essa campanha

Não foi dessa vez :/

A meta de arrecadação não foi atingida e todas as colaborações foram estornadas. Obrigado pelo apoio ainda assim!

POR

Instituto Afrolatinas

 Instituto Afrolatinas
R$ 20
Apoiar essa campanha com R$ 20
Seja o primeiro a apoiar!
R$ 50
Apoiar essa campanha com R$ 50
Seja o primeiro a apoiar!
R$ 80
Apoiar essa campanha com R$ 80
Seja o primeiro a apoiar!
R$ 100
Apoiar essa campanha com R$ 100
Seja o primeiro a apoiar!
R$ 200
Apoiar essa campanha com R$ 200
Seja o primeiro a apoiar!
R$ 300
Apoiar essa campanha com R$ 300
Seja o primeiro a apoiar!
R$ 500
Apoiar essa campanha com R$ 500
Seja o primeiro a apoiar!
R$ 1.000
Apoiar essa campanha com R$ 1000
Seja o primeiro a apoiar!
R$ 3.000
Apoiar essa campanha com R$ 3000
Seja o primeiro a apoiar!

Em abril, criamos uma campanha de financiamento para materializar o Latinidades Pretas - uma plataforma online criada para reunir conteúdos, gerar renda e dar suporte à empreendedoras negras, trabalhadoras da cultura e da economia criativa. Em menos de uma semana recebemos 1447 inscrições, de todas as regiões brasilerias e mais nove países. Mulheres negras, trabalhadoras da cultura, apresentaram propostas de diferentes linguagens artísticas a áreas de atuação e nos mostraram que a demanda que detectamos já na primeira semana de pandemia é infinitamente maior do que pudemos acolher no primeiro momento. Diante de tamanha demanda, em tão pouco tempo de inscrições, decidimos abrir nova campanha e reunir esforços para ampliar a aquantidade de beneficiárias do projeto. Propostas relecionadas receberão R$ 500r de R$ 500,00.

Latinidades Pretas nasceu com a emergência da crise  sanitária e humanitária global  desencadeada pela pandemia da Covid-19 e por uma ação colaborativa entre Instituto Feira Preta e Instituto Afrolatinas, no exercício de contribuir para a redução dos impactos econômicos do Covid-19.

Com a necessária suspensão de eventos culturais, fechamento de estabelecimentos comerciais e outras medidas para garantir o isolamento social, ficou ainda mais evidente a vulnerabilidade das trabalhadoras da economia criativa: empreendedoras, produtoras, artistas, artesãs, escritoras, chefes de cozinha, mães, trabalhadoras domésticas, intelectuais, mulheres autônomas, em trabalho formal ou informal.

Sabemos que empreendedoras negras, em geral, não possuem fundos de reserva para o próprio sustento, geram renda para outras famílias com seu trabalho e ainda são arrimos de família. Em poucos dias Latinidades Pretas se materializou e se agigantou, mostrando potencial e grande demanda por continuidade e ampliação. E aqui vamos nós! 

Instituto Afrolatinas ainda não publicou nenhuma notícia.

Em abril, criamos uma campanha de financiamento para materializar o Latinidades Pretas - uma plataforma online criada para reunir conteúdos, gerar renda e dar suporte à empreendedoras negras, trabalhadoras da cultura e da economia criativa. Em menos de uma semana recebemos 1447 inscrições, de todas as regiões brasilerias e mais nove países. Mulheres negras, trabalhadoras da cultura, apresentaram propostas de diferentes linguagens artísticas a áreas de atuação e nos mostraram que a demanda que detectamos já na primeira semana de pandemia é infinitamente maior do que pudemos acolher no primeiro momento. Diante de tamanha demanda, em tão pouco tempo de inscrições, decidimos abrir nova campanha e reunir esforços para ampliar a aquantidade de beneficiárias do projeto. Propostas relecionadas receberão R$ 500r de R$ 500,00.

Latinidades Pretas nasceu com a emergência da crise  sanitária e humanitária global  desencadeada pela pandemia da Covid-19 e por uma ação colaborativa entre Instituto Feira Preta e Instituto Afrolatinas, no exercício de contribuir para a redução dos impactos econômicos do Covid-19.

Com a necessária suspensão de eventos culturais, fechamento de estabelecimentos comerciais e outras medidas para garantir o isolamento social, ficou ainda mais evidente a vulnerabilidade das trabalhadoras da economia criativa: empreendedoras, produtoras, artistas, artesãs, escritoras, chefes de cozinha, mães, trabalhadoras domésticas, intelectuais, mulheres autônomas, em trabalho formal ou informal.

Sabemos que empreendedoras negras, em geral, não possuem fundos de reserva para o próprio sustento, geram renda para outras famílias com seu trabalho e ainda são arrimos de família. Em poucos dias Latinidades Pretas se materializou e se agigantou, mostrando potencial e grande demanda por continuidade e ampliação. E aqui vamos nós! 

Instituto Afrolatinas ainda não publicou nenhuma notícia.