[PE] Periferia Comunica Periferia |

[PE] Periferia Comunica Periferia

Colabore com a prevenção e conscientização sobre Covid-19 nas periferias da Região Metropolitana do Recife!

Projeto por: Luiz Manuel dos Santos Silva06730946423
R$ 15.939,00
arrecadado
meta R$ 6.200,00

40 benfeitores
apoiaram essa campanha

Conseguimos \o/

Obrigado a todos os Benfeitores por mais um projeto bem sucedido. Agora, acompanhe as novidades e comentários do projeto.


POR

Luiz Manuel dos Santos Silva06730946423

Luiz Manuel dos Santos Silva06730946423
R$ 20
créditos dos vídeos e redes sociais
2 benfeitores apoiando
R$ 50
créditos nos vídeos e redes sociais
2 benfeitores apoiando
R$ 80
créditos + 1 pôster de um dos coletivos
Seja o primeiro a apoiar!
R$ 100
créditos + 1 pôster de um dos coletivos
3 benfeitores apoiando
R$ 200
kit pôster + camisa + 2 DVDs
1 benfeitor apoiando
R$ 300
kit pôster + 4 camisas + 3 DVDs.
Seja o primeiro a apoiar!
R$ 500
kit pôster + 4 camisas + 4 DVDs
Seja o primeiro a apoiar!
R$ 1.000
Um mini-documentário de até 5 min.
1 benfeitor apoiando
R$ 3.000
Um documentário de até 10 min.
Seja o primeiro a apoiar!

O projeto consiste na articulação de produtoras independentes de audiovisual, localizadas em regiões periféricas da Região Metropolitana do Recife, que já possuem uma atuação ativa de produções, a fim de criar conteúdos direcionados aos canais de comunicação locais. Materiais esses que sustentem a preocupação de se cuidar e prevenir, de conscientização sobre o Covid-19, utilizando uma linguagem direta e acessível e que relembram aos moradores e moradoras momentos de comunhão e afeto na comunidade, com o intuito de fortalecê-los/las, incentivando a cooperação e corresponsabilidade de todos e todas. Faz-se necessária a produção de conteúdo produzido pela e para periferia, priorizando a comunicação numa perspectiva mais próxima da realidade das pessoas. Conscientização, redução de danos e
alternativas de proteção de baixo custo serão os focos da rede audiovisual periférica e suas campanhas de conscientização.

Estamos aos poucos vendo a real gravidade dentro nas favelas e comunidade, mas infelizmente não sabemos até que ponto chegará o estrago dessa pandemia. E é com essa preocupação que pedimos apoio a esses quatro coletivo: Coletivo Caverna, Coletivo Manguecrew, Coletivo Roda Fita e Angola Filmes de Paratibe. Temos 5 metas no total e a cada meta atingida os coletivos poderão produzir mais materiais informativos e vídeos. Se atingirmos a última e quinta meta, além de aumentar a produção, também é possível agregar mais parceiros e expandir ainda mais a distribuição desse material.

A produção dos vídeos e dos materiais gráficos serão criados via colaboração remota dentro dos coletivos, a fim de evitar aglomerações. A distribuição desses vídeos e materiais gráficos será feita via internet: instagram, grupos do facebook e whatsapp.

A campanha apoia quatro coletivos: Coletivo Caverna, Coletivo Manguecrew, Coletivo Roda Fita e Angola Filmes de Paratibe.

Em 2017, o Coletivo Caverna abriu suas portas em Ouro Preto, Olinda, para o público local fomentando espaços de diálogo com a comunidade nas ações continuadas do projeto social “Meu Bairro, Minha Escola” (2014), quando foram realizadas oficinas de máscaras, de circo, contação de histórias e exibição de filmes para crianças. Desde então, o Espaço Cultural Coletivo Caverna tem sido referência no bairro, como ponto de cultura independente e de produção colaborativa, abrigando apresentações de espetáculos, exibição de filmes, shows para todas as idades, oficinas e encontros de artes integradas.

José Cleyton Carbonel é do bairro do Curado II (Recife) responsável por ações de registro e fotografia e grafite do coletivo Manguecrew, o qual é cofundador e articulador de diversas ações culturais nas comunidades dos bairros de Peixinhos (Olinda), e outras periferias. É atuante do movimento do grafite, com obras já expostas na Europa (Bélgica) e quase todos os estados do Brasil. Atualmente coordena o leilão em chamas, com artistas que expõe suas obras enquanto o público dá seus valores, caso não seja vendida a obra é queimada. Tem uma rede de contatos substancial para este momento. É produtor de conteúdo audiovisual formado pelo
Centro de Comunicação e Juventude (CCJ) Recife.

Do outro lado da Região Metropolitana do Recife, no Bairro de Iputinga, Recife, tem o coletivo Roda Fita, representado por Alexandro Lopes, onde exerce atuação na parte de oficinas de audiovisual, de música e fotografia. Alexandro já foi premiado por suas ações na comunidade pelo antigo Ministério de Cultura, em 2017, no edital culturas Populares Edição Leandro Gomes de Barros. Ele é responsável pelo canal de comunicação com sua atuação há mais de 8 anos na comunidade disponibilizando informações sobre identidades, culturas e valores de afirmação onde vive.

Outro coletivo que vai se juntar a ação conjunta é o Angola Filmes de Paratibe , com atuação de Adriano Lima e Pollyane Carlos na produção de conteúdo audiovisual, textual e sonoro para o terreiro de candomblé Ilê Orixala Talabi. A rede de contatos da Angola Filmes tem o Escambo coletivo do mesmo bairro e também abrange parte da população do Janga com o coletivo Tururu, de Maranguape II com o M2 e Maranguape I com o M1. Bairros onde a população terá acesso às informações distribuídas pelos canais do próprio coletivo Angola Filmes (instagram, facebook, whatsapp entre outros).

Hoje, Pernambuco é o terceiro estado brasileiro mais afetado com a pandemia da Covid-19. O maior número de contágios já é na periferia, áreas com baixo IDH, onde o isolamento social não é devidamente respeitado e as condições de educação, higiene e nutrição são precárias. O bairro de Ouro Preto, sede do Coletivo Caverna, grupo articulador do projeto, é o bairro com maior número de casos no município de Olinda.

Realizaremos a produção e circulação de vídeos e materiais gráficos com conteúdos relacionados à conscientização, redução de danos e alternativas de proteção de baixo custo para combater a disseminação da covid-19 nas periferias da Região Metropolitana do Recife. Pretendemos que o conteúdo produzido pelas favelas e comunidades periféricas dissemine conhecimento, mudando o padrão de procedimentos diante da pandemia, e pertencimento à campanha de prevenção e proteção através da identificação com a linguagem audiovisual que será realizada por comunicadores independentes.

Atingiremos, a princípio, as seguintes áreas:

Coletivo Caverna - Ouro Preto, Olinda 30.644
Angola Filmes - Janga, Paulista 44.008
Roda Fita - Iputinga, Recife 52.200
Manguecrew - Curado, Recife 16.418

Match-funding é como uma vaquinha turbinada: uma nova modalidade de fomento, que mistura o financiamento coletivo (ou crowd-funding) com aporte de parceiros, que multiplicam a arrecadação. Para cada R$ 1 arrecadado pelos projetos selecionados por intermédio da plataforma da Benfeitoria, o Fundo Colaborativo Enfrente contribui com mais R$ 2, até que o valor de R$30.000 seja alcançado.

O Fundo Colaborativo Enfrente, composto pela Fundação Tide Setubal e demais parceiros (vide aba “Parceiros” em benfeitoria.com/enfrente) poderá aportar o total de mais R$ 4.000.000,00 (quatro milhões de reais) para triplicar a arrecadação de campanhas de financiamento coletivo de iniciativas que enfrentem os efeitos do Coronavírus nas periferias urbanas brasileiras. Por se tratar de um Fundo Colaborativo e aberto a novos parceiros, o montante destinado a triplicação dos projetos pode ainda aumentar, possibilitando um número maior de iniciativas contempladas.

Luiz Manuel dos Santos Silva06730946423 ainda não publicou nenhuma notícia.

O projeto consiste na articulação de produtoras independentes de audiovisual, localizadas em regiões periféricas da Região Metropolitana do Recife, que já possuem uma atuação ativa de produções, a fim de criar conteúdos direcionados aos canais de comunicação locais. Materiais esses que sustentem a preocupação de se cuidar e prevenir, de conscientização sobre o Covid-19, utilizando uma linguagem direta e acessível e que relembram aos moradores e moradoras momentos de comunhão e afeto na comunidade, com o intuito de fortalecê-los/las, incentivando a cooperação e corresponsabilidade de todos e todas. Faz-se necessária a produção de conteúdo produzido pela e para periferia, priorizando a comunicação numa perspectiva mais próxima da realidade das pessoas. Conscientização, redução de danos e
alternativas de proteção de baixo custo serão os focos da rede audiovisual periférica e suas campanhas de conscientização.

Estamos aos poucos vendo a real gravidade dentro nas favelas e comunidade, mas infelizmente não sabemos até que ponto chegará o estrago dessa pandemia. E é com essa preocupação que pedimos apoio a esses quatro coletivo: Coletivo Caverna, Coletivo Manguecrew, Coletivo Roda Fita e Angola Filmes de Paratibe. Temos 5 metas no total e a cada meta atingida os coletivos poderão produzir mais materiais informativos e vídeos. Se atingirmos a última e quinta meta, além de aumentar a produção, também é possível agregar mais parceiros e expandir ainda mais a distribuição desse material.

A produção dos vídeos e dos materiais gráficos serão criados via colaboração remota dentro dos coletivos, a fim de evitar aglomerações. A distribuição desses vídeos e materiais gráficos será feita via internet: instagram, grupos do facebook e whatsapp.

A campanha apoia quatro coletivos: Coletivo Caverna, Coletivo Manguecrew, Coletivo Roda Fita e Angola Filmes de Paratibe.

Em 2017, o Coletivo Caverna abriu suas portas em Ouro Preto, Olinda, para o público local fomentando espaços de diálogo com a comunidade nas ações continuadas do projeto social “Meu Bairro, Minha Escola” (2014), quando foram realizadas oficinas de máscaras, de circo, contação de histórias e exibição de filmes para crianças. Desde então, o Espaço Cultural Coletivo Caverna tem sido referência no bairro, como ponto de cultura independente e de produção colaborativa, abrigando apresentações de espetáculos, exibição de filmes, shows para todas as idades, oficinas e encontros de artes integradas.

José Cleyton Carbonel é do bairro do Curado II (Recife) responsável por ações de registro e fotografia e grafite do coletivo Manguecrew, o qual é cofundador e articulador de diversas ações culturais nas comunidades dos bairros de Peixinhos (Olinda), e outras periferias. É atuante do movimento do grafite, com obras já expostas na Europa (Bélgica) e quase todos os estados do Brasil. Atualmente coordena o leilão em chamas, com artistas que expõe suas obras enquanto o público dá seus valores, caso não seja vendida a obra é queimada. Tem uma rede de contatos substancial para este momento. É produtor de conteúdo audiovisual formado pelo
Centro de Comunicação e Juventude (CCJ) Recife.

Do outro lado da Região Metropolitana do Recife, no Bairro de Iputinga, Recife, tem o coletivo Roda Fita, representado por Alexandro Lopes, onde exerce atuação na parte de oficinas de audiovisual, de música e fotografia. Alexandro já foi premiado por suas ações na comunidade pelo antigo Ministério de Cultura, em 2017, no edital culturas Populares Edição Leandro Gomes de Barros. Ele é responsável pelo canal de comunicação com sua atuação há mais de 8 anos na comunidade disponibilizando informações sobre identidades, culturas e valores de afirmação onde vive.

Outro coletivo que vai se juntar a ação conjunta é o Angola Filmes de Paratibe , com atuação de Adriano Lima e Pollyane Carlos na produção de conteúdo audiovisual, textual e sonoro para o terreiro de candomblé Ilê Orixala Talabi. A rede de contatos da Angola Filmes tem o Escambo coletivo do mesmo bairro e também abrange parte da população do Janga com o coletivo Tururu, de Maranguape II com o M2 e Maranguape I com o M1. Bairros onde a população terá acesso às informações distribuídas pelos canais do próprio coletivo Angola Filmes (instagram, facebook, whatsapp entre outros).

Hoje, Pernambuco é o terceiro estado brasileiro mais afetado com a pandemia da Covid-19. O maior número de contágios já é na periferia, áreas com baixo IDH, onde o isolamento social não é devidamente respeitado e as condições de educação, higiene e nutrição são precárias. O bairro de Ouro Preto, sede do Coletivo Caverna, grupo articulador do projeto, é o bairro com maior número de casos no município de Olinda.

Realizaremos a produção e circulação de vídeos e materiais gráficos com conteúdos relacionados à conscientização, redução de danos e alternativas de proteção de baixo custo para combater a disseminação da covid-19 nas periferias da Região Metropolitana do Recife. Pretendemos que o conteúdo produzido pelas favelas e comunidades periféricas dissemine conhecimento, mudando o padrão de procedimentos diante da pandemia, e pertencimento à campanha de prevenção e proteção através da identificação com a linguagem audiovisual que será realizada por comunicadores independentes.

Atingiremos, a princípio, as seguintes áreas:

Coletivo Caverna - Ouro Preto, Olinda 30.644
Angola Filmes - Janga, Paulista 44.008
Roda Fita - Iputinga, Recife 52.200
Manguecrew - Curado, Recife 16.418

Match-funding é como uma vaquinha turbinada: uma nova modalidade de fomento, que mistura o financiamento coletivo (ou crowd-funding) com aporte de parceiros, que multiplicam a arrecadação. Para cada R$ 1 arrecadado pelos projetos selecionados por intermédio da plataforma da Benfeitoria, o Fundo Colaborativo Enfrente contribui com mais R$ 2, até que o valor de R$30.000 seja alcançado.

O Fundo Colaborativo Enfrente, composto pela Fundação Tide Setubal e demais parceiros (vide aba “Parceiros” em benfeitoria.com/enfrente) poderá aportar o total de mais R$ 4.000.000,00 (quatro milhões de reais) para triplicar a arrecadação de campanhas de financiamento coletivo de iniciativas que enfrentem os efeitos do Coronavírus nas periferias urbanas brasileiras. Por se tratar de um Fundo Colaborativo e aberto a novos parceiros, o montante destinado a triplicação dos projetos pode ainda aumentar, possibilitando um número maior de iniciativas contempladas.

Luiz Manuel dos Santos Silva06730946423 ainda não publicou nenhuma notícia.