Plantando Água |

Plantando Água

Projeto de construção de sistema de captação de água da chuva e reservatórios para abastecer a Aldeia Malhador em território indígena Kapinawá

Projeto por: Instituto Candeeiro
R$ 16.615,00
arrecadado
meta R$ 30.000,00

141 benfeitores
apoiaram essa campanha

Conseguimos \o/

Obrigado a todos os Benfeitores por mais um projeto bem sucedido. Agora, acompanhe as novidades e comentários do projeto.

POR

Instituto Candeeiro

Instituto Candeeiro

     

“Para nós, Kapinawás da Aldeia Malhador, o projeto Plantando Água significa tudo, pois água é vida. Com as contenções e a construção dos reservatórios, para armazenar água da chuva, não passaremos mais tantos apuros com a falta d'água, teremos água para consumo próprio, para os animais, e os pássaros, além de contribuir significantemente para toda a vida na aldeia.”

Nós somos da etnia indígena Kapinawá, habitantes da Aldeia do Malhador. Nosso povo se localiza no Vale do Catimbau em três municípios: Buíque, Tupanatinga e Ibimirim, no Estado de Pernambuco, com duas regiões climáticas distintas: o agreste e o sertão, onde a vegetação predominante é a caatinga. A aldeia está localizada no semiárido a grande escassez de água é constante. A aldeia tem 153 habitantes que tem como modo de vida a preservação de suas práticas culturais tradicionais e como subsistência a plantação de alimentos típicos da nossa região e a criação de animais, como também o artesanato.

Amamos nossa terra, nosso território e ele tudo provêm o povo, mas sofremos com frequência pela escassez de água. Dependemos dos períodos de chuvas e dos abastecimentos externos, para termos o suficiente para o consumo próprio, para os animais e as plantações. Esses abastecimentos externos são realizados por caminhões pipa, que cobram um valor alto, para nossas condições financeira, para abastecer as poucas cisternas que foram há tempos construídas.

Com a pandemia e o isolamento social necessário para proteger nosso povo do Covid, esse abastecimento ficou ainda mais prejudicado, o que nos levou a pensar em realizar com urgência um projeto que estamos fazendo há algum tempo: o Plantando Água. A Aldeia Malhador fica numa região com grande elevação de altitude e lençóis freáticos profundos. O único poço artesiano tem uma profundidade de 250 metros e pouca vazão, sendo insuficiente para abastecer as necessidades da aldeia. Nosso desejo e necessidade é que possamos represar e armazenar uma grande quantidade de água da chuva durante os períodos em que ela ocorre, para dependermos menos do abastecimento externo e podemos sustentar nossa vida, nosso povo. 

 

Com o projeto Plantando Água pretendíamos, inicialmente, fazer uma represa. Mas avaliando as condições do lugar escolhido, percebemos que por enquanto, a construção das barreiras de contenção e de dois novos reservatórios podem ser uma alternativa.  Como a área fica um pouco distante de nossas casas, numa parte mais baixa da serra, planejamos uma estrutura que possa ser resistente até nos momentos de seca.

Primeiro, pretendemos fazer três barreiras de contenção na serra, para quando a chuva cair, a água não leve barro e areia das encostas, causando erosão do solo, expondo as raízes e pedras, fazendo que com o passar do tempo só fiquem os lajeiros na serra. Elas ajudarão no direcionamento da água para os dois reservatórios, cada um com capacidade de armazenamento de 40 mil litros de água.

Escolhemos o local adequado, onde a serra tem barreiras de um lado e do outro formando um vale, que nos possibilita fazer o aterramento adequado para a construção do reservatório.  Nos faltam, agora, os recursos financeiros para compra de materiais necessários para construção de duas cisternas de ferro e cimento, dois tanques de decantação e as barreiras de contenção, bem como para pagar a mão de obra, diária das máquinas e materiais que serão usados na canalização da água e a escavação da área que abrigará o reservatório. 

O projeto está dividido, portanto, em duas etapas:

1ª Etapa: Compra de materiais para as construções das barreiras de contenção, estimadas em 6mil reais, de dois tanques de decantação (4 mil reais) e das duas cisternas com capacidade de 40 mil litros de água cada (10 mil reais); Total = 20 mil reais.

2ª Etapa: Escavação da represa (reservatório) e conclusão da obra. Mão de obra e uso de máquinas: 8 mil reais.

Ao todo, a campanha pretende arrecadar 30 mil reais, considerando também a contribuição para o site Benfeitoria

As duas etapas são importantes para a conclusão do projeto, por isso, definimos como meta única a arrecadação do valor total. Contamos com a colaboração de todos aqueles que prezam pela vida dos povos indígenas e pela preservação do semiárido. Ajudem-nos a construir nossos reservatórios e colaborem para que a vida se sustente melhor, a cada dia, para o nosso povo.

 

     

 

O Plantando Água trará ainda mais vida para nosso território, dará condições para tratarmos os animais e as plantas e regar a horta comunitária durante as secas. Os reservatórios evitarão que fiquemos sem água durante os longos períodos de estiagem, quando os barreiros pequenos secam e ficamos dependentes de comprar água de caminhões pipas.

 

 

Instituto Candeeiro ainda não publicou nenhuma notícia.

     

“Para nós, Kapinawás da Aldeia Malhador, o projeto Plantando Água significa tudo, pois água é vida. Com as contenções e a construção dos reservatórios, para armazenar água da chuva, não passaremos mais tantos apuros com a falta d'água, teremos água para consumo próprio, para os animais, e os pássaros, além de contribuir significantemente para toda a vida na aldeia.”

Nós somos da etnia indígena Kapinawá, habitantes da Aldeia do Malhador. Nosso povo se localiza no Vale do Catimbau em três municípios: Buíque, Tupanatinga e Ibimirim, no Estado de Pernambuco, com duas regiões climáticas distintas: o agreste e o sertão, onde a vegetação predominante é a caatinga. A aldeia está localizada no semiárido a grande escassez de água é constante. A aldeia tem 153 habitantes que tem como modo de vida a preservação de suas práticas culturais tradicionais e como subsistência a plantação de alimentos típicos da nossa região e a criação de animais, como também o artesanato.

Amamos nossa terra, nosso território e ele tudo provêm o povo, mas sofremos com frequência pela escassez de água. Dependemos dos períodos de chuvas e dos abastecimentos externos, para termos o suficiente para o consumo próprio, para os animais e as plantações. Esses abastecimentos externos são realizados por caminhões pipa, que cobram um valor alto, para nossas condições financeira, para abastecer as poucas cisternas que foram há tempos construídas.

Com a pandemia e o isolamento social necessário para proteger nosso povo do Covid, esse abastecimento ficou ainda mais prejudicado, o que nos levou a pensar em realizar com urgência um projeto que estamos fazendo há algum tempo: o Plantando Água. A Aldeia Malhador fica numa região com grande elevação de altitude e lençóis freáticos profundos. O único poço artesiano tem uma profundidade de 250 metros e pouca vazão, sendo insuficiente para abastecer as necessidades da aldeia. Nosso desejo e necessidade é que possamos represar e armazenar uma grande quantidade de água da chuva durante os períodos em que ela ocorre, para dependermos menos do abastecimento externo e podemos sustentar nossa vida, nosso povo. 

 

Com o projeto Plantando Água pretendíamos, inicialmente, fazer uma represa. Mas avaliando as condições do lugar escolhido, percebemos que por enquanto, a construção das barreiras de contenção e de dois novos reservatórios podem ser uma alternativa.  Como a área fica um pouco distante de nossas casas, numa parte mais baixa da serra, planejamos uma estrutura que possa ser resistente até nos momentos de seca.

Primeiro, pretendemos fazer três barreiras de contenção na serra, para quando a chuva cair, a água não leve barro e areia das encostas, causando erosão do solo, expondo as raízes e pedras, fazendo que com o passar do tempo só fiquem os lajeiros na serra. Elas ajudarão no direcionamento da água para os dois reservatórios, cada um com capacidade de armazenamento de 40 mil litros de água.

Escolhemos o local adequado, onde a serra tem barreiras de um lado e do outro formando um vale, que nos possibilita fazer o aterramento adequado para a construção do reservatório.  Nos faltam, agora, os recursos financeiros para compra de materiais necessários para construção de duas cisternas de ferro e cimento, dois tanques de decantação e as barreiras de contenção, bem como para pagar a mão de obra, diária das máquinas e materiais que serão usados na canalização da água e a escavação da área que abrigará o reservatório. 

O projeto está dividido, portanto, em duas etapas:

1ª Etapa: Compra de materiais para as construções das barreiras de contenção, estimadas em 6mil reais, de dois tanques de decantação (4 mil reais) e das duas cisternas com capacidade de 40 mil litros de água cada (10 mil reais); Total = 20 mil reais.

2ª Etapa: Escavação da represa (reservatório) e conclusão da obra. Mão de obra e uso de máquinas: 8 mil reais.

Ao todo, a campanha pretende arrecadar 30 mil reais, considerando também a contribuição para o site Benfeitoria

As duas etapas são importantes para a conclusão do projeto, por isso, definimos como meta única a arrecadação do valor total. Contamos com a colaboração de todos aqueles que prezam pela vida dos povos indígenas e pela preservação do semiárido. Ajudem-nos a construir nossos reservatórios e colaborem para que a vida se sustente melhor, a cada dia, para o nosso povo.

 

     

 

O Plantando Água trará ainda mais vida para nosso território, dará condições para tratarmos os animais e as plantas e regar a horta comunitária durante as secas. Os reservatórios evitarão que fiquemos sem água durante os longos períodos de estiagem, quando os barreiros pequenos secam e ficamos dependentes de comprar água de caminhões pipas.

 

 

Instituto Candeeiro ainda não publicou nenhuma notícia.