Projeto DEGRAUS |

Projeto DEGRAUS

Degraus é uma ação em dança que visa provocar a cidade e utilizar escadarias públicas como espaço de contato para a reflexão do corpo público-privado.

Projeto por: Grupo SATS
R$ 8.810,00
arrecadado
meta R$ 8.000,00

83 benfeitores
apoiaram essa campanha

Conseguimos \o/

Obrigado a todos os Benfeitores por mais um projeto bem sucedido. Agora, acompanhe as novidades e comentários do projeto.

POR

Grupo SATS

Grupo SATS

Grupo SATS surgem em 2016 da inquietação de dois artistas, Rodrigo Gondim e Deisi Margarida, sobre os processos de trabalho do intérprete-criador em dança.

R$ 30
Foi dada a largada!
25 benfeitores apoiando
Foi dada a largada para a estreia de DEGRAUS! Você nas nossas redes recebendo muito carinho e afeto!
R$ 70
Para os mais calminhos
20 benfeitores apoiando
Se você é mais calmo, da sombra e da água fresca, tem espaço para você também. Você contribui com nosso projeto e ganha um copo eco com um caderninho artesanal lindo de morrer! Você vai lembrar da gente por muito (muito) tempo!
R$ 70
Para os que gostam de suar
12 benfeitores apoiando
Para os que gostam de suar a camisa, vamos abrir os caminhos! Além do agradecimento nas nossas redes, você poderá escolher por uma das aulas maravilhosas oferecidas nesta campanha. É isso, mesmo! Você ajuda o projeto e ainda treina um pouquinho!
R$ 120
Com os migues
16 benfeitores apoiando
Que tal uma ajuda na pranchinha? Uma pirueta dupla à dois? Um cat lep sincronizado? Essa recompensa é pra você que tem aquela companhia para tudo! Você pode dividir o valor, e ainda tomar aquele chopp que está sendo adiado a tanto tempo. Você ajuda nossa campanha, e a gente propicia o encontro!
R$ 200
Para os sem limites
4 benfeitores apoiando
Mas eu queria fazer duas aulas, não pode? Uai, claro que pode! Nessa recompensa, você não só faz duas aulas, como ainda ganha um copo eco para abandonar de vez a garrafinha plástica que anda na sua bolsa. Por essa você não esperava, não é mesmo?
R$ 200
Sigo na água de coco, baby!
4 benfeitores apoiando
"- Oh, galera! Muito legal essa ideia das aulas, maaaas... e eu?" Uai, só se for agora. Se você é do club "sombra com água fresca" essa é pra você. Separamos uma recompensa prática e simbólica. Você não só ganha o agradecimento na nossa rede, como recebe uma bolsa ultra-mega-hiper resistente de banner reciclado e uma cesta cheia de mudinhas de planta escolhidas por nós para equilibrar sua vida!
R$ 300
Agora tá ficando sério!
5 benfeitores apoiando
Agora tá ficando mais sério! Sua contribuição tem peso duplo! Você vai receber um vídeo de agradecimento especial! Isso mesmo, a gente vai cantar, rolar escada, saltar a cidade inteira... só pra te dizer: Muito obrigada! Além disso, você participa de uma vivência com o grupo SATS e pode fazer um mês de aulas de dança contemporânea com Deisi Margarida ou Rodrigo Gondim (idealizadores do Grupo SATS) no Espaço Moitará.
R$ 500
Você é nosso anjx da guarda!
1 benfeitor apoiando
A nossa alma é sua! (sacanagi... rs) Mas você é nosso patrocinador(a) oficial! Além de um vídeo de agradecimento, uma bolsa, um copo, mudinhas e tudo o que há de bom no planeta, você ainda ficara marcado pelo resto de todo sempre como patrocinador(a) oficial deste projeto!

Sobre a campanha

Esta é uma campanha de financiamento coletivo para produção da obra DEGRAUS, segundo projeto de pesquisa do Grupo SATS. DEGRAUS é uma investigação sobre a corporeidade no espaço urbano utilizando como ponto de partida a escada e suas atribuições estruturais, simbólicas e políticas tendo a cartografia da cidade como mapeamento de afetos e afecções. Com estreia prevista em setembro de 2019, este financiamento coletivo tem por objetivo sanar os gastos básicos de produção, divulgação e circulação.

 

Sobre o Grupo SATS

O Grupo SATS surge em 2016 da inquietação de dois artistas sobre a pluralidade técnica e metodológica do intérprete-criador e as possíveis dramaturgias inscritas em um processo de pesquisa sobre o corpo. Pensando o intérprete como aquele que necessita conhecer e disponibilizar a si para a criação de novas partilhas e entendendo o corpo como uma dimensão complexa às artes cênicas - sendo impossível reduzi-lo a um problema representativo - o grupo tem como busca a construção de  uma dramaturgia inter(in)disciplinar, que coloca a serviço da criação as pesquisas  técnicas e simbólicas do corpo sobre o corpo,  revelando os possíveis  sentidos, e, sobretudo, os colapsos de sentidos que se inscrevem num todo coletivo.

UMAN_ é o primeiro trabalho do grupo e teve sua estreia em 2018 numa temporada itinerante por espaços alternativos. A escolha por um espaço intimista teve como intenção a aproximação do público com o jogo coreográfico, além de acionar uma reflexão sobre a relação “economia de arte x novos formatos de trabalho”.  Em 2019, o grupo estreia seu segundo trabalho: DEGRAUS pesquisa o corpo como agenciador de ações na cidade utilizando escadarias públicas como espaço de investigação coreográfica. Este projeto conta com oito intérpretes e dois músicos e propõe um aprofundamento sobre o formato itinerante sendo, desta vez, público. 

 

Sobre o projeto

O desejo em construir um trabalho em escadas surgiu de uma curiosidade em olhar para o cotidiano e percebê-lo para além de sua condição. A escada é um símbolo mítico no inconsciente coletivo: uma imagem que move princípios religiosos, morais e éticos, ligados a ideia de ascensão, hierarquia e justiça. Invocamos esta imagem a todo tempo como o lugar simbólico das memórias, das conquistas e da superação. Junto a isso, a escada corresponde a uma ideia de passagem, processo, peregrinação. Se codifica como um espaço transitório, que tem como função conectar outros espaços, mas nunca se fazendo permanecer. A escada é, em si, um não-lugar.

O que seria habitar este vazio, então? O que seria invocar o desvio deste símbolo, visto que a escada é um lugar propício a tropeços? Para acionar, a nível coreográfico, o risco, a queda, o desequilíbrio, como habitar um corpo que produz política? Estar na cidade seria, portanto, ideal para que a dramaturgia do trabalho, de modo processual, produzisse na vida comum pequenas falhas como registro cartográfico da cidade. Nos interessa, com isso, investigar uma possível dramaturgia do corpo em contextos urbanos como as inúmeras ações que constroem e tecem a própria noção de cidade, corporeidade e urbano.

 

 

Por que escolhemos fazer uma campanha de financiamento coletivo?

             Atualmente, campanhas de financiamento coletivo têm sido a primeira via para que produções independentes captem recursos em prol de suas produções. Sendo amplamente reconhecidas, inclusive por instituições de incentivo que estão interessadas em investigar o novo formato para investimento na área da cultura, o “Crowdfunding” tem por característica unir pessoas entorno de uma causa a fim de que uma ideia saia do papel. Ou seja, o financiamento coletivo, tal como outras plataformas, propõe pensar o compartilhamento financeiro em rede, fazendo com que a escolha em financiar algo esteja mais próxima e seja cada vez mais  movida por uma ideia de empatia.

              Escolhemos este formato de financiamento por acreditarmos que o modelo se adequa perfeitamente a proposta artística do trabalho, visto que nosso espaço de atuação será o espaço público, tornando a obra acessível a toda a cidade de forma gratuita e democrática.

 

O que vamos fazer com o dinheiro arrecadado?

Nosso objetivo é conseguir uma colaboração de 18 mil, quantia que cobre os custos básicos de produção de figurinos, divulgação, material gráfico e transporte da equipe para a primeira temporada do projeto DEGRAUS. Ao todo, serão 16 apresentações divididas em duas escadas do Rio de Janeiro.

 

 

Quais são os profissionais envolvidos nesse projeto?

 

Concepção, direção e produção: Deisi Margarida e Rodrigo Gondim

Intérpretes-criadores: Bárbara Abi-Rihan, Deisi Margarida, Fábio Lacerda, Marina Garcez, Mika Makino, Rodrigo Gondim, Tayane Almeida e Wallace Farias.

Trilha Musical e Interpretação: Luciano Pozino e Fábio Lima

Figurino: Nivea Faso

Fotografia: Igor Keller

Assessoria de Imprensa: Ana Pinto (Pequena Via Produções)

Produção: Isadora Krummenauer

 

 

Nossas recompensas

Reunimos uma rede de profissionais que se interessaram em estar conosco nesta empreitada. Ao todo, nove artistas doaram seus trabalhos para servirem de recompensas para os benfeitores, além de outros presentinhos feitos por nós. Você escolhe a sua aula, e ajuda nosso projeto. 

(As aulas serão escolhidas no final da campanha)

 

AULÕES:

Parada de mão - Thiago Índio

Contorção - Georgia Bergamin

Acrobacia de solo - Phelipe Young

Aéreo -  Adelly Constantini

Dança contemporânea - Felipe Padilha

Parkour - Pedro Pinheiro

Ballet Clássico - Rodrigo Gondim

Treinamento Físico para atores - Deisi Margarida e Mika Makino

 

 

Com o seu apoio, este trabalho que já está há mais de um ano em pesquisa, terá seus custos de estruturação (figurino, maquiagem), plano de divulgação (mídia social,  mídia impressa), custos de produção (deslocamento da equipe, alimentação, aparelhagem de som), pagamento simbólico dos artistas envolvidos (que estão desde 2018 nas ruas trabalhando, além de estudos teóricos) e, por fim, pagamento da plataforma benfeitoria. Tudo isso, graças a você.

Sobre a campanha

Esta é uma campanha de financiamento coletivo para produção da obra DEGRAUS, segundo projeto de pesquisa do Grupo SATS. DEGRAUS é uma investigação sobre a corporeidade no espaço urbano utilizando como ponto de partida a escada e suas atribuições estruturais, simbólicas e políticas tendo a cartografia da cidade como mapeamento de afetos e afecções. Com estreia prevista em setembro de 2019, este financiamento coletivo tem por objetivo sanar os gastos básicos de produção, divulgação e circulação.

 

Sobre o Grupo SATS

O Grupo SATS surge em 2016 da inquietação de dois artistas sobre a pluralidade técnica e metodológica do intérprete-criador e as possíveis dramaturgias inscritas em um processo de pesquisa sobre o corpo. Pensando o intérprete como aquele que necessita conhecer e disponibilizar a si para a criação de novas partilhas e entendendo o corpo como uma dimensão complexa às artes cênicas - sendo impossível reduzi-lo a um problema representativo - o grupo tem como busca a construção de  uma dramaturgia inter(in)disciplinar, que coloca a serviço da criação as pesquisas  técnicas e simbólicas do corpo sobre o corpo,  revelando os possíveis  sentidos, e, sobretudo, os colapsos de sentidos que se inscrevem num todo coletivo.

UMAN_ é o primeiro trabalho do grupo e teve sua estreia em 2018 numa temporada itinerante por espaços alternativos. A escolha por um espaço intimista teve como intenção a aproximação do público com o jogo coreográfico, além de acionar uma reflexão sobre a relação “economia de arte x novos formatos de trabalho”.  Em 2019, o grupo estreia seu segundo trabalho: DEGRAUS pesquisa o corpo como agenciador de ações na cidade utilizando escadarias públicas como espaço de investigação coreográfica. Este projeto conta com oito intérpretes e dois músicos e propõe um aprofundamento sobre o formato itinerante sendo, desta vez, público. 

 

Sobre o projeto

O desejo em construir um trabalho em escadas surgiu de uma curiosidade em olhar para o cotidiano e percebê-lo para além de sua condição. A escada é um símbolo mítico no inconsciente coletivo: uma imagem que move princípios religiosos, morais e éticos, ligados a ideia de ascensão, hierarquia e justiça. Invocamos esta imagem a todo tempo como o lugar simbólico das memórias, das conquistas e da superação. Junto a isso, a escada corresponde a uma ideia de passagem, processo, peregrinação. Se codifica como um espaço transitório, que tem como função conectar outros espaços, mas nunca se fazendo permanecer. A escada é, em si, um não-lugar.

O que seria habitar este vazio, então? O que seria invocar o desvio deste símbolo, visto que a escada é um lugar propício a tropeços? Para acionar, a nível coreográfico, o risco, a queda, o desequilíbrio, como habitar um corpo que produz política? Estar na cidade seria, portanto, ideal para que a dramaturgia do trabalho, de modo processual, produzisse na vida comum pequenas falhas como registro cartográfico da cidade. Nos interessa, com isso, investigar uma possível dramaturgia do corpo em contextos urbanos como as inúmeras ações que constroem e tecem a própria noção de cidade, corporeidade e urbano.

 

 

Por que escolhemos fazer uma campanha de financiamento coletivo?

             Atualmente, campanhas de financiamento coletivo têm sido a primeira via para que produções independentes captem recursos em prol de suas produções. Sendo amplamente reconhecidas, inclusive por instituições de incentivo que estão interessadas em investigar o novo formato para investimento na área da cultura, o “Crowdfunding” tem por característica unir pessoas entorno de uma causa a fim de que uma ideia saia do papel. Ou seja, o financiamento coletivo, tal como outras plataformas, propõe pensar o compartilhamento financeiro em rede, fazendo com que a escolha em financiar algo esteja mais próxima e seja cada vez mais  movida por uma ideia de empatia.

              Escolhemos este formato de financiamento por acreditarmos que o modelo se adequa perfeitamente a proposta artística do trabalho, visto que nosso espaço de atuação será o espaço público, tornando a obra acessível a toda a cidade de forma gratuita e democrática.

 

O que vamos fazer com o dinheiro arrecadado?

Nosso objetivo é conseguir uma colaboração de 18 mil, quantia que cobre os custos básicos de produção de figurinos, divulgação, material gráfico e transporte da equipe para a primeira temporada do projeto DEGRAUS. Ao todo, serão 16 apresentações divididas em duas escadas do Rio de Janeiro.

 

 

Quais são os profissionais envolvidos nesse projeto?

 

Concepção, direção e produção: Deisi Margarida e Rodrigo Gondim

Intérpretes-criadores: Bárbara Abi-Rihan, Deisi Margarida, Fábio Lacerda, Marina Garcez, Mika Makino, Rodrigo Gondim, Tayane Almeida e Wallace Farias.

Trilha Musical e Interpretação: Luciano Pozino e Fábio Lima

Figurino: Nivea Faso

Fotografia: Igor Keller

Assessoria de Imprensa: Ana Pinto (Pequena Via Produções)

Produção: Isadora Krummenauer

 

 

Nossas recompensas

Reunimos uma rede de profissionais que se interessaram em estar conosco nesta empreitada. Ao todo, nove artistas doaram seus trabalhos para servirem de recompensas para os benfeitores, além de outros presentinhos feitos por nós. Você escolhe a sua aula, e ajuda nosso projeto. 

(As aulas serão escolhidas no final da campanha)

 

AULÕES:

Parada de mão - Thiago Índio

Contorção - Georgia Bergamin

Acrobacia de solo - Phelipe Young

Aéreo -  Adelly Constantini

Dança contemporânea - Felipe Padilha

Parkour - Pedro Pinheiro

Ballet Clássico - Rodrigo Gondim

Treinamento Físico para atores - Deisi Margarida e Mika Makino

 

 

Com o seu apoio, este trabalho que já está há mais de um ano em pesquisa, terá seus custos de estruturação (figurino, maquiagem), plano de divulgação (mídia social,  mídia impressa), custos de produção (deslocamento da equipe, alimentação, aparelhagem de som), pagamento simbólico dos artistas envolvidos (que estão desde 2018 nas ruas trabalhando, além de estudos teóricos) e, por fim, pagamento da plataforma benfeitoria. Tudo isso, graças a você.

Grupo SATS ainda não publicou nenhuma notícia.