[SP] Quilombo urbano contra Covid-19 |

[SP] Quilombo urbano contra Covid-19

Colabore para distribuirmos itens básicos de saúde, higiene e alimento para 10 famílias de comunidades carentes por 3 meses.

Projeto por: Vicente Alves
R$ 14.640,00
arrecadado
meta R$ 23.000,00

7 benfeitores
apoiaram essa campanha

Conseguimos \o/

Obrigado a todos os Benfeitores por mais um projeto bem sucedido. Agora, acompanhe as novidades e comentários do projeto.


POR

Vicente Alves

Vicente Alves
R$ 20
Apoiar essa campanha com R$ 20
Seja o primeiro a apoiar!
Obrigada pelo seu apoio!
R$ 50
Apoiar essa campanha com R$ 50
Seja o primeiro a apoiar!
Obrigada pelo seu apoio!
R$ 80
Apoiar essa campanha com R$ 80
1 benfeitor apoiando
Obrigada pelo seu apoio!
R$ 100
Apoiar essa campanha com R$ 100
1 benfeitor apoiando
Obrigada pelo seu apoio!
R$ 200
Apoiar essa campanha com R$ 200
Seja o primeiro a apoiar!
Obrigada pelo seu apoio!
R$ 300
Apoiar essa campanha com R$ 300
1 benfeitor apoiando
Obrigada pelo seu apoio!
R$ 500
Apoiar essa campanha com R$ 500
Seja o primeiro a apoiar!
Obrigada pelo seu apoio!
R$ 1.000
Apoiar essa campanha com R$ 1000
1 benfeitor apoiando
Obrigada pelo seu apoio!
R$ 3.000
Apoiar essa campanha com R$ 3000
Seja o primeiro a apoiar!
Obrigada pelo seu apoio!

O mapeamento das áreas mais afetadas e das famílias é realizado com coletivos e projetos sociais com experiência em atender famílias carentes e pessoas em situação de rua, como o projeto Anjos do Resgate em Itu do qual somos parceiros.

Como o valor arrecadado pretendemos distribuir cestas básicas e produtos de higiene para 10 famílias em estado de vulnerabilidade social no valor de R$400 (quatrocentos reais), atendendo cerca de 41 pessoas por um período de 3 meses. Para garantir que possamos realizar essa ação atendendo às orientações dos órgãos de saúde 25% do valor da meta será utilizado com EPI’s para as entregas, distribuição, campanhas de conscientização, transmissão das atividades desenvolvidas pelo quilombo urbano como saraus, conversas e oficinas para a comunidade através das nossas redes sociais. 15% desse valor será utilizado para manter o Quilombo urbano vivo. Devido a epidemia, o quilombo urbano Akilomba, corre o risco de perder seu espaço e morrer prematuramente, pois dependemos de eventos, vendas, e apoios para continuarmos resistindo. Para evitar aglomeração de pessoas em nosso espaço não realizaremos os eventos propostos presencialmente, mas continuaremos pagando o aluguel e as contas do espaço para não perdê-lo.

Quando ajudamos a pessoas a ficar em casa, estamos ajudando a todos.

Somos um quilombo urbano situado em Itu – SP, chamado Akilomba. Contamos hoje com 8 pessoas na nossa equipe, entre eles, artistas, produtores, educadores, psicólogos, ativistas que atuam em prol da comunidade negra que existe em Itu, no enfrentamento ao racismo e aos retrocessos políticos e de direitos. Fazemos isso através de rodas de conversas, palestras, saraus, atendimentos, eventos e oficinas.

O artista educador Vicente Alves, idealizador do projeto, vem atuando desde 2016 em setores da educação formal e não formal de forma independente ou em colaboração com outros coletivos de Itu e Salto. Atuou no Centro Cultural José Marcelo, Centro de Valorização da Criança, com oficinas de arte urbana através do CRAS de Salto de Pirapora em 2017, com crianças e adolescente em cumprimento de medida socioeducativa e em estado de vulnerabilidade social. Como Educador em Sesc Sorocaba, na FAMA Museu em 2018-2019 onde foi curador da exposição “Contramaré – poéticas do delírio”, em parceria com a CEUNSP de Salto, debatendo a saúde mental da população negra e no projeto Hip-Hop Antropófago em parceria com os Coletivos Nós por Nós (Salto) e Quinto Elemento (Itu) quando compunha o educativo da instituição.

Segundo o IBGE, há três aglomerados subnormais ituanos que somam 323 moradias irregulares, dentro das 46.545 existentes no município. Uma média de 3,8 pessoas por residência, sendo a proporção de homens iguala de mulheres.

Dentre os aglomerados, o maior é o da Vila da Paz, com 175 barracos e 620 pessoas; há também da Vila Lucinda, com 77 moradias e 345 habitantes (uma média de 4,5 moradores por casa); e a Favela Isac, com 71 residências e 260 pessoas.

Através do mapeamento realizado atenderemos as famílias que tem maior urgência, sendo consideradas condições socioeconômicas como renda (familiar e per capita), ocupação, presença de crianças, presença de idosos, participação em programas e transferência de renda do governo, moradia, entre outras.

Match-funding é como uma vaquinha turbinada: uma nova modalidade de fomento, que mistura o financiamento coletivo (ou crowd-funding) com aporte de parceiros, que multiplicam a arrecadação. Para cada R$ 1 arrecadado pelos projetos selecionados por intermédio da plataforma da Benfeitoria, o Fundo Colaborativo Enfrente contribui com mais R$ 2, até que o valor de R$30.000 seja alcançado.

O Fundo Colaborativo Enfrente, composto pela Fundação Tide Setubal e demais parceiros (vide aba “Parceiros” em benfeitoria.com/enfrente) poderá aportar o total de mais R$ 4.000.000,00 (quatro milhões de reais) para triplicar a arrecadação de campanhas de financiamento coletivo de iniciativas que enfrentem os efeitos do Coronavírus nas periferias urbanas brasileiras. Por se tratar de um Fundo Colaborativo e aberto a novos parceiros, o montante destinado a triplicação dos projetos pode ainda aumentar, possibilitando um número maior de iniciativas contempladas.

Vicente Alves ainda não publicou nenhuma notícia.

O mapeamento das áreas mais afetadas e das famílias é realizado com coletivos e projetos sociais com experiência em atender famílias carentes e pessoas em situação de rua, como o projeto Anjos do Resgate em Itu do qual somos parceiros.

Como o valor arrecadado pretendemos distribuir cestas básicas e produtos de higiene para 10 famílias em estado de vulnerabilidade social no valor de R$400 (quatrocentos reais), atendendo cerca de 41 pessoas por um período de 3 meses. Para garantir que possamos realizar essa ação atendendo às orientações dos órgãos de saúde 25% do valor da meta será utilizado com EPI’s para as entregas, distribuição, campanhas de conscientização, transmissão das atividades desenvolvidas pelo quilombo urbano como saraus, conversas e oficinas para a comunidade através das nossas redes sociais. 15% desse valor será utilizado para manter o Quilombo urbano vivo. Devido a epidemia, o quilombo urbano Akilomba, corre o risco de perder seu espaço e morrer prematuramente, pois dependemos de eventos, vendas, e apoios para continuarmos resistindo. Para evitar aglomeração de pessoas em nosso espaço não realizaremos os eventos propostos presencialmente, mas continuaremos pagando o aluguel e as contas do espaço para não perdê-lo.

Quando ajudamos a pessoas a ficar em casa, estamos ajudando a todos.

Somos um quilombo urbano situado em Itu – SP, chamado Akilomba. Contamos hoje com 8 pessoas na nossa equipe, entre eles, artistas, produtores, educadores, psicólogos, ativistas que atuam em prol da comunidade negra que existe em Itu, no enfrentamento ao racismo e aos retrocessos políticos e de direitos. Fazemos isso através de rodas de conversas, palestras, saraus, atendimentos, eventos e oficinas.

O artista educador Vicente Alves, idealizador do projeto, vem atuando desde 2016 em setores da educação formal e não formal de forma independente ou em colaboração com outros coletivos de Itu e Salto. Atuou no Centro Cultural José Marcelo, Centro de Valorização da Criança, com oficinas de arte urbana através do CRAS de Salto de Pirapora em 2017, com crianças e adolescente em cumprimento de medida socioeducativa e em estado de vulnerabilidade social. Como Educador em Sesc Sorocaba, na FAMA Museu em 2018-2019 onde foi curador da exposição “Contramaré – poéticas do delírio”, em parceria com a CEUNSP de Salto, debatendo a saúde mental da população negra e no projeto Hip-Hop Antropófago em parceria com os Coletivos Nós por Nós (Salto) e Quinto Elemento (Itu) quando compunha o educativo da instituição.

Segundo o IBGE, há três aglomerados subnormais ituanos que somam 323 moradias irregulares, dentro das 46.545 existentes no município. Uma média de 3,8 pessoas por residência, sendo a proporção de homens iguala de mulheres.

Dentre os aglomerados, o maior é o da Vila da Paz, com 175 barracos e 620 pessoas; há também da Vila Lucinda, com 77 moradias e 345 habitantes (uma média de 4,5 moradores por casa); e a Favela Isac, com 71 residências e 260 pessoas.

Através do mapeamento realizado atenderemos as famílias que tem maior urgência, sendo consideradas condições socioeconômicas como renda (familiar e per capita), ocupação, presença de crianças, presença de idosos, participação em programas e transferência de renda do governo, moradia, entre outras.

Match-funding é como uma vaquinha turbinada: uma nova modalidade de fomento, que mistura o financiamento coletivo (ou crowd-funding) com aporte de parceiros, que multiplicam a arrecadação. Para cada R$ 1 arrecadado pelos projetos selecionados por intermédio da plataforma da Benfeitoria, o Fundo Colaborativo Enfrente contribui com mais R$ 2, até que o valor de R$30.000 seja alcançado.

O Fundo Colaborativo Enfrente, composto pela Fundação Tide Setubal e demais parceiros (vide aba “Parceiros” em benfeitoria.com/enfrente) poderá aportar o total de mais R$ 4.000.000,00 (quatro milhões de reais) para triplicar a arrecadação de campanhas de financiamento coletivo de iniciativas que enfrentem os efeitos do Coronavírus nas periferias urbanas brasileiras. Por se tratar de um Fundo Colaborativo e aberto a novos parceiros, o montante destinado a triplicação dos projetos pode ainda aumentar, possibilitando um número maior de iniciativas contempladas.

Vicente Alves ainda não publicou nenhuma notícia.