[AC] Ritmo-dance Nawas |

[AC] Ritmo-dance Nawas

Ajude o negócio Ritmo-dance Nawas a continuar levando dança e ritmo dos povos indígenas do Acre à população dos povos da floresta.

Projeto por: EVELLY MARIA ARAUJO DE SOUZA
R$ 15.030,00
arrecadado
meta R$ 15.000,00

5 benfeitores
apoiaram essa campanha

Conseguimos \o/

Obrigado a todos os Benfeitores por mais um projeto bem sucedido. Agora, acompanhe as novidades e comentários do projeto.


POR

EVELLY MARIA ARAUJO DE SOUZA

EVELLY MARIA ARAUJO DE SOUZA
R$ 10
Gratidão!
1 benfeitor apoiando
Com esse valor agradecemos muito a sua colaboração. Ao final da campanha.
R$ 20
E-mail de agradecimento
1 benfeitor apoiando
Enviaremos um e-mail ao colaborador com agradecimentos personalizados.

99 disponíveis.
R$ 50
Vídeo com danças indígenas
1 benfeitor apoiando
Enviaremos um vídeo com uma dança indígena dos povos Nawas, especialmente para você.

98 disponíveis.
R$ 100
Kit de proteção individual
2 benfeitores apoiando
Com esse valor você terá direito a um kit de proteção individual personalizado com pinturas indígenas contendo: máscara, álcool em gel, sabonete artesanal em barra e um folheto explicativo sobre cuidados nessa pandemia (desenvolvido com ilustrações dos índios Nawas).

5 disponíveis.
R$ 200
Aula particular de dança online
2 benfeitores apoiando
Com esse valor você terá direito a uma aula exclusiva de ritmos da floresta através do Google meat.

8 disponíveis.

 

Estou me formando em Educação Física, sou dançarina e trabalho com pesquisa a dança dos povos da floresta, com foco em dança mais voltada para os ritmos e movimentos dos índios. Comecei a dar aulas de dança para a comunidade, baseada em uma pesquisa dentro dos ritmos da floresta, dos índios e transformar em movimento direcionado à comunidade a preços populares em Cruzeiro do Sul, juntamente com mais 04 pessoas.

Meu papel é dar vida e voz aos povos indígenas, pois acredito que tenho o dever de resgatar minha identidade e auxiliar crianças, adolescentes e jovens a descobrir suas reais origens. Eu criei o negócio há 5 anos mas foi ao longo dos últimos 3 anos que estou fazendo um resgate maior da nossa identidade indígena, pois todos somos netos ou filhos de indígenas. E a dança é libertadora de todas as formas.

Nossa história está se perdendo, os costumes ancestrais dos índios Nawas também está sendo deixado de lado. Então resolvi estudar suas danças e costumes e montar coreografias, ensinando-as em aulas particulares. Foi bem aceito e hoje tenho um pequeno negócio, com mais 4 funcionários, onde ensinamos dança voltada para os movimentos indígenas.

Como o nosso negócio era totalmente presencial, a pandemia nos afetou diretamente pois as aulas ficaram suspensas para evitar aglomeração e o negócio quase fechou. O Coronavírus nos afetou financeiramente e agora que estamos tentando retomar nossas atividades dentro das normas sanitárias de combate à pandemia. Continuar as aulas presenciais com todos os cuidados sanitários como uso de máscaras e de álcool em gel, álcool líquido para desinfetar o ambiente a cada aula e promover aulas também à distância evitando aglomerações.

 

 

Com o valor arrecadado pretendemos pagar as dívidas que acumulamos com o nosso aluguel nessa pandemia, além de garantir o sustento meu e dos funcionários, complementando a renda de todos e adequar melhor o negócio para a internet, já que podemos ter novos clientes em outras partes do Estado e até de outras regiões.

 

 

Match-funding é como uma vaquinha turbinada: uma nova modalidade de fomento, que mistura o financiamento coletivo (ou crowd-funding) com aporte de parceiros, que multiplicam a arrecadação. Para cada R$ 1 arrecadado pelos projetos selecionados por intermédio da plataforma da Benfeitoria, o Fundo Colaborativo Enfrente contribui com mais R$ 2, até que o valor de R$15.000 seja alcançado.

 

 

 

O Fundo Colaborativo Enfrente, composto pela Fundação Tide Setubal e demais parceiros (vide aba “Parceiros” em benfeitoria.com/enfrente) poderá aportar o total de mais R$ 1.500.000,00 ( um milhão e 500 mil reais) para triplicar a arrecadação de campanhas de financiamento coletivo para recuperação de micro e pequenos negócios das periferias afetados pela pandemia. O Fundo Colaborativo segue aberto para novos parceiros que desejam destinar recursos para as periferias urbanas brasileiras.

 

 

 

EVELLY MARIA ARAUJO DE SOUZA ainda não publicou nenhuma notícia.

 

Estou me formando em Educação Física, sou dançarina e trabalho com pesquisa a dança dos povos da floresta, com foco em dança mais voltada para os ritmos e movimentos dos índios. Comecei a dar aulas de dança para a comunidade, baseada em uma pesquisa dentro dos ritmos da floresta, dos índios e transformar em movimento direcionado à comunidade a preços populares em Cruzeiro do Sul, juntamente com mais 04 pessoas.

Meu papel é dar vida e voz aos povos indígenas, pois acredito que tenho o dever de resgatar minha identidade e auxiliar crianças, adolescentes e jovens a descobrir suas reais origens. Eu criei o negócio há 5 anos mas foi ao longo dos últimos 3 anos que estou fazendo um resgate maior da nossa identidade indígena, pois todos somos netos ou filhos de indígenas. E a dança é libertadora de todas as formas.

Nossa história está se perdendo, os costumes ancestrais dos índios Nawas também está sendo deixado de lado. Então resolvi estudar suas danças e costumes e montar coreografias, ensinando-as em aulas particulares. Foi bem aceito e hoje tenho um pequeno negócio, com mais 4 funcionários, onde ensinamos dança voltada para os movimentos indígenas.

Como o nosso negócio era totalmente presencial, a pandemia nos afetou diretamente pois as aulas ficaram suspensas para evitar aglomeração e o negócio quase fechou. O Coronavírus nos afetou financeiramente e agora que estamos tentando retomar nossas atividades dentro das normas sanitárias de combate à pandemia. Continuar as aulas presenciais com todos os cuidados sanitários como uso de máscaras e de álcool em gel, álcool líquido para desinfetar o ambiente a cada aula e promover aulas também à distância evitando aglomerações.

 

 

Com o valor arrecadado pretendemos pagar as dívidas que acumulamos com o nosso aluguel nessa pandemia, além de garantir o sustento meu e dos funcionários, complementando a renda de todos e adequar melhor o negócio para a internet, já que podemos ter novos clientes em outras partes do Estado e até de outras regiões.

 

 

Match-funding é como uma vaquinha turbinada: uma nova modalidade de fomento, que mistura o financiamento coletivo (ou crowd-funding) com aporte de parceiros, que multiplicam a arrecadação. Para cada R$ 1 arrecadado pelos projetos selecionados por intermédio da plataforma da Benfeitoria, o Fundo Colaborativo Enfrente contribui com mais R$ 2, até que o valor de R$15.000 seja alcançado.

 

 

 

O Fundo Colaborativo Enfrente, composto pela Fundação Tide Setubal e demais parceiros (vide aba “Parceiros” em benfeitoria.com/enfrente) poderá aportar o total de mais R$ 1.500.000,00 ( um milhão e 500 mil reais) para triplicar a arrecadação de campanhas de financiamento coletivo para recuperação de micro e pequenos negócios das periferias afetados pela pandemia. O Fundo Colaborativo segue aberto para novos parceiros que desejam destinar recursos para as periferias urbanas brasileiras.

 

 

 

EVELLY MARIA ARAUJO DE SOUZA ainda não publicou nenhuma notícia.