[DF] Saúde mental negra |

[DF] Saúde mental negra

Atendimento psicológico, ações de prevenção e autocuidado da população negra na Ceilândia e região do DF.

Projeto por: Jocilane Marques
R$ 16.221,00
arrecadado
meta R$ 29.154,00

46 benfeitores
apoiaram essa campanha

Conseguimos \o/

Obrigado a todos os Benfeitores por mais um projeto bem sucedido. Agora, acompanhe as novidades e comentários do projeto.


POR

Jocilane Marques

Jocilane Marques
R$ 20
Apoiar essa campanha com R$ 20
7 benfeitores apoiando
Obrigada pela sua colaboração!
R$ 50
Apoiar essa campanha com R$ 50
3 benfeitores apoiando
Obrigada pela sua colaboração!
R$ 80
Apoiar essa campanha com R$ 80
1 benfeitor apoiando
Obrigada pela sua colaboração!
R$ 100
Apoiar essa campanha com R$ 100
2 benfeitores apoiando
Obrigada pela sua colaboração!
R$ 200
Apoiar essa campanha com R$ 200
Seja o primeiro a apoiar!
Obrigada pela sua colaboração!
R$ 300
Apoiar essa campanha com R$ 300
Seja o primeiro a apoiar!
Obrigada pela sua colaboração!
R$ 500
Apoiar essa campanha com R$ 500
Seja o primeiro a apoiar!
Obrigada pela sua colaboração!
R$ 1.000
Apoiar essa campanha com R$ 1000
Seja o primeiro a apoiar!
Obrigada pela sua colaboração!
R$ 3.000
Apoiar essa campanha com R$ 3000
Seja o primeiro a apoiar!
Obrigada pela sua colaboração!

A iniciativa se realizará por meio de três ações, são elas: 1) 120 atendimentos terapêuticos online. 2)  Lives sobre psicoeducação com psicólogos.  3) lives sobre autocuidado com profissionais das respectivas áreas.  

Os atendimentos terapêuticos serão realizados por meio de plataformas virtuais, com o objetivo de minimizar os efeitos psicossociais da pandemia e do período de quarentena entre pessoas negras e periféricas. Serão três profissionais responsáveis pelos atendimentos e pelas lives, os atendimentos serão realizados por meio de terapia breve, acolhimento e orientação psicossocial. Cada psicólogo disponibilizará 10 atendimentos que podem ser realizados individualmente e nas atividades citadas. Os atendimentos terão a duração de 1 a 4 sessões. Os psicólogos estarão acessíveis para realizar atendimento online mediante preenchimento de formulário.

As lives sobre autocuidado dividem-se em corpo e movimento, e identidade e imagem.  

A live identidade e imagem irá apresentar por meio de um bate papo sobre tatuagem, o resgate da autoestima da população negra através da arte subcutânea, o pertencimento as artes/expressões corporais, a autonomia em empoderar se através de meios afetivos, conectando-se ao nosso patrimônio ancestral.

A live corpo e movimento irá tratar sobre a corporeidade periférica que emana signos de desvalorização, gestos como releitura de traumas físicos e psicológicos, para assim, através da terapia de movimento ressignificar os elementos de cultura e transformação.

Eu, Joice Marques, mulher, negra, nordestina e periférica iniciei meu processo dentro do movimento negro a partir da compreensão das estruturas coloniais. Filiada ao MNU desde 2016, ativa em diversas atividades. Participei da realização do primeiro encontro Distrital de Mulheres negras do DF e RIDE, que integrou a construção do Encontro Nacional de Mulheres Negras. Faço parte do coletivo Afromanas, que entre diversas ações idealizou a ocupação e afirmação do espaço cultural Casa Akotirene, em que sou gestora desde 2019.

Casa Akotirene é um Quilombo Urbano, localizado em Ceilândia Norte e tem como premissa de conceituação um local de resistência preta, feminina e LGBTQI. O espaço físico foi criado no início de 2019, surgindo através da organização de mulheres negras do coletivo Afromanas (Jusianne Castilho, Joice Marques e Aline Karina) em que se percebeu a necessidade de uma estrutura para concretizar ações e dialogar com a comunidade negra local na construção de suas próprias narrativas e desenvolvimento de identidade afro-brasileira.

O impacto direto e indireto será em três regiões:  A Ceilândia, no qual sou moradora e gestora da Casa Akotirene, possui uma população de 432.927 pessoas, com renda de 1 a 2 salários mínimos e com 65,1% negros, segundo a PDAD 2018. O Sol Nascente e Pôr do Sol juntas possuem 78.912 moradores (IBGE/2010), juntas formam a maior favela do Brasil. E Samambaia região administrativa que possui 65% de negros, segundo dados da SEEDF 2018. Teve início em 1985, com a remoção de áreas ocupadas irregulares.

Os principais desafios de enfrentamento contra o COVID-19 é promover informações de cuidado e prevenção contra a proliferação do vírus, principalmente nas periferias onde a realidade do descaso esta escancarada em tempos de pandemia. As ações de promoção a saúde mental em tempos de isolamento, e o acesso a alimentação, para esse grupo de pessoas que estão sofrendo os efeitos do COVID-19 são desafios urgentes. 

Match-funding é como uma vaquinha turbinada: uma nova modalidade de fomento, que mistura o financiamento coletivo (ou crowd-funding) com aporte de parceiros, que multiplicam a arrecadação. Para cada R$ 1 arrecadado pelos projetos selecionados por intermédio da plataforma da Benfeitoria, o Fundo Colaborativo Enfrente contribui com mais R$ 2, até que o valor de R$30.000 seja alcançado.

 Fundo Colaborativo Enfrente, composto pela Fundação Tide Setubal e demais parceiros (vide aba “Parceiros” em benfeitoria.com/enfrente) poderá aportar o total de mais R$ 4.000.000,00 (quatro milhões de reais) para triplicar a arrecadação de campanhas de financiamento coletivo de iniciativas que enfrentem os efeitos do Coronavírus nas periferias urbanas brasileiras. Por se tratar de um Fundo Colaborativo e aberto a novos parceiros, o montante destinado a triplicação dos projetos pode ainda aumentar, possibilitando um número maior de iniciativas contempladas.

COLABORAÇÕES EXTERNAS

R$1.000,00

colaborador

A campanha [DF] Saúde mental negra captou os valores acima através de ações de arrecadação independentes, ou seja, fora da plataforma Benfeitoria. Ficou com dúvidas? Clique aqui

Jocilane Marques ainda não publicou nenhuma notícia.

A iniciativa se realizará por meio de três ações, são elas: 1) 120 atendimentos terapêuticos online. 2)  Lives sobre psicoeducação com psicólogos.  3) lives sobre autocuidado com profissionais das respectivas áreas.  

Os atendimentos terapêuticos serão realizados por meio de plataformas virtuais, com o objetivo de minimizar os efeitos psicossociais da pandemia e do período de quarentena entre pessoas negras e periféricas. Serão três profissionais responsáveis pelos atendimentos e pelas lives, os atendimentos serão realizados por meio de terapia breve, acolhimento e orientação psicossocial. Cada psicólogo disponibilizará 10 atendimentos que podem ser realizados individualmente e nas atividades citadas. Os atendimentos terão a duração de 1 a 4 sessões. Os psicólogos estarão acessíveis para realizar atendimento online mediante preenchimento de formulário.

As lives sobre autocuidado dividem-se em corpo e movimento, e identidade e imagem.  

A live identidade e imagem irá apresentar por meio de um bate papo sobre tatuagem, o resgate da autoestima da população negra através da arte subcutânea, o pertencimento as artes/expressões corporais, a autonomia em empoderar se através de meios afetivos, conectando-se ao nosso patrimônio ancestral.

A live corpo e movimento irá tratar sobre a corporeidade periférica que emana signos de desvalorização, gestos como releitura de traumas físicos e psicológicos, para assim, através da terapia de movimento ressignificar os elementos de cultura e transformação.

Eu, Joice Marques, mulher, negra, nordestina e periférica iniciei meu processo dentro do movimento negro a partir da compreensão das estruturas coloniais. Filiada ao MNU desde 2016, ativa em diversas atividades. Participei da realização do primeiro encontro Distrital de Mulheres negras do DF e RIDE, que integrou a construção do Encontro Nacional de Mulheres Negras. Faço parte do coletivo Afromanas, que entre diversas ações idealizou a ocupação e afirmação do espaço cultural Casa Akotirene, em que sou gestora desde 2019.

Casa Akotirene é um Quilombo Urbano, localizado em Ceilândia Norte e tem como premissa de conceituação um local de resistência preta, feminina e LGBTQI. O espaço físico foi criado no início de 2019, surgindo através da organização de mulheres negras do coletivo Afromanas (Jusianne Castilho, Joice Marques e Aline Karina) em que se percebeu a necessidade de uma estrutura para concretizar ações e dialogar com a comunidade negra local na construção de suas próprias narrativas e desenvolvimento de identidade afro-brasileira.

O impacto direto e indireto será em três regiões:  A Ceilândia, no qual sou moradora e gestora da Casa Akotirene, possui uma população de 432.927 pessoas, com renda de 1 a 2 salários mínimos e com 65,1% negros, segundo a PDAD 2018. O Sol Nascente e Pôr do Sol juntas possuem 78.912 moradores (IBGE/2010), juntas formam a maior favela do Brasil. E Samambaia região administrativa que possui 65% de negros, segundo dados da SEEDF 2018. Teve início em 1985, com a remoção de áreas ocupadas irregulares.

Os principais desafios de enfrentamento contra o COVID-19 é promover informações de cuidado e prevenção contra a proliferação do vírus, principalmente nas periferias onde a realidade do descaso esta escancarada em tempos de pandemia. As ações de promoção a saúde mental em tempos de isolamento, e o acesso a alimentação, para esse grupo de pessoas que estão sofrendo os efeitos do COVID-19 são desafios urgentes. 

Match-funding é como uma vaquinha turbinada: uma nova modalidade de fomento, que mistura o financiamento coletivo (ou crowd-funding) com aporte de parceiros, que multiplicam a arrecadação. Para cada R$ 1 arrecadado pelos projetos selecionados por intermédio da plataforma da Benfeitoria, o Fundo Colaborativo Enfrente contribui com mais R$ 2, até que o valor de R$30.000 seja alcançado.

 Fundo Colaborativo Enfrente, composto pela Fundação Tide Setubal e demais parceiros (vide aba “Parceiros” em benfeitoria.com/enfrente) poderá aportar o total de mais R$ 4.000.000,00 (quatro milhões de reais) para triplicar a arrecadação de campanhas de financiamento coletivo de iniciativas que enfrentem os efeitos do Coronavírus nas periferias urbanas brasileiras. Por se tratar de um Fundo Colaborativo e aberto a novos parceiros, o montante destinado a triplicação dos projetos pode ainda aumentar, possibilitando um número maior de iniciativas contempladas.

Jocilane Marques ainda não publicou nenhuma notícia.