Tecelãs e Bordadeiras do Jequitinhonha |

Tecelãs e Bordadeiras do Jequitinhonha

Ajude a preservar 2 saberes tradicionais do Jequitinhonha (MG), bordar e tecer, atividades que geram renda, inclusão social e fortalecimento da cultura local.

Projeto por: AJENAI – Associação Jenipapense de Assistência à Infância
R$ 15.100,00
arrecadado
meta R$ 17.500,00

110
benfeitores

86%
arrecadado

8
dias restantes

É tudo ou nada! Precisamos bater a meta até 20/12/2018 - 23:59

POR

AJENAI – Associação Jenipapense de Assistência à Infância

AJENAI – Associação Jenipapense de Assistência à Infância

R$ 30
Oba!
13 benfeitores apoiando
Seu nome como um dos patrocinadores na página do projeto no Facebook e Instagram.
R$ 50
Oba! Oba!
46 benfeitores apoiando
- Seu nome como um dos patrocinadores na página do projeto no Facebook e Instagram. - Um patuá da sorte, bordado à mão, aromatizado com plantas do cerrado.
R$ 100
Muito agradecida!
23 benfeitores apoiando
- Seu nome como um dos patrocinadores na página do projeto no Facebook e Instagram. - Quatro novelinhos de algodão natural, tingidos com pigmentos naturais do cerrado (não inclui frete)
R$ 250
Gratidão!
14 benfeitores apoiando
- Seu nome como um dos patrocinadores na página do projeto no Facebook e Instagram. - Uma bolsa de tear, feita à mão (não inclui frete)
R$ 500
Nem acredito!
4 benfeitores apoiando
- Seu nome como um dos patrocinadores na página do projeto no Facebook e Instagram. - Uma quadrinho bordado à mão para sua casa (não inclui frete)
R$ 850
Ai, que maravilha!
Seja o primeiro a apoiar!
- Seu nome como um dos patrocinadores na página do projeto no Facebook e Instagram. - Um estandarte bordado de Natal (não inclui frete)
R$ 1.000
Vou desmaiar!
1 benfeitor apoiando
- Seu nome como um dos patrocinadores na página do projeto no Facebook e Instagram. - Um tapete de banheiro feito no tear (não inclui frete)
R$ 2.500
Nem tem como agradecer!
1 benfeitor apoiando
- Seu nome como um dos patrocinadores na página do projeto no Facebook e Instagram. - Uma toalha de mesa feita no tear (não inclui frete)

O projeto:

As bordadeiras do Curtume e as tecelãs de Tocoiós, do Médio Jequitinhonha (MG),  são dois grupos de trabalho e de convivência, que contam com o apoio da empreendedora social Viviane Fortes e da Ajenai (ONG referência no Vale do Jequitinhonha).

O resultado deste projeto é geração de renda e inclusão social. E não menos importante, o empoderamento das mulheres, que permite resgatar muitas delas da depressão, conectá-las com o mundo externo e diminuir assim a sensação de abandono, valorizando o saber e a cultura local.

Os grupos contaram com a ajuda voluntária de diversos profissionais, como arquitetos, designers de moda, artistas e fotógrafos.  O resultado foi a construção de um galpão de trabalho digno para as tecelãs de Tocoiós e a producão de uma primeira coleção de bordados do Curtume, exibida na Semana de Design de Tiradentes.

Agora, precisamos da sua ajuda para que este projeto não acabe.

Hoje, precisamos da sua ajuda para a continuidade do projeto. Falta o básico: material de trabalho (linhas, agulhas, tecidos etc.). Contamos com sua ajuda para que este projeto não acabe, e que as atividades de bordar e tecer possam prosseguir dentro de uma proposta que lhe permita se tornar auto-sustentável.

Para tanto, dividimos o projeto em três etapas:

1. Compra de material para a produção de uma nova coleção, que será comercializada;

2. Formação e capacitação (desenvolvimento criativo, resgate das técnicas tradicionais e incentivo do trabalho autoral com foco no cultura local); 

3. Construção dos meios digitais  de divulgação e de venda dos trabalhos, com capacitação das mulheres para gestão destas ferramentas.

As bordadeiras do Curtume:

A partir de desenhos autorais,  as bordadeiras compartilham a vida e a memória do Jequitinhonha, a seca, a vegetação, o trabalho na roça, as rodas de dança e a música, a solidão e a fé. Tendo o ponto cheio como técnica, os bordados são um testemunho da potência criativa e produtiva destas mulheres.

As tecelãs de Tocoiós:

Não há quem deixe de se emocionar ao conhecer as tecelãs de Tocoiós e seu trabalho. Com o sorriso estampado, cantando e jogando verso, elas colhem e  descaroçam o algodão, depois batem, fiam, urdem e tingem o fio, usando cascas e raízes de plantas da região.  

 

Batalhadoras, elas mesmas colocaram as mãos na massa e em mutirão construíram o galpão para os teares,  onde elas se encontram para trabalhar.

Como o dinheiro arrecadado será gasto:

Sobre o Médio Jequitinhonha:

Situado no norte de Minas Gerais, o Vale do Jequitinhonha é uma região isolada - Araçuaí, a maior cidade do médio Jequitinhonha, está a 600 km da capital mais próxima, Belo Horizonte.

Com oito meses de seca por ano, 62% da população vive em situação de pobreza e 33% de extrema pobreza (fonte: ALMG).

Por causa da falta de água e sem oportunidade de trabalho local, 25 mil pessoas deixam a região, anualmente, em busca de trabalho. São os homens que partem (geralmente para trabalhar no corte de cana), deixando a família para trás com a promessa de voltar no fim do ano. Nem sempre isso acontece.

São essas mulheres as beneficiadas deste projeto. Venha fazer parte dessa linda história!

 

Acompanhe o projeto nas redes sociais:

Instagram: @tecelas_bordadeiras

Facebook : www.facebook.com/tecelasebordadeiras

Todas as fotos por Livia Queiroz

O projeto:

As bordadeiras do Curtume e as tecelãs de Tocoiós, do Médio Jequitinhonha (MG),  são dois grupos de trabalho e de convivência, que contam com o apoio da empreendedora social Viviane Fortes e da Ajenai (ONG referência no Vale do Jequitinhonha).

O resultado deste projeto é geração de renda e inclusão social. E não menos importante, o empoderamento das mulheres, que permite resgatar muitas delas da depressão, conectá-las com o mundo externo e diminuir assim a sensação de abandono, valorizando o saber e a cultura local.

Os grupos contaram com a ajuda voluntária de diversos profissionais, como arquitetos, designers de moda, artistas e fotógrafos.  O resultado foi a construção de um galpão de trabalho digno para as tecelãs de Tocoiós e a producão de uma primeira coleção de bordados do Curtume, exibida na Semana de Design de Tiradentes.

Agora, precisamos da sua ajuda para que este projeto não acabe.

Hoje, precisamos da sua ajuda para a continuidade do projeto. Falta o básico: material de trabalho (linhas, agulhas, tecidos etc.). Contamos com sua ajuda para que este projeto não acabe, e que as atividades de bordar e tecer possam prosseguir dentro de uma proposta que lhe permita se tornar auto-sustentável.

Para tanto, dividimos o projeto em três etapas:

1. Compra de material para a produção de uma nova coleção, que será comercializada;

2. Formação e capacitação (desenvolvimento criativo, resgate das técnicas tradicionais e incentivo do trabalho autoral com foco no cultura local); 

3. Construção dos meios digitais  de divulgação e de venda dos trabalhos, com capacitação das mulheres para gestão destas ferramentas.

As bordadeiras do Curtume:

A partir de desenhos autorais,  as bordadeiras compartilham a vida e a memória do Jequitinhonha, a seca, a vegetação, o trabalho na roça, as rodas de dança e a música, a solidão e a fé. Tendo o ponto cheio como técnica, os bordados são um testemunho da potência criativa e produtiva destas mulheres.

As tecelãs de Tocoiós:

Não há quem deixe de se emocionar ao conhecer as tecelãs de Tocoiós e seu trabalho. Com o sorriso estampado, cantando e jogando verso, elas colhem e  descaroçam o algodão, depois batem, fiam, urdem e tingem o fio, usando cascas e raízes de plantas da região.  

 

Batalhadoras, elas mesmas colocaram as mãos na massa e em mutirão construíram o galpão para os teares,  onde elas se encontram para trabalhar.

Como o dinheiro arrecadado será gasto:

Sobre o Médio Jequitinhonha:

Situado no norte de Minas Gerais, o Vale do Jequitinhonha é uma região isolada - Araçuaí, a maior cidade do médio Jequitinhonha, está a 600 km da capital mais próxima, Belo Horizonte.

Com oito meses de seca por ano, 62% da população vive em situação de pobreza e 33% de extrema pobreza (fonte: ALMG).

Por causa da falta de água e sem oportunidade de trabalho local, 25 mil pessoas deixam a região, anualmente, em busca de trabalho. São os homens que partem (geralmente para trabalhar no corte de cana), deixando a família para trás com a promessa de voltar no fim do ano. Nem sempre isso acontece.

São essas mulheres as beneficiadas deste projeto. Venha fazer parte dessa linda história!

 

Acompanhe o projeto nas redes sociais:

Instagram: @tecelas_bordadeiras

Facebook : www.facebook.com/tecelasebordadeiras

Todas as fotos por Livia Queiroz

AJENAI – Associação Jenipapense de Assistência à Infância ainda não publicou nenhuma notícia.