[RJ] União Coletiva pela Zona Oeste! |

[RJ] União Coletiva pela Zona Oeste!

Colabore para ajudar as famílias mais vulneráveis da periferia da Zona Oeste do Rio de Janeiro com alimentação, higiene e prevenção, durante a pandemia.

Projeto por: Dayane Medeiros Ferreira
R$ 30.770,00
arrecadado
meta R$ 30.000,00

36 benfeitores
apoiaram essa campanha

Conseguimos \o/

Obrigado a todos os Benfeitores por mais um projeto bem sucedido. Agora, acompanhe as novidades e comentários do projeto.


POR

Dayane Medeiros Ferreira

Dayane Medeiros Ferreira
R$ 20
Colabore com R$ 20!
4 benfeitores apoiando
Obrigada pelo seu apoio!
R$ 50
Colabore com R$ 50!
Seja o primeiro a apoiar!
Obrigada pelo seu apoio!
R$ 100
Colabore com R$ 100!
7 benfeitores apoiando
Obrigada pelo seu apoio!
R$ 300
Colabore com R$ 300!
2 benfeitores apoiando
Obrigada pelo seu apoio!
R$ 500
Colabore com R$ 500!
3 benfeitores apoiando
Obrigada pelo seu apoio!
R$ 1.000
Colabore com R$ 1000!
2 benfeitores apoiando
Obrigada pelo seu apoio!
R$ 3.000
Colabore com R$ 3000!
Seja o primeiro a apoiar!
Obrigada pelo seu apoio!

Para manter o apoio às famílias que mapeamos nesse primeiro mês de enfrentamento ao Covid-19 nas periferias da Zona Oeste, todas as ações permanecerão sendo feitas de maneira responsável, desde o mapeamento até a entrega das cestas básicas e itens de higiene. Nossa estratégia é acompanhar como prioridade as famílias que por diversas razões não conseguiram apoio emergencial do governo - muitas famílias que cadastramos não possuem documentação, por exemplo, e precisam ser assistidas.

Avaliamos durante essa primeira experiência que precisamos atender às seguintes demandas:

  • Financiar materiais de segurança como máscaras, luvas e toucas para a equipe.
  • Arrecadar doações e comprar alimentos e materiais de higiene suplentes aos números que serão atendidos.
  • Custear o combustível e meios de locomoção para transportar as doações e a equipe de forma segura.
  • Pleitear uma ajuda de custo para parte da equipe que já vem trabalhando na linha de frente de forma voluntária e que também se encontra em situação de vulnerabilidade.

A União coletiva da Zona Oeste, surgiu na necessidade do enfrentamento das consequências do coronavírus na periferia da periferia do Rio de Janeiro. Juntos, os coletivos em sua maioria culturais e educacionais, mapearam mais de 2.000 famílias em situação de extrema vulnerabilidade social, nos bairros de Santa Cruz, Paciência e Sepetiba.

Nesse primeiro mês de quarentena fizemos o atendimento emergencial de cestas básicas, kits de higiene, ações de prevenção e conscientização, subvertendo a falta de acesso destas famílias a uma estrutura básica que sempre foi negada pelos governos e agravada durante a pandemia.

Acreditamos na importância de um trabalho de resistência coletiva,  responsável e sensível aos que queremos contemplar.

As Organizações que compõe a União Coletiva da Zona Oeste são:

  • As Mariamas
  • Plataforma CASA
  • Coletivo Maria Trindade
  • Coletivo Piracema
  • Ong Criar e Transformar
  • Cultura Zona Oeste
  • Espaço Cultural A Era do Rádio
  • Projeto Esperança para uma criança de Vila Paciência

Nessa campanha queremos prover assistência continuada às famílias mais vulneráveis dentre mapeadas, principalmente as que não conseguiram os benefícios de auxílio emergencial dos programas governamentais, e as que são geridas por mulheres e idosos.

O eixo Santa Cruz, Paciência e Sepetiba engloba as comunidades: Conjunto Cesarão, Ocupação Jesuítas, Favela do Aço/Vila Paciência, Urucânia, Complexo João XXIII, Nova Sepetiba, Portelinha , Conjunto Santa Veridiana, Favela do Rolas e Antares.

A crise mundial imposta pelo Covid-19 intensifica ainda mais a situação de “periferia das periferias” do eixo Santa Cruz, pois pouco se fala dele nas mídias como um espaço pertencente à cidade do Rio de Janeiro. Somado a isso, o descaso com essas comunidades perpetua a desinformação entre os moradores, que não aderem ao isolamento, sob a justificativa de não terem moradia adequada, condições sanitárias e comida dentro de casa, além de acreditarem que se trata de uma “doença de rico”.

Match-funding é como uma vaquinha turbinada: uma nova modalidade de fomento, que mistura o financiamento coletivo (ou crowd-funding) com aporte de parceiros, que multiplicam a arrecadação. Para cada R$ 1 arrecadado pelos projetos selecionados por intermédio da plataforma da Benfeitoria, o Fundo Colaborativo Enfrente contribui com mais R$ 2, até que o valor de R$30.000 seja alcançado.

O Fundo Colaborativo Enfrente, composto pela Fundação Tide Setubal e demais parceiros (vide aba “Parceiros” em benfeitoria.com/enfrente) poderá aportar o total de mais R$ 4.000.000,00 (quatro milhões de reais) para triplicar a arrecadação de campanhas de financiamento coletivo de iniciativas que enfrentem os efeitos do Coronavírus nas periferias urbanas brasileiras. Por se tratar de um Fundo Colaborativo e aberto a novos parceiros, o montante destinado a triplicação dos projetos pode ainda aumentar, possibilitando um número maior de iniciativas contempladas.

Dayane Medeiros Ferreira ainda não publicou nenhuma notícia.

Para manter o apoio às famílias que mapeamos nesse primeiro mês de enfrentamento ao Covid-19 nas periferias da Zona Oeste, todas as ações permanecerão sendo feitas de maneira responsável, desde o mapeamento até a entrega das cestas básicas e itens de higiene. Nossa estratégia é acompanhar como prioridade as famílias que por diversas razões não conseguiram apoio emergencial do governo - muitas famílias que cadastramos não possuem documentação, por exemplo, e precisam ser assistidas.

Avaliamos durante essa primeira experiência que precisamos atender às seguintes demandas:

  • Financiar materiais de segurança como máscaras, luvas e toucas para a equipe.
  • Arrecadar doações e comprar alimentos e materiais de higiene suplentes aos números que serão atendidos.
  • Custear o combustível e meios de locomoção para transportar as doações e a equipe de forma segura.
  • Pleitear uma ajuda de custo para parte da equipe que já vem trabalhando na linha de frente de forma voluntária e que também se encontra em situação de vulnerabilidade.

A União coletiva da Zona Oeste, surgiu na necessidade do enfrentamento das consequências do coronavírus na periferia da periferia do Rio de Janeiro. Juntos, os coletivos em sua maioria culturais e educacionais, mapearam mais de 2.000 famílias em situação de extrema vulnerabilidade social, nos bairros de Santa Cruz, Paciência e Sepetiba.

Nesse primeiro mês de quarentena fizemos o atendimento emergencial de cestas básicas, kits de higiene, ações de prevenção e conscientização, subvertendo a falta de acesso destas famílias a uma estrutura básica que sempre foi negada pelos governos e agravada durante a pandemia.

Acreditamos na importância de um trabalho de resistência coletiva,  responsável e sensível aos que queremos contemplar.

As Organizações que compõe a União Coletiva da Zona Oeste são:

  • As Mariamas
  • Plataforma CASA
  • Coletivo Maria Trindade
  • Coletivo Piracema
  • Ong Criar e Transformar
  • Cultura Zona Oeste
  • Espaço Cultural A Era do Rádio
  • Projeto Esperança para uma criança de Vila Paciência

Nessa campanha queremos prover assistência continuada às famílias mais vulneráveis dentre mapeadas, principalmente as que não conseguiram os benefícios de auxílio emergencial dos programas governamentais, e as que são geridas por mulheres e idosos.

O eixo Santa Cruz, Paciência e Sepetiba engloba as comunidades: Conjunto Cesarão, Ocupação Jesuítas, Favela do Aço/Vila Paciência, Urucânia, Complexo João XXIII, Nova Sepetiba, Portelinha , Conjunto Santa Veridiana, Favela do Rolas e Antares.

A crise mundial imposta pelo Covid-19 intensifica ainda mais a situação de “periferia das periferias” do eixo Santa Cruz, pois pouco se fala dele nas mídias como um espaço pertencente à cidade do Rio de Janeiro. Somado a isso, o descaso com essas comunidades perpetua a desinformação entre os moradores, que não aderem ao isolamento, sob a justificativa de não terem moradia adequada, condições sanitárias e comida dentro de casa, além de acreditarem que se trata de uma “doença de rico”.

Match-funding é como uma vaquinha turbinada: uma nova modalidade de fomento, que mistura o financiamento coletivo (ou crowd-funding) com aporte de parceiros, que multiplicam a arrecadação. Para cada R$ 1 arrecadado pelos projetos selecionados por intermédio da plataforma da Benfeitoria, o Fundo Colaborativo Enfrente contribui com mais R$ 2, até que o valor de R$30.000 seja alcançado.

O Fundo Colaborativo Enfrente, composto pela Fundação Tide Setubal e demais parceiros (vide aba “Parceiros” em benfeitoria.com/enfrente) poderá aportar o total de mais R$ 4.000.000,00 (quatro milhões de reais) para triplicar a arrecadação de campanhas de financiamento coletivo de iniciativas que enfrentem os efeitos do Coronavírus nas periferias urbanas brasileiras. Por se tratar de um Fundo Colaborativo e aberto a novos parceiros, o montante destinado a triplicação dos projetos pode ainda aumentar, possibilitando um número maior de iniciativas contempladas.

Dayane Medeiros Ferreira ainda não publicou nenhuma notícia.