[MG] Venas Abiertas: um salve na quarentena! |

[MG] Venas Abiertas: um salve na quarentena!

Colabore com a Editora Venas Abiertas e faça a literatura "De quebrada" circular através de outra antologia literária.

Projeto por: Karine Silva Oliveira
R$ 7.410,00
arrecadado
meta R$ 15.000,00

9
benfeitores

49%
arrecadado

8
dias restantes

PARCELE SEU PAGAMENTO EM ATÉ 6 VEZES

Ajude-nos a bater nossa meta até 01/08/2021 - 23:59


POR

Karine Silva Oliveira

Karine Silva Oliveira
R$ 10
Apoiador Sensível
2 benfeitores apoiando
Agradecimentos
R$ 30
Apoiador Curioso
1 benfeitor apoiando
Agradecimentos, Uma carta enviada pelos correios, Dois Marcapáginas e um cartão postal. *O frete é por nossa conta!
R$ 60
Apoiador Comprador
2 benfeitores apoiando
Livro Coletivoz *O frete é por nossa conta!

38 disponíveis.
R$ 100
Apoiador Comprador: dois livros!
3 benfeitores apoiando
Livro Coletivoz + Livro Identidades *O frete é por nossa conta!

37 disponíveis.
R$ 180
Kit 1
Seja o primeiro a apoiar!
Raízes Resistência Histórica + Raízes Resgate Ancestral + Ancestralidades + afrogênese. *O frete é por nossa conta!

10 disponíveis.
R$ 450
Kit 2
Seja o primeiro a apoiar!
Coleção I, Mulherio das Letras *O frete é por nossa conta!

10 disponíveis.

Não encontrou o que queria?

Outro valor

A Editora Venas Abiertas é uma editora popular de caráter sociocultural, que foi idealizada e fundada pela professora, escritora e arte-educadora, Karine Bassi.

Nasce em 2018 como um novo selo fomentador da literatura produzida por figuras à margem do mercado editorial, valorizando e disseminando a literatura produzida por mulheres, negres, LGBTQIA+ e periférics. Uma literatura insurgente das periferias a muito tempo invisibilizadas, esta que tem sido um potencializador, como  aponta Conceição Evaristo, de muitas escrevivências. Essa Literatura muitas vezes silenciada, excluída e marginalizada dos grandes circuitos culturais no país e que se faz necessária para o rompimento de ideal eurocêntrico e canônico.

Deste modo, em dois anos de atuação, a Venas Abiertas já oportunizou mais de 150 escritoras/es à publicarem seus livros pela primeira vez, seja de forma  independente ou colaborativa, em antologias ou individuais. Além de possibilitar que escritores à margem acessem o mercado editorial também tem fortalecido no empoderamento comunitário, gerando renda e proporcionando a inserção de novos profissionais independentes e periféricos na cadeia editorial, como revisores, ilustradores, artistas visuais, designer gráficos, comunicadores, entre outros. Como construção coletiva de âmbito sociocultural, a Venas Abiertas realizou também diversas atividades com intuito de potencializar a formação de leitores, sobretudo em parceria com o Coletivoz - Sarau de Periferia, realizando oficinas, rodas de conversa e espaços voltados para debates etc. Ou seja, são diversas produções artísticas e culturais em parceria com educadores e mobilizadores fortalecendo a produção cultural local e incentivando a participação ativa de pessoas socialmente invisibilizadas. Uma das ações realizadas recentemente foi o “de quebrada pra quebrada”, um projeto realizado em parceria com a Casa de Cultura Coletivoz e o Fundo Enfrente, que distribuiu mais de 60 cestas básicas para artistas que tiveram sua renda comprometida devido o isolamento social provocado pela pandemia do Novo Coronavírus. Além das cestas básicas, a editora produziu a Antologia “Ócios no Ofício”, onde estes artistas participaram com textos e imagens, sendo uma tiragem de 2.500 exemplares distribuída em igual parte para cada participante a fim de fortalecer suas rendas.

Por seu caráter social a Venas Abiertas pratica valores muito aquém do mercado, investe em muitos projetos, cria e recria possibilidades de publicação e distribuição dos livros. As publicações acontecem em caráter colaborativo, mas em alguns casos, é feita com um aporte financeiro destinado.  Devido a crise do Novo Coronavirus, diversos autores(a) que publicaram com suporte financeiro da Editora se encontraram em situação de vulnerabilidade social agravada e sequer conseguiram vender seus produtos. Diante deste cenário a Editora Venas Abiertas também se encontrou em semelhante situação. As antologias literárias tem sido um dos caminhos que integram as ações de recuperação e fortalecimento desse nosso patrimônio.

E por último, mas não menos importante, todas as ações que forem necessárias acontecer de forma presencial, terão controle e organização a fim de garantir distanciamento social, produtos de higiene e limpeza pessoal, álcool 70%, máscaras entre outras. Os eventos acontecerão de forma virtual.

Venas Abiertas no Rolê Nas Gerais. Quem somos nós, nossos valores e qual a importância desse movimento?
https://www.youtube.com/watch?v=VH1JkjskW70

Um salve na Quarentena: De quebrada pra quebrada leva cestas básicas para artistas marginais das periferiferias de Belo Horizonte e Região Metropolitana.
https://www.youtube.com/watch?v=E1oOU9D3bQQ

Coleção I, Mulherio das Letras: Coleção finalista no 62º Prêmio Jabuti, na categoria Inovação. A importância de Mulheres na Literatura.
https://www.youtube.com/watch?v=DBsTxLaU9Fs

 

Pretende-se, com o valor arrecadado, a produção de uma antologia literária com escritores marginais periféricos de Belo Horizonte e RM, ofertando a estes o material como produto para venda e arrecadação pessoal em distribuição igualitária para todas(os) participantes. Também é proposto custear o pagamento de profissionais e produtos.

Por fim, teremos um rico material de distribuição online em plataforma digital com o retorno em audiovisual dessa que é uma atividade cultural permanente para escritoras/es das periferias e outros corpos invisibilizades no mercado editoral, como mulheres, negres, LGBTQIA+; se tornando um projeto que faz repensar a identidade; praticando e exercitando a produção colaborativa, o diálogo entre comunidade e centro, entre escritoras/es e leitoras/es.

O objetivo é o de fortalecer o empoderamento comunitário garantindo o pagamento (salário) de profissionais independentes e periféricos que junto à editora, tem atuado na cadeia editorial, como revisores, ilustradores, artistas visuais, designer gráficos, comunicadores... além das gráficas e dos próprios autores que são moradores das periferias.

Para que a campanha tenha maior acesso e venha possibilitar que novos leitores conheçam a história e todo potencial da Editora, foram criados diversos kits com livros publicados por nós, que permanecem em estoque e que serão distribuídos como brindes à todes que contribuirem para a continuidade e fortalecimento da Editora Venas Abiertas.

Match-funding é como uma vaquinha turbinada: uma nova modalidade de fomento, que mistura o financiamento coletivo (ou crowd-funding) com aporte de parceiros, que multiplicam a arrecadação. Para cada R$ 1 arrecadado pelos projetos selecionados por intermédio da plataforma da Benfeitoria, o Fundo Colaborativo Enfrente contribui com mais R$ 2, até que o valor de R$15.000 seja alcançado.

O Fundo Colaborativo Enfrente, composto pela Fundação Tide Setubal e demais parceiros (vide aba “Parceiros” em benfeitoria.com/enfrente) poderá aportar o total de mais R$ 1.500.000,00 ( um milhão e 500 mil reais) para triplicar a arrecadação de campanhas de financiamento coletivo para recuperação de micro e pequenos negócios das periferias afetados pela pandemia. O Fundo Colaborativo segue aberto para novos parceiros que desejam destinar recursos para as periferias urbanas brasileiras.

Karine Silva Oliveira ainda não publicou nenhuma notícia.

A Editora Venas Abiertas é uma editora popular de caráter sociocultural, que foi idealizada e fundada pela professora, escritora e arte-educadora, Karine Bassi.

Nasce em 2018 como um novo selo fomentador da literatura produzida por figuras à margem do mercado editorial, valorizando e disseminando a literatura produzida por mulheres, negres, LGBTQIA+ e periférics. Uma literatura insurgente das periferias a muito tempo invisibilizadas, esta que tem sido um potencializador, como  aponta Conceição Evaristo, de muitas escrevivências. Essa Literatura muitas vezes silenciada, excluída e marginalizada dos grandes circuitos culturais no país e que se faz necessária para o rompimento de ideal eurocêntrico e canônico.

Deste modo, em dois anos de atuação, a Venas Abiertas já oportunizou mais de 150 escritoras/es à publicarem seus livros pela primeira vez, seja de forma  independente ou colaborativa, em antologias ou individuais. Além de possibilitar que escritores à margem acessem o mercado editorial também tem fortalecido no empoderamento comunitário, gerando renda e proporcionando a inserção de novos profissionais independentes e periféricos na cadeia editorial, como revisores, ilustradores, artistas visuais, designer gráficos, comunicadores, entre outros. Como construção coletiva de âmbito sociocultural, a Venas Abiertas realizou também diversas atividades com intuito de potencializar a formação de leitores, sobretudo em parceria com o Coletivoz - Sarau de Periferia, realizando oficinas, rodas de conversa e espaços voltados para debates etc. Ou seja, são diversas produções artísticas e culturais em parceria com educadores e mobilizadores fortalecendo a produção cultural local e incentivando a participação ativa de pessoas socialmente invisibilizadas. Uma das ações realizadas recentemente foi o “de quebrada pra quebrada”, um projeto realizado em parceria com a Casa de Cultura Coletivoz e o Fundo Enfrente, que distribuiu mais de 60 cestas básicas para artistas que tiveram sua renda comprometida devido o isolamento social provocado pela pandemia do Novo Coronavírus. Além das cestas básicas, a editora produziu a Antologia “Ócios no Ofício”, onde estes artistas participaram com textos e imagens, sendo uma tiragem de 2.500 exemplares distribuída em igual parte para cada participante a fim de fortalecer suas rendas.

Por seu caráter social a Venas Abiertas pratica valores muito aquém do mercado, investe em muitos projetos, cria e recria possibilidades de publicação e distribuição dos livros. As publicações acontecem em caráter colaborativo, mas em alguns casos, é feita com um aporte financeiro destinado.  Devido a crise do Novo Coronavirus, diversos autores(a) que publicaram com suporte financeiro da Editora se encontraram em situação de vulnerabilidade social agravada e sequer conseguiram vender seus produtos. Diante deste cenário a Editora Venas Abiertas também se encontrou em semelhante situação. As antologias literárias tem sido um dos caminhos que integram as ações de recuperação e fortalecimento desse nosso patrimônio.

E por último, mas não menos importante, todas as ações que forem necessárias acontecer de forma presencial, terão controle e organização a fim de garantir distanciamento social, produtos de higiene e limpeza pessoal, álcool 70%, máscaras entre outras. Os eventos acontecerão de forma virtual.

Venas Abiertas no Rolê Nas Gerais. Quem somos nós, nossos valores e qual a importância desse movimento?
https://www.youtube.com/watch?v=VH1JkjskW70

Um salve na Quarentena: De quebrada pra quebrada leva cestas básicas para artistas marginais das periferiferias de Belo Horizonte e Região Metropolitana.
https://www.youtube.com/watch?v=E1oOU9D3bQQ

Coleção I, Mulherio das Letras: Coleção finalista no 62º Prêmio Jabuti, na categoria Inovação. A importância de Mulheres na Literatura.
https://www.youtube.com/watch?v=DBsTxLaU9Fs

 

Pretende-se, com o valor arrecadado, a produção de uma antologia literária com escritores marginais periféricos de Belo Horizonte e RM, ofertando a estes o material como produto para venda e arrecadação pessoal em distribuição igualitária para todas(os) participantes. Também é proposto custear o pagamento de profissionais e produtos.

Por fim, teremos um rico material de distribuição online em plataforma digital com o retorno em audiovisual dessa que é uma atividade cultural permanente para escritoras/es das periferias e outros corpos invisibilizades no mercado editoral, como mulheres, negres, LGBTQIA+; se tornando um projeto que faz repensar a identidade; praticando e exercitando a produção colaborativa, o diálogo entre comunidade e centro, entre escritoras/es e leitoras/es.

O objetivo é o de fortalecer o empoderamento comunitário garantindo o pagamento (salário) de profissionais independentes e periféricos que junto à editora, tem atuado na cadeia editorial, como revisores, ilustradores, artistas visuais, designer gráficos, comunicadores... além das gráficas e dos próprios autores que são moradores das periferias.

Para que a campanha tenha maior acesso e venha possibilitar que novos leitores conheçam a história e todo potencial da Editora, foram criados diversos kits com livros publicados por nós, que permanecem em estoque e que serão distribuídos como brindes à todes que contribuirem para a continuidade e fortalecimento da Editora Venas Abiertas.

Match-funding é como uma vaquinha turbinada: uma nova modalidade de fomento, que mistura o financiamento coletivo (ou crowd-funding) com aporte de parceiros, que multiplicam a arrecadação. Para cada R$ 1 arrecadado pelos projetos selecionados por intermédio da plataforma da Benfeitoria, o Fundo Colaborativo Enfrente contribui com mais R$ 2, até que o valor de R$15.000 seja alcançado.

O Fundo Colaborativo Enfrente, composto pela Fundação Tide Setubal e demais parceiros (vide aba “Parceiros” em benfeitoria.com/enfrente) poderá aportar o total de mais R$ 1.500.000,00 ( um milhão e 500 mil reais) para triplicar a arrecadação de campanhas de financiamento coletivo para recuperação de micro e pequenos negócios das periferias afetados pela pandemia. O Fundo Colaborativo segue aberto para novos parceiros que desejam destinar recursos para as periferias urbanas brasileiras.

Karine Silva Oliveira ainda não publicou nenhuma notícia.